Materialismo histórico e ciência centrífuga

Historicamente falhado, o materialismo histórico passou-se do estudo da infra-estrutura (um conceito holista de economia que inclui o estudo dos modos de produção) para o campo da superestrutura, sob a forma de ideologia inspiradora de partidos políticos. Falhado no campo da política, elevou-se como superestrutura da superestrutura: ideologia refugiada no campo da ciência. A discussão holista da essência transformadora das sociedades modernas (o modo de produção) foi substituída pelas lutas culturais parcelares de reconhecimento da legitimidade dos interesses dos trabalhadores, sem que as infraestruturas – tecnologias, energias, relações com a natureza, estados de espírito reaccionários e revolucionários, relações entre as pessoas – sejam equacionadas. Como as práticas científicas dominantes, o materialismo histórico que sobrou das lutas sociais do último século e meio também separa as análises macro, estruturais, das análises micro, do quotidiano. Reduzidos ao campo das ciências sociais, como as outras teorias do campo, os marxismos precisam completar a pré-concebida incompatibilidade entre o macro e o micro com a invenção de um nível meso, como a a administração dos estados, a cultura, os partidos políticos ou profissões. Perdem de vista a missão imperial e, em particular, a necessidade de contestar a distinção cartesiana entre natureza natural e humanidade artificial.

A ciência centrífuga é a parte das ciências que desenvolve o trabalho de contestação dos pressupostos cartesianos (Damásio, 1994), a contestação à noção de partida de que o todo é a soma das partes, na res extensa, e que só a imaginação da res cogitans arbitra a unidade artificial àquilo deve permanecer separado, a saber a humanidade pecadora e a vida celestial pós-morte. Esta ideologia científica, de origem religiosa, é difícil de subverter, apesar dos múltiplos ataques desenvolvidos pelas ciências e pelas políticas emancipadoras da tutela sobrenatural do pensamento. O materialismo histórico foi das correntes científicas e ideológicas protestou contra o cartesianismo, sem sucesso. No fundamental, adaptou-se ao cartesianismo para manter a parte de sucesso e prestígio que obteve. Perdeu o estado de espírito revolucionário.

O mesmo aconteceu com outros movimentos abolicionistas das classes, como os contra a escravatura, o clericalismo, o capitalismo, o colonialismo, o patriarcalismo, o totalitarismo, etc. O cartesianismo mantém-se firme a servir de matriz às ideologias políticas modernas. Apesar das consequências das acções humanas conjugadas no meio ambiente serem reconhecidas, todos os partidos políticos continuam a insistir em acelerar mais a actividade económica destrutiva alegando, e convencendo os eleitores, de que essa é a única forma de viver melhor um dia, sem data prevista. As pessoas, inspiradas em Descartes, entendem que os valores são coisas divinas e intangíveis, incompatíveis com a realidade material e prática, como as ciências sociais são incompatíveis com as ciências naturais. Como diria Orwell (2017), alguns são mais iguais do que outros. Ou, substituindo o valor da igualdade pelo da liberdade, alguns são mais livres do que outros. Isto é, as classes sociais existirão para sempre, ainda que uma parte da sociedade desejasse acabar com elas. Terá sido a isso que Marx chamou o socialismo utópico. Contrapôs a isso o socialismo de base materialista, histórica e económica, o socialismo científico.

Reconhece-se o efeito maniqueísta das ideologias como um obstáculo ao conhecimento (Snow, 1956). O conhecimento propício à libertação das sociedades das contradições de classe e da impotência para evitar criar mais problemas existenciais, como as mudanças climáticas, está bloqueado (Renn, 2020). Como e porque resistem os conhecimentos científicos e as sociedades modernas às ciências centrífugas e os movimentos abolicionistas?

O cartesianismo separa as mentes dos corpos, a sociedade da natureza, as ideologias das práticas, a ciência centrífuga da ciência centrípeta ou tecnociência, para concentrar todas as energias das sociedades em finalidades específicas, bem definidas, independentemente da moralidade da acção e dos seus efeitos secundários. Profissionalmente, os trabalhadores não são responsáveis – ainda que possam desejar sê-lo – pelas decisões das administrações dos projectos que determinam a existência de organizações hierarquicamente organizadas. Como determinado religiosamente, a vida dos superiores – embora hoje não sejam aceites as alegações de ascendência divina dos governantes – é independente da vida do vulgo e determinante para os rumos das sociedades. Na ciência profissionalizada não é diferente.

