Reorientar as ciências é uma tarefa mental-individual ou de política institucional?

Vários autores reconhecem limitações estruturais, epistémicas e técnicas, às práticas científicas em ciências sociais. Porém, em vez de analisarem os impedimentos que obstaculizam as práticas científicas, limitam-se a fazer recomendações aos cientistas sociais sobre o que individualmente devem fazer, como um professor recomenda a um aluno a estudar. As recomendações paternalistas tornam-se bizarras quando admitem a impossibilidade de as ciências sociais poderem ser ciências, não por causa dos impedimentos que o inibem hoje, mas pela natureza extraordinariamente plástica da vida humana. Estas linhas de argumentação baseiam-se e usam como desculpa do alegado falhanço da proposta clássica de transformar a filosofia social em ciências sociais o alegado facto de a natureza ser rígida e eterna, insensível às mudanças e ao tempo, e a humanidade ser o inverso disso, ser uma entidade histórica.

Para citar alguns trabalhos que adoptam esta perspectiva recordo Robert Skidelsky (2018), Bernard Lahire (2003, 2012), Nicos Mouzelis (1995), Ralph Darhendorf (1958). O que não me lembro de ter lido são teses sobre a lógica e os modos de condicionamento das práticas científicas pelas políticas científicas. Conheço o trabalho de Michael Kuhn (2016) que faz uma contundente crítica epistémica às ciências sociais e o de Jim Schofield (2018) que faz uma esclarecedora crítica epistémica à física, na linha das críticas de Ilya Prigogine (1996) à química e de António Damásio (2017) à neuro-biologia. Em nenhum caso as políticas científicas são trazidas à colação e ao debate, como se estivessem fora do âmbito (profissional?) das discussões científicas.

Aristóteles

Bent Flyvbjerg (2001) Making Social Science Matter – why social inquiry fails and how it can succeed again, Cambridge University Press, é um livro que vale a pena ler. Aponta às ciências sociais aquilo que é também um problema das ciências naturais: o respeito intelectual dos limites entre aquilo que se faz (episteme e techne, para usar as expressões gregas trazidas pelo autor) e aquilo que não se faz e se delega a terceiros (phronesis, a potencia que relaciona a cognição e as técnicas com a política, com os seus usos práticos). Infelizmente, Flyvbjerg resigna-se com as ciências sociais não científicas, dando crédito à tese cartesiana da diferença de natureza entre a natureza, a vida, por um lado, e a natureza humana, por outro lado. É como se a sociedade, ao contrário da natureza, nunca estivesse em condições de fazer pose para a fotografia científica. Quando o problema, claro, é as teorias e os métodos científicos serem capazes de dar conta da mobilidade da existência. O conceito de phronesis, em Flyvbjerg, não se eleva ao nível da política, modernamente muito mais distanciado do público do que na Grécia Antiga. Fica-se, como no caso da sociologia pública (Braga & Burawoy, 2009), por um apelo aos colegas de profissão para que, individualmente, usem os respectivos estatutos sociais como influencers ou comentadores.

Referências:

Braga, R., & Burawoy, M. (2009). Por uma Sociologia Pública. Alameda. http://sociologia.fflch.usp.br/node/460

Damásio, A. (2017). A estranha Ordem das Coisas – a vida, os sentimentos e as culturas humanas. Circulo de Leitores.

Darhendorf, R. (1958). Out of Utopia – Toward a reorientation of Sociological Analysis. American Journal of Sociology, LXIV.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem. https://www.kobo.com/us/pt/ebook/how-the-social-sciences-think-about-the-world-s-social-1

Lahire, B. (2003). O Homem Plural – As Molas da Acção. Piaget.

Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales. Seuil.

Mouzelis, N. (1995). Sociological Theory: What Went Wrong? – diagnosis and remedies. Routledge.

Prigogine, I. (1996). O Fim das Certezas. Gradiva.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Skidelsky, R. (2018). Money and Government, a challange to mainstream economics. Penguin Books.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (19 de Novembro de 2020). Reorientar as ciências é uma tarefa mental-individual ou de política institucional? Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvn2


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search