As potencialidades cognitivas da ciência

Que fazer? O testemunho de um sociólogo abolicionista, é um livro à procura de entender as falhas das ciências sociais. Não as procura apenas nas limitações epistémicas dos autores, em particular dos mais consagrados. Tais limitações existem, mas são consequência de causas ao mesmo tempo mais profundas e mais superficiais. São consequência da democratização do estado de espírito imperial – a orientação da acção à luz de missões determinadas por interesses de elites a que cada pessoa e sociedade deve moralmente submeter-se. O espírito imperial é incorporado por cada pessoa no acto de integração social como contrapartida dos benefícios prometidos. À superfície, as pessoas, incluindo os autores mais geniais, dissimulam as suas tendências anti-imperiais de si mesmos. Trabalham e apresentam-se partindo do princípio que o estado de espírito imperial é um pano de fundo natural, que todas as pessoas conhecem e a que todas se sujeitam conscientemente, quando, na verdade, nem os melhores autores se entendem entre si sobre o que seja e sobre a melhor maneira de lidar com tal coisa.

O estado de espírito imperial moderno é interpretado de muitas formas, sendo a interpretação profissional a mais relevante. Os profissionais submetem-se a qualquer missão, a qualquer projecto, contra algum rendimento. Mesmo o titular da missão ou projecto, quem está encarregue de cumprir a missão do imperador a um qualquer nível de complexidade e de responsabilidade, também esse é quase sempre um profissional nas sociedades actuais. Associados ao espírito profissional genérico, há estados de espírito especializados, mais ou menos prestigiados e bem pagos a) conforme as condições sociais e políticas de cada região ou país; b) conforme a relevância estratégica dos investimentos em causa; conforme a relação de forças entre trabalho e capital; c) conforme a divisão profissional do trabalho existente estruturada pelas disciplinas desenhadas nas universidades e nos cursos de formação profissional.

Portanto, as falhas das ciências sociais podem ser procuradas nos resultados de práticas institucionais, científicas e políticas organizadas internacional e solidariamente entre os estados, as universidades, a comunicação social, os centros de investigação, os controlos profissionais sobre quem trabalha no campo científico. Podem ser procuradas também na gestão dos investimentos em ciência e na compreensão do lugar estratégico das ciências sociais que justifica esse investimento.

A resposta apresentada no livro vai no sentido de recomendar o reconhecimento dos controlos sobre a ciência, ao mesmo tempo institucionais, técnicos e cognitivos, como extensões dos controlos sobre as sociedades e, portanto, também sobre os cientistas e as ciências naturais e sociais. As limitações imperiais não são particulares das ciências ou das ciências sociais. Elas caracterizam a vida moderna.

A velha divisão de trabalho social identificada por Durkheim como uma das principais características das sociedades modernas, a democratização, a integração e a ordem social que vivemos nos países mais desenvolvidos, ao evoluir, traduziu-se, no pós-guerra, na hegemonia cognitiva e política das ciências centrípetas, dispersas e fechadas sobre si mesmas. Essa hegemonia das ciências centrípetas, como a hegemonia imperial, não acontece sem muito trabalho de manutenção do império (sistemas alargados e universais de selecção pessoal e financeira harmonizados entre si apoiados em serviços de apoio humanitários) e sem fortes reacções que procuram, por um lado, contrabalançar as falhas cognitivas assim produzidas e, por outro lado, equilibrar a moral de submissão dos profissionais com outras finalidades não imperiais ou mesmo anti-imperiais.

Uma das formas de reagir mais populares perante as evidências desastrosas sobre os efeitos colaterais das missões de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, é a participação em actividades cívicas, como as das ONG´s ou as dos media sociais ou as dos programas de desenvolvimento pessoal e social de tipo espiritual, incluindo as de carácter científico. Porém, a observação mostra como estas formas de reacção anti-imperial se mantêm condicionadas e reproduzem, na prática o espírito imperial de forma centrípeta. Mantêm-se isoladas entre si e isolam as pessoas que nelas participam isoladas umas das outras, nomeadamente por razões de competição profissional.

