Max Weber e ciência centrífuga

A sociedade sem classes industrializada que iria universalizar-se através de revoluções proletárias, antecipadas por Marx e Engels, não ocorreu. O que aconteceu na Europa do pós-guerra, ao invés, foi uma estabilização e desenvolvimento da solidariedade orgânica, como a apontada por Durkheim. Então, Max Weber acusou Marx de utilizar ideias milenaristas para entusiasmar trabalhadores com perspectivas históricas falsas. Mas ao contrário de Durkheim, para Weber a única realidade existente eram as pessoas tomadas individualmente. As sociedades não poderiam ser tratadas como coisas, ao modo das ciências naturais, pela razão de serem mera imaginação.

Para Weber, as ciências sociais tratariam de estudar o sentido atribuído às acções das pessoas, egoístas ou altruístas, sem relação com aquilo que efectivamente se passava ao nível inferior, ao nível da matéria estudado pelas ciências naturais. As ciências sociais são, a seus olhos, o estudo do modo como as ideias abstractas influenciam as práticas; como a racionalidade, as classes sociais, os partidos, a burocracia, a economia, estão historicamente associadas a certos comportamentos sociais. Max Weber reforçou o cartesianismo de que Marx e Durkheim tentaram escapar. Hoje, apesar do forte desenvolvimento das ciências sociais, pensa-se a sociedade como se esta fosse alheia à natureza, erro que se está a pagar com a emergência climática e a extinção das espécies favorecidas pela actividade humana.  

“There is no such thing as society!”

Margaret Thatcher dixit

A tarefa prioritária das ciências sociais no último século tem sido a de se organizar em disciplinas e subdisciplina ignorantes do trabalho umas das outras e também do que se passa nas ciências sociais (Snow, 1956) e no mundo das tecnologias (Latour, 2007). Essa actividade ficou descrita por Talcott Parsons (1948), juntamente com a conceptualização da teoria de sistemas (Parsons, 1961) que separa radicalmente estruturas sociais, valores institucionalizados, próximo do que propôs Durkheim, e acção social individual, próximo do sentido de Max Weber. Até aos dias de hoje, a crítica do estrutural funcionalismo não foi suficientemente clara e convincente para que este deixasse de continuar a ser a referência epistemológica hegemónica (Mouzelis, 1995, p. 7).

Tentativas de organizar paradigmas centrífugos para as ciências sociais (Bourdieu, 1995; Elias, 1990; Giddens, 1988) continuam a surgir de modo extraordinário, sem influenciar o rumo geral das ciências sociais isoladas entre si e das ciências naturais, incapazes de cumprir o programa comteano de mútua convergência das ciências sociais e naturais desejado também por cientistas naturais (Capra, 1989; Prigogine, 1996; Schofield, 2018).

Max Weber (1864-1920) foi filósofo, político, economista, jurista, sociólogo, historiador, mas recomendou aos seus discípulos que escolhessem apenas uma especialização (Weber, 2012b, 2012a). Inspirou a profissionalização das ciências sociais que se sucederia (Coser, 1956, pp. 18, 19, 27) a declarar inconcebível o projecto comteano e a assumir de forma institucional a incompatibilidade entre as ciências sociais e as ciências naturais.

Para Weber, a análise social científica deveria produzir medidas de desigualdades. Ao fazê-lo, notou como, ao contrário do que alegou Karl Marx, as classes sociais não formam blocos políticos eleitorais. Isso pode explicar-se por os trabalhadores estarem divididos por interesses económicos diferentes entre si e por pensarem politicamente de forma diversas.  Assim, economia, política, classe social, embora se relacionassem mutuamente, esses relacionamentos eram históricos. Mudavam com o tempo e com a história de cada sociedade particular. O que as ciências sociais poderiam fazer, dadas as circunstâncias, seria comparar objectivamente a situação de cada pessoa numa tabela de medidas que possam informar a sua situação económica (valor das propriedades e/ou valor dos rendimentos), política (em que partido participam ou votam) ou social (prestígio da profissão ou/e da certificação escolar obtida) ou as respectivas situações negativas, como pobreza, exclusão social, iliteracia.

O que os cientistas sociais podem fazer é ideais-tipo, caricaturas da realidade esquartejada por variáveis que possam ser tomadas como indicadores de dimensões sociais, separadas entre si e da natureza, fundados em iniciativas e propósitos ideológicos que se imporiam no campo das ciências sociais conquanto apresentassem argumentos mais convincentes.

