A epistemologia também previne as dores

A fé no poder da Razão começa por traduzir-se, no século XIV, no registo cartográfico e oficial da descoberta da superfície terrestre. A descoberta da ciência mecânica celeste, primeiro, e da complexidade das diferentes disciplinas científicas, depois, divide a fé na Razão em duas: a razão cósmica ou física, por um lado, e a razão microscópica ou química, por outro. A macro análise entende-se como parte do mundo espiritual, ou ideológico, virtual, e a micro-análise como parte do mundo da efectivo da matéria.

O universalismo da civilização em que as ciências despontaram é a sua maior força, e a sua maior fraqueza. É feito de normas de medida universais que, uma vez impostas, permitem estabelecer factos oficiais. Factos que para serem compreendidos e explicados exigem a adopção de disposições mentais específicas, as dos cientistas, no quadro geral da conquista da Terra: uma coisa é imaginar e organizar a logística, outra coisa é negociar comercialmente. Integrados na diversidade das actividades sociais geridas à distância pelos poderes imperiais, as ciências tanto permitem dar coerência e direcção às acções profissionais, em baixo, como dar coerência e direcção às acções das elites, em cima. Como se diz, a civilização pode orgulhar-se mais dos seus avanços técnicos postos a funcionar do que da moral que os utiliza para fins de exploração.

A nível individual, há quem se dedique a especializar-se e há a quem isso incomoda ou é insuficiente. Frequentemente, ambas as pulsões de especialização e de compreensão holista do mundo são sentidas pelas pessoas. A prazo, o próprio corpo das pessoas sofre as consequências das respectivas escolhas, cicatrizes da existência.

Problemas de coluna são muito vulgares nos seres humanos. Só se agravam com a idade, claro. A esse respeito há várias abordagens: a dos osteopatas, a dos ortopedistas, as chinesas tradicionais. Manipulação localizada, cirurgia com fisioterapia curativa e fisioterapia preventiva.

A abordagem mais intrusiva é a cirúrgica. A mais falível é a fisioterapia curativa. A mais eficaz, embora exija persistência e determinação do doente, é a auto-fisioterapia preventiva. Mas, claro, os médicos cirurgiões são, entre todos os parceiros destes processos, os mais credenciados e valorizados.

A auto-fisioterapia preventiva é tipicamente oriental. No ocidente há a ginástica sueca e outros desportos de manutenção que podem ser considerados auto-fisioterapia preventiva. A questão é que na China as pessoas se encontram na rua às centenas para praticarem auto-fisioterapia preventiva e no ocidente isso não acontece. O desporto tornou-se um negócio de entretenimento e campo de profissões intensamente competitivas, sacrificiais e alienadas dos problemas sociais.

A civilização ocidental dá prioridade ao valor da competição, da oposição, da crítica, e a civilização chinesa dá prioridade ao valor da conciliação, da submissão, da harmonização. Ambas as civilizações, bem-entendido, conhecem todos os valores citados. Ocorre que por tradição pensam de forma diferente, socialmente dão prioridades distintas aos valores.

Na medicina, os ocidentais desenvolveram extraordinárias competências para tratar dos traumas de forma intrusiva, recuperando rapidamente os trabalhadores e os tropas feridos que estejam em condições de resistir às intervenções cirúrgicas (as práticas cirúrgicas foram inventadas nas guerras, com os “voluntários” feridos. O uso de tropa para fins de teste de produtos químicos foi feito várias vezes, mesmo em tempo de paz). Muitas pessoas foram e são sacrificadas para testar processos intrusivos que podem vir a salvar vidas de terceiros. O pessoal de saúde é treinado a aprender, por tentativa e erro, as técnicas que tornam eficazes essas intervenções. Embora moralmente controverso, passou a ser aceitável e recomendável que as pessoas doem o corpo à ciência, permitindo fazer experiências com os seus cadáveres na perspectiva de salvar vidas. O que era uma profanação, tornou-se um sacrifício recomendável em solidariedade humana, em nome da ciência.

Para efeitos de cuidados com a coluna, a cirurgia é recomendada pela medicina ocidental para obter resultados práticos imediatos. Os efeitos secundários são de curto e longo prazo, em função do estilo de vida das pessoas. A osteopatia não tem efeitos secundários: usa o corpo do paciente, manipulando-o, e não usa instrumentos intrusivos. Muitas pessoas preferem tentar osteopatia. Mas ir ao endireita, como se chama popularmente tal prática, continua a ser comparado com ir ao mágico ou à bruxa. Não tem comparticipação de seguros de saúde, alegando estes não serem práticas cientificamente certificadas.