As ciências centrípetas vivem no interior do labirinto das disciplinas especializadas que não se falam entre si e que tratam níveis de realidade como se estes existissem também isolados entre si. Recticularmente se constroem assim os labirínticos cantos de sereia em que se isolam as disciplinas profissionais e científicas que se subdividem, mas raramente dialogam entre si: são as ciências centrípetas que perderam de vista as finalidades morais e holistas do conhecimento (Snyder, 2023). A consistência teórica e prática entre o cartesianismo, o profissionalismo e a ciência centrípeta, por um lado, e a resiliência das classes sociais mesmo após fortes e sucessivos ataques bem-sucedidos, por outro lado, podem ser aplicadas pelo consenso social que ainda não foi quebrado em torno da missão imperial moderna de explorar a Terra e os seus recursos, incluindo os recursos humanos. A ambição generalizada das sociedades modernas e das pessoas nelas integradas é, na medida do possível, participar na exploração da Terra, no quadro da organização internacional desenvolvida pelas elites imperiais, competindo para chegar mais alto em qualquer das hierarquizações existentes. O céu é o limite, dizem.

As ciências centrífugas usam os conhecimentos produzidos pelas ciências centrípetas para os questionar, para repensar os seus limites e inventar soluções mais adequadas a uma eventual superação dos limites desses conhecimentos. Essa actividade é geralmente improdutiva, especulativa, inconclusiva, controversa, mas funciona fora dos labirintos cartesianos e ideológicos. Precisa de um meio intelectual desinibido capaz de dispensar o orgulho profissional e pessoal em nome da produção de melhores conhecimentos, eventualmente mais eficazes.

As ciências centrípetas são mais produtivas e previsíveis e são, naturalmente, as preferidas dos gestores de ciência, dos profissionais de ciência e também da população que vê na ciência um instrumento de exploração da Terra, e não de libertação das imoralidades sociais. As ciências centrífugas são intelectualmente mais exigentes, não tanto no aspecto da sabedoria de quem as pratica, mas mais na disponibilidade para sair das zonas de estabilidade ideológica em que se vive e pensa confortavelmente, sem pensar moralmente e nos efeitos secundários do que se faz.

Karl Marx, como os clássicos das ciências sociais, praticava ciências sociais centrífugas numa época em que campeava o espírito revolucionário nas sociedades modernas e não havia uma exploração tão organizada das comunidades científicas das ciências sociais como passou a ocorrer com a profissionalização e global dos licenciados nas universidades, no pós-guerra.

Foram as monarquias que organizaram as navegações oceânicas. Mas foram os colonos quem deu continuidade à Fé e ao Império, tomando para si pedaços da Terra (Linklater, 2013), e os trabalhadores libertados das terras para logo participarem na industrialização, quem realizou o trabalho prático. O que entusiasmou a humanidade na teoria de Marx foi a crença revelada pelo determinismo histórico, de base científica, de que a quantidade – os proletários a viver juntos – se transformaria dialéctica e necessariamente em reconhecimento da humanidade dos trabalhadores e da sua moral. As greves não são meras reacções de sobrevivência. São também alimento para o espírito revolucionário e a ideia de uma sociedade sem classes que, por isso, se concretizaria obrigatoriamente um dia pela sempre crescente força dos trabalhadores.

Como qualquer outra teoria, a marxista tropeça nas suas contradições. Mas serve a ciência centrífuga sempre que é usada para fazer perguntas na perspectiva de oferecer novas perspectivas de pensar que estão a ser preteridas, de momento. Pode perguntar-se, por exemplo, por onde anda o espírito revolucionário que ambiciona realizar uma sociedade sem classes como aquela sociedade socialista de que fala a constituição portuguesa de 1976? Será que esse tipo de sociedade já foi realizado, como dizem os partidos de direita que concorrem às eleições de Março de 2024, ano em que se comemora os 50 anos da Revolução de 25 de Abril, referindo-se à persistência do Partido Socialista no governo? Estará o espírito revolucionário que tanto atrai a juventude representado pelo partido da extrema-direita que sobe nas sondagens e em mandatos parlamentares? Como a ambição de uma sociedade sem classes se compagina com a exclusão de ciganos e dos imigrantes de países pós-coloniais reclamada pela campanha eleitoral de extrema-direita? Porque é que há tantos trabalhadores a votar em partidos que não protegem os seus interesses económicos?

Referências

CONTINUA EM: Durkheim e ciência centrífuga

COMEÇA EM: Ciência centrífuga e os clássicos das ciências sociais


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Março de 2024). Materialismo histórico e ciência centrífuga. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vy77


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search