As escolas e as universidades, apesar das finalidades inter e transdisciplinares que declaram, trabalham arduamente para transformar em dogma e tabu incorporado a epistemologia weberiana da ciência, na verdade da tecnociência (Veta, 2021). Esta epistemologia serve bem os interesses imperiais de a mão esquerda, como as ideologias, ignorar o que faz a mão direita, a violência das instituições. Ao imperador cabe a sobriedade de parecer sério mesmo perante as maiores misérias humanas. Sobretudo quando há interesses e agentes imperiais envolvidos na exploração da Terra e dos seus recursos humanos, o principal desígnio da actual missão imperial de expansão da Fé e do Império.

Embora os direitos humanos, a inovação científica, a justiça moralmente igualitária sejam valores consensualizados e juridicamente formalizados nas sociedades modernas, as falhas evidentes e conhecidas ao respeito destes valores na acção institucional, envolvendo responsáveis, funcionários e trabalhadores, passam frequentemente e eventualmente escandalosamente impunes. Tais falhas podem ser apresentadas como excepções cuja insistência as tornam normais (Agamben, 2004).

A separação hierárquica entre responsáveis e sujeitos, ao serviço de desígnios imperiais superiores, continua a desenvolver castas sociais, descritas ingenuamente pelas ciências sociais, à maneira weberiana, como desigualdades sociais. Umas trabalham com a mente e as outras com a força física; umas ganham cada vez mais e outras cada vez menos; umas são geralmente impunes quando cometem crimes de colarinho branco e outras são puníveis disciplinarmente e por crimes de lana caprina ou bagatelas penais, enchendo as prisões onde cada preso consome com a sua miserável presença três salários mínimos.

A lógica imperial descrita por Descartes substitui Deus por uma inteligência e razão laicas, as da administração imperial, a res cogitans, e a criação por natureza eterna, a res extensa, sem dignidade que impeça a sua exploração radical. O lugar de Deus é ocupado agora pelo trabalho intelectual, ambos separados da Terra, objecto a ser explorado. À maior parte da humanidade, a que trabalha fora do âmbito do trabalho intelectual, das administrações públicas e privadas, embora continue a pensar (o que é uma pena, do ponto de vista do império, e uma desvantagem em relação aos robots), é reconhecida uma dignidade ligeiramente superior à natureza – afirmada pelos Direitos Humanos – mas incomparável com a dignidade das personalidades, ditas responsáveis, que representam instituições.

As sociedades modernas revelam-se incapazes de cumprir as determinações de igualdade legal ou social, mas o direito e as ciências sociais insistem em manter essas determinações, embora desajustadas da experiência (Jakobs & Meliá, 2003). Max Weber descreve o processo de afirmação do espírito racional nas sociedades modernas como burocrático, incluindo o seu sentido negativo e repressivo da liberdade e da imaginação. Mas as alternativas, o espírito tradicional e o espírito carismático, serão ainda piores, a seus olhos.

Assim, embora Max Weber recomende a produção organizada de ciências centrípetas nos seus estudos metodológicos, foi também um praticante das ciências centrífugas, nomeadamente quando avança o conceito de estados-de-espírito que usa, de forma clássica, na sua polémica com Marx, A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Esse texto, o mais famoso dos que escreveu, não nega a existência de espírito revolucionário. Contrapõe que terá sido o espírito do capitalismo e não o espírito revolucionário, ambos com antecedentes em fenómenos religiosos tradicionais e carismáticos, o que maior influência teve na organização das sociedades modernas. Sendo que o espírito do capitalismo se afirmou de forma mais discreta no seio das famílias burguesas, que o praticaram e divulgaram, em vez de forma violenta como fizeram alguns trabalhadores envolvidos em movimentos proletários, sem sucesso.

A história das teorias ciências sociais do século XX revela que neomarxistas e neoweberianos encontraram chão comum onde assentar as disciplinas de ciências sociais. Essa coligação ideológica é hegemónica e reforça as ciências centrípetas, alheando-se da promoção das ciências centrífugas. Reforça as omissões no estudo de conceitos de fundo, como estados-de-espírito, violência, império e outros. Reforça o isolamento do mundo das ciências sociais do das ciências naturais, as disciplinas entre si, das subdisciplinas entre si, das partes e do todo, de modo a ser difícil às ciências sociais observar as relações entre as sociedades e o meio ambiente (Renn, 2020).

Como ensinou Tocqueville, também para Weber as revoluções podem ser encaradas como desperdícios de energia, já que mais não farão do que seguir o rumo de transformações profundas já inscritas nos processos sociais de longa duração em curso. Para Weber, o movimento operário não era um embrião do futuro, como julgava Marx. Era uma reminiscência do passado, do tempo das sociedades tradicionais em que a administração pública era frágil e, portanto, não era possível actuar, para o bem e para o mal, com racionalidade a nível político e social.

Referências

CONTINUA EM: Autores clássicos e ciência centrífuga

COMEÇA EM: Ciência centrífuga e os clássicos das ciências sociais


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Março de 2024). Max Weber e ciência centrífuga. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vy79


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search