No caso da medicina chinesa, o que a torna difícil de ser mais eficaz no ocidente é o facto das pessoas não “acreditarem” nela. Ou quando acreditam, acreditam de um modo ocidental, de curto prazo. A medicina chinesa implica a adopção de modos de vida saudáveis, aquilo com que a medicina ocidental se preocupa menos. É remetida para a classificação de medicinas alternativas, categoria que reconhece o valor terapêutico de práticas sem base científica e recusa reconhecer oficialmente a credibilidade que tais práticas têm socialmente.

As dores crónicas na coluna são problema de saúde banal e ocultado pelas vítimas, sobretudo as que não sabem, não acreditam, que é possível libertaram-se dessas dores. Acreditar nessa possibilidade é indispensável para se persistir por meses seguidos numa terapia que não resolve as dores de coluna, mas estimula o corpo todo, incluindo a mente, para estar disponível para enfrentar energicamente todas as dores.

Desde logo, a cultura ocidental entende o corpo separado da mente. A magia das artes marciais como a dos cuidados de saúde orientais decorre da incompreensão mútua entre as epistemologias das culturas oriental e ocidental, entre ao dialéctica yin-yang e a mecânica separação entre os mundos material e espiritual que também separa as ciências naturais e as ciências sociais.  

Quando surge um problema, ele não é pensado em separado do modo de vida do paciente. O pensamento chinês tradicional é holista. Procura e encontra eventualmente muito longe das evidências, do local das dores, as causas de o mal-estar e da desarmonização. Usa e estimula os fluxos fisiológicos, incluindo os fluxos nervosos das dores, para abrir as portas para o bem-estar, como quem desentope sistemas de circulação. Fá-lo com paciência de chinês. Quem não tenha essa paciência, terá mais dificuldades em beneficiar das práticas terapêuticas orientais.

A confiança na terapia e no terapeuta cumpre um papel importante no resultado dos procedimentos, no ocidente como no oriente. A fluidez da comunicação entre as partes e o ânimo que o terapeuta possa incutir no paciente são decisivos. No ocidente, o paciente entrega-se inerte às mãos do terapeuta. No oriente, o terapeuta orienta a actividade do paciente. O alívio das doenças e das dores depende, pois, da disposição do doente e do modo como interpreta a acção do terapeuta, além da qualidade desta última.   

A coluna é entendida como um dos canais principais de diferentes fluxos de vida que ligam diferentes partes do corpo e o mundo exterior. Para os terapeutas orientais, tais vias devem estar desobstruídas. As dores sinalizam obstruções que podem ser manipuladas, ora localmente, ora no quadro geral das relações que a coluna estabelece com outras partes do corpo e do mundo. O cuidado da coluna é uma tarefa para toda a vida. Não no sentido de a vida se focar em estar sempre a cuidar da coluna, com a atenção que requer uma intervenção cirúrgica, mas no sentido de os estilos de vida deverem ter atenção aos modos como os hábitos reforçam e fragilizam as funcionalidades da coluna.

Pessoalmente, doente durante nove meses, aprendi a proteger a minha coluna: pratico natação, uso uma plataforma vibratória que desinflama o corpo, faço todos os dias 10 minutos de Xi Kung. Como ocidental, também não “acredito” nas teorias dos sacras, dos fluxos nos meridianos, e no resto. Acredito na ciência. Mas tenho uma forte preferência a não ser operado. Ao fim de seis meses com dores debilitantes na coluna, por volta dos 40 anos de idade, adoptar o Xi Kung por três meses foi um modo de evitar a cirurgia. Isso revelou-se a recomendação e a decisão certas.

O meu mestre de Xi Kung disse-me que não percebia nada de medicina. Sabia apenas que ao fim de três meses a imobilidade da minha coluna provocada por dores seria ultrapassada, caso eu fosse capaz de persistir em cumprir as suas recomendações, 10-15 minutos de exercícios holistas diários feitos com empenho.

O facto de não conhecer nem acreditar nas teorias usadas pelos mestres da medicina chinesa não me impede de reconhecer que a profecia do mestre de Xi Kung se cumpriu. Trinta anos depois, continuo a fazer Xi Kung diariamente e a desconhecer e a não acreditar nas teorias da medicina oriental. Convencido, na prática, de estar a beneficiar de alguma coisa que não sei o que seja, recebi autorização do meu mestre para ensinar Xi Kung. Mas nunca ