A importância da censura universitária

Num trabalho académico de apresentação de referências sobre prisões, uma estudante refere-se assim, com muita simpatia, ao meu trabalho: “António Pedro Dores é dos autores mais incontornáveis, membro do Observatório das Prisões Europeias e investigador do ISCTE, tem uma vasta literatura sobre as más condições prisionais em Portugal, no contexto disciplinar da Sociologia. Consideramos que as suas obras principais devem ser consultadas, no entanto, talvez devido à sua proximidade para com o tema enquanto activista – proximidade essa que consideramos de maior importância e que não condenamos, especialmente porque a cientificidade não fica pelo caminho – é necessário complementar as mesmas com mais dados científicos”.

Quem assim escreve, com toda a probabilidade, desconhece a existência de factos relevantes relacionados com o que afirma. Desconhece o “reconhecimento universitário” dedicado ao meu trabalho. Desconhece as restrições censórias à liberdade de expressão vigentes. Quando afirma ser “necessário complementar [as minhas obras] com mais dados científicos”, está apenas a defender-me das cautelas que aprendeu serem necessárias a quem me quiser citar. Fui o único autor citado a quem reconheceu activismo. Fui o único a quem recomenda a necessidade de completude, devendo entender-se isso como um elogio. Não vá algum leitor mais entusiasmado pensar que está tudo feito na minha “obra”. Elogio expresso de uma forma negativa: “proximidade [às prisões] que consideramos de maior importância e que não condenamos”. Não estou seguro de que a referência à minha proximidade esteja correcta. Se a estudante entende proximidade como uma proximidade física, na verdade, ao contrário das antropólogas citadas como referências de igual estatuto, jamais estudei as prisões dentro das prisões. Sempre as estudei de fora das prisões.

Uma breve consulta da minha literatura revelaria como o tema prisões, sendo sem dúvida central no meu pensamento e acção, está longe de ocupar a maioria do meu tempo de trabalho e da minha atenção.

Faculdade moderna

Como noutras organizações, mas com uma intensidade diferente nas universidades, aquilo que é a organização formal e os objectivos declarados só de forma nada directa correspondem à organização informal e aos objectivos perseguidos pelas elites que dominam a acção institucional. Formalmente, as faculdades de ciências sociais promovem o espírito científico. Na realidade, oferecem receitas e respostas feitas para ajudar os estudantes a tornarem-se profissionais. Ao mesmo tempo, convencem os estudantes, os professores e os investigadores de estar a fazer trabalho crítico e científico. Mesmo que as discussões sobre a crítica e a ciência sejam consideradas bizantinas e próprias de quem tenha muito tempo, que não é o caso dos que precisam de acompanhar as competições profissionais, dentro e fora das universidades.

Quando não atingem os objectivos, quando não aprendem aquilo que deveriam aprender (a respeitar as opiniões dominantes no campo e na organização), os estudantes chumbam (os professores, os investigadores não são escolhidos para entrar nas carreiras) até aprenderem. Por exemplo, citar Boaventura Sousa Santos em Lisboa é mau presságio para a avaliação. Não o fazer em Coimbra é impossível. Citar António Costa em Lisboa ajuda a simpatia da generalidade dos avaliadores. Mas citar António Dores, como se percebe pelo exemplo, deve ser acompanhado de um disclaimer, duma retratação.

Alguns anos atrás, depois de uma apresentação pública que fiz dos meus livros sobre estados de espírito, uma aluna perguntou-me: “Isso não é sociologia do ISCTE, pois não?”. Uns anos mais tarde, num júri de mestrado, a discussão passava por dar um 20 ou um 19 ao trabalho de dissertação. O argumento usado para dar a nota mais baixa foi: “a tese não se enquadra no estilo do ISCTE. Não pode ser apresentada como representativa do que aqui se faz”.

A censura universitária não é só de lápis azul (essa também se pratica). Ela incorpora-se nos estudantes (professores, investigadores e profissionais) sob a forma de emoções negativas e positivas tacitamente associadas a nomes e conceitos. Essas configurações emocionais decorrem de opções disciplinares e ideológicas misturadas. Decorrem da circunscrição de cada um a uma subdisciplina (no meu caso, sou remetido para a sociologia das prisões). Decorrem do respeito das sociologias pelas ideologias social-democratas, umas do Sul (como em Coimbra), outras do Norte (como no ISCTE), outras pós-modernas (que procuram escapar das camisas de forças, através do auto-isolamento). Decorrem das políticas centrípetas de ciência: as políticas que fazem do respeito pelos interesses políticos dominantes os interesses dos dirigentes das organizações académicas e de investigação. (Sobre o assunto publiquei um livro “Estado Social Real” e escrevi um livro “Que fazer?” de que estou a preparar publicação).

A censura universitária incorpora-se, naturaliza-se, mesmo para quem, como a aluna em causa, usa as emoções negativas (“é necessário complementar [as obras] com mais dados científicos”) para abrir espaço para poder expressar emoções positivas (“dos autores mais incontornáveis”).

Aquilo que lhe disseram directa ou indirectamente (cuidado, trata-se de um activista!) não foi suficiente para demover a estudante. Na verdade, usou o prestígio que o (outro) activismo goza na universidade, o activismo partidário de que são protagonistas os Reitores e as respetivas comitivas, para tornar positiva a negatividade emocional da referência à minha “obra”.

A censura universitária é emocional e eficaz. Mas entra em contradição quando alega ser favorável ao pensamento racional e crítico. Na prática, só aceita o pensamento crítico disciplinar e ideologicamente favorável aos desígnios das elites universitárias e partidárias. Outros tipos de pensamento (como a sociologia abolicionista ou o holismo pragmático que pratico) com ambições científicas são estigmatizados, tanto mais quanto maiores são os graus académicos em causa.

Pode essa censura universitária ser ultrapassada? Pode e é ultrapassada. O problema para a ciência e a sociedade é que esta censura só é ultrapassada caso a caso. Tal como acontece com a pobreza nas sociedades sob os estados sociais, a lixo humano é produzido industrialmente e a reinserção social dos pobres é feita a conta gotas. Na universidade a censura é produzida industrialmente e a promoção da ciência é feita a conta gotas. O facto de haver algumas estudantes que se atrevem a romper com a censura universitária – utilizando mais a intuição do que a razão – é uma gota no oceano, que rapidamente se desvanece na “liberdade” académica.

Uma das consequências da existência dessa produção em massa da censura não deixa de ser é a subordinação dos activistas aos desígnios partidários. Os activistas que não se subordinam tornam-se alvos de remoques informais (raramente são ditos em público, para não admitir réplica e debate). Diz-que-disse que aparece nas escritas académicas a que ninguém, nem os estudantes que as escrevem, dão a importância que têm.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (23 de Outubro de 2020). A importância da censura universitária. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvmz


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search