Materialismo histórico e o teste da história

Com Marx, a filosofia alemã, o socialismo francês e a economia política britânica convergiram num pensamento europeu que entusiasmou gerações em diversos continentes. Marx resgatou o universalismo iluminado inspirador das Revoluções Industrial e Francesa, na perspectiva da superação definitiva das violentas contradições históricas e sociais vividas no século XIX. Duzentos anos após o seu nascimento, o nome de Marx continua a ser conhecido como uma ameaça ao status quo. Porém, por ter sido inspirador do socialismo real, um fracasso histórico, é também dado por ultrapassado. Os seus admiradores dividem-se tanto quanto os seus detractores. Cresce o número dos que são indiferentes. Mas a marca do seu pensamento continua a ser incontornável, pelo menos nas ciências sociais.

Karl Marx (1818-1883) formou-se em filosofia e acabou por ser mundialmente conhecido como economista genial e revolucionário. Declarou-se materialista e seguiu as tendências da época: abandonar a metafísica e adoptar o empirismo pragmático, como sugeriu Auguste Comte na sua lei dos três estados do conhecimento humano. Ao materialismo próprio da perspectiva científica aplicada à natureza, Marx acrescentou o adjectivo histórico. O materialismo-histórico junta à produção de factos económicos o determinismo futurista, optimista, que assegura que um dia tudo acabará bem.

O autor inscreveu essa epistemologia nos seus conceitos, como o de modo de produção. O modo de produção é a relação dialéctica entre as relações de produção, a exploração da Terra pelas sociedades modernas, e as forças produtivas, o ânimo com que os trabalhadores organizados a mando das elites ocupam os seus dias e energias a explorar a Terra. Quando os trabalhadores fazem greve, fenómeno recorrente, não apenas deixam de trabalhar, mas ocupam a mente a imaginar mundos diferentes, para melhor, daquele em que vivem. O sentido da história, assegura Marx, cumprirá os desejos dessa imaginação. O nível e a intensidade social, mais ou menos revolucionários, desses imaginários são a fonte do determinismo histórico: um dia, tarde ou cedo, esses imaginários têm tido e terão sempre consequências práticas na vida social, enquanto houver trabalhadores a imaginar futuros melhores.

A capacidade dos interesses dominantes de acumulação em corresponder à lógica positiva da história é limitada. A superação do modo de produção capitalista pelo modo de produção socialista não se revelou tão espectacular como a passagem do modo de produção agrícola para o modo de produção industrial. Sob as diferentes formas de capitalismo, liberal e/ou estatal, a perspectiva dos problemas sociais dos trabalhadores serem resolvidos é sempre não prioritária. O crescimento da economia merece todos os sacrifícios, incluindo a pobreza e a exclusão de trabalhadores. Para piorar a situação, há a convicção fundamentada na experiência de que as novas gerações viverão pior do que as actuais, sem sequer contar com as imprevisíveis consequências das alterações climáticas.

Marx descobriu que para renovar o ânimo social para prosseguir a missão imperial de exploração da Terra, as elites entram frequentemente em crise e arrastam a sociedades nisso. Quando a desadequação da produção às necessidades se torna evidente, o capitalismo precisa de se reinventar e aumentar o seu poder. Em economia diz-se que é indispensável o crescimento para que haja recursos para resolver os problemas sociais. O que também quer dizer que, em política, mesmo se as promessas eleitorais fossem cumpridas, novas promessas teriam de ser mobilizadas para justificar os sacrifícios dos trabalhadores para produzir o crescimento infinito que serve a acumulação de riquezas e respondem à evolução positiva dos modos de produção prevista por Marx.

A tese de Marx é que as crises comandadas pelas elites imperiais aumentam também o poder dos trabalhadores e dos militares que os servem. Assim, o crescente poder resultante da evolução dos modos de produção acumula riqueza, por um lado, e acumula imaginários de superação do modo de produção capitalista. Isso observa-se na realidade. Mas é preciso acrescentar que os imaginários se superação do modo de produção não se revelaram suficientes para abolir a hegemonia do capitalismo, nem nos países do socialismo real.