No campo científico, uma das evidências deste estado de coisas é o carácter prestigiado e falhado das práticas multidisciplinares e transdisciplinares. Actualmente tais propostas foram elevadas à interseccionalidade, método que reconhece a divisão tendencialmente estanque, mas contraproducente, das finalidades anti-imperialistas e as procura ultrapassar. Será suficiente o reconhecimento da actual estanquicidade para organizar as condições de sucesso desta reacção anti-imperial? Ou serão necessários novos arranjos institucionais capazes de proteger e emancipar essas práticas, antes que elas sejam desvirtuadas pela hegemonia imperial?

No campo político, que evidentemente não está desligado nem muito longe do campo científico, as evidências mostram como vivemos tempo de ressaca das lutas anti-imperiais falhadas. O crescimento dos movimentos neo-nazi-fascistas, o negacionismo dos políticos e dos eleitores sobre a particular imoralidade deste modo de constituir impérios bem identificado pela II Grande Guerra e pela prática do Holocausto, o genocídio da parte estigmatizada do povo imperial, como os imigrantes e refugiados descritos como ilegais, a ausência de alternativas políticas humanistas, banalizadas e desacreditadas, a ausência de representação política de perspetivas de desenvolvimento sem crescimento económico, são sintomas de erros estratégicos muito claros e raramente mencionados.

O abolicionismo da escravatura foi barrado pela generalização do assalariamento dos homens, primeiro, e de toda a gente, incluindo os mais directos representantes das elites, depois. O orgulho no trabalho assalariado, elevado a direito, substituiu o orgulho em ser bom escravo. As lutas dos operários para organizarem melhores condições de vida para si levaram-nos a querer partilhar com todos os seres humanos os seus sucessos, decorrentes do espírito fusional que as políticas imperiais de luta de classes promoveram. Historicamente, isso acabou com a destruição da Europa em duas guerras mundiais e a criação das condições da passagem da sede imperial de Londres para Washington, onde ainda permanece. Os EUA começaram um projecto de solidariedade universal, a que chamaram desenvolvimento, centrado na ONU e numa série de instituições internacionais com o objectivo de trazer paz e bem-estar para um mundo sem espírito imperial. À declaração universal de direitos humanos, porém, não correspondeu a prática anti-imperialista. As forças políticas fundadas no imperialismo, nos EUA, na União Soviética, na França e na Alemanha, em Portugal também, e em toda a parte, nunca deixaram de comandar a acção, embora tenham tido de recuar nas condições de liberdade reclamadas pelo novo ânimo das pessoas, no pós-guerra. Isso ficou especialmente evidente nos territórios colonizados pelos países europeus, onde surgiram movimentos anti-imperialistas de libertação das colónias. Infelizmente, a principal reivindicação organizativa e pragmática desses movimentos foi a constituição de estados locais dirigidos por elites locais, entretanto profissionalizadas como funcionários internacionais ou ao serviço das organizações internacionais de desenvolvimento. A globalização resulta do fracasso geral dos movimentos anti-imperialistas que ganharam as guerras mundiais e que fizeram recuar os impérios nas colónias. Uma nova forma de império continuou o ímpeto anterior de exploração da Terra, agora entrando numa situação de esgotamento crescente de recursos recicláveis e de produção de lixo, material e humano, a uma escala jamais vista.

As tendências políticas neo-nazi-fascistas em crescendo actualmente mostram a falta de imaginação política das sociedades modernas actuais (e o seu reaccionarismo) e o reconhecimento generalizado não apenas dos fracassos, mas também das perversidades das alianças imperiais-anti-imperialistas que conduziram as lutas de classe no século XIX, as guerras na Europa na primeira parte do século XX, os movimentos de libertação no pós-guerra, as ONG´s depois dos anos 80, a globalização.

As universidades e as ciências sociais, como as ciências, recolhendo investimentos crescentes durante este período histórico, não podem estar – mas estão – sem posição perante a derrota dos movimentos anti-imperialistas. Tal derrota é a derrota da imaginação e, portanto, das potencialidades cognitivas que a ciência pode, mas não está a proporcionar.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.