Concentremos a nossa atenção nos processos de produção de imaginários, como os produzidos pelas ciências sociais. Chamemos ciência centrípeta à parte das ciências sociais que se foca na economia, como disciplina, e estuda estatisticamente as relações entre as sociedades e o meio ambiente, tanto no aspecto reprodutivo (agricultura, construção civil, têxteis, etc.) como no aspecto produtivo (indústria, forças armadas, estados, etc.). É o detalhe e rigor empíricos especializados que caracterizam este tipo de ciência, a par da especialização: quem percebe de agricultura não percebe de indústria e vice-versa, e assim por diante em todas as especialidades e subespecialidades.

Marx apercebeu-se das limitações do seu pensamento económico e cozeu-o, separando as infra-estruturas (positivas, económicas) e as superestruturas (ideológicas, políticas). Seguiu a recomendação de Descartes de conceber diferentes níveis de realidade: a economia em baixo, no lugar da res extensa, e a política em cima, no lugar da res cogitans. Ao contrário da filosofia idealista, alegou, dever-se-ia valorizar mais as pessoas e as práticas de baixo, as práticas produtivas holistas, o trabalho, em vez das de cima, as práticas de ilusionismo das elites. Ainda hoje, as ciências sociais estão cruzadas por este dilema: valorizar os imaginários com que as elites mobilizam os trabalhadores, como fazem as teorias académicas, ou valorizar os imaginários contra-hegemónicos, como fazem as teorias críticas, alegando que são moralmente mais puros ou serão o imaginário das elites do futuro? Reconhecendo a difícil viabilidade da aceitação social de tais valores críticos, Marx alegou que a história está cheia de dialécticas abolicionistas de classes, como as aristocráticas, as esclavagistas, as clericais, e que a redução dessas classes à oposição entre burguesia e proletariado industriais antecipava o ressurgimento de uma sociedade sem classes, comunista. Mas (ainda?) não se cumpriu.

A hegemonia dos imaginários favoráveis às elites mantem-se e reforçou-se. A esperança de um modo de produção favorável à moralização da vida social se tornar irresistível foi destruída pela história. Cada pessoa imagina o seu mundo em pequeno, como especialista ao serviço de algum empregador ou como dependente de subsídios. A sociedade e o mundo estão fora do alcance de cada um. São estruturas inamovíveis pela vontade individual, como dizem as teorias sociais, embora a contragosto.

Os nossos empregos são experiências independentes das nossas competências políticas; caso não sejamos políticos ou activistas profissionais, resta alhearmo-nos da política e concentramo-nos na vida profissional. Ao contrário dos desejos de Marx, a atenção especializada nas infra-estruturas esgota a imaginação das pessoas. Os sonhos de alcançar uma sociedade diferente desvaneceram-se com a implosão da União Soviética. Como os outros profissionais, também os políticos obedecem aos seus chefes. Para fazerem carreira, têm de mostrar-se mais capazes de realizar os desejos das elites do que os seus colegas e concorrentes. Apesar das profundas transformações sociais dos últimos duzentos anos, as elites continuam a ser mais prestigiadas do que os trabalhadores (Sandel, 2020).

A divisão abstracta da realidade em níveis micro (como a economia das empresas ou a vida das famílias ou a vida profissional) e em níveis macro, geralmente descritos estatisticamente e interpretados ideologicamente (como as finanças públicas, as desigualdades sociais, as relações internacionais), funciona como uma desistência de compreender a realidade de uma forma holista, centrífuga.

Referências

CONTINUA EM: Materialismo histórico e ciência centrífuga

COMEÇA EM: Ciência centrífuga e os clássicos das ciências sociais


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Março de 2024). Materialismo histórico e o teste da história. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vy76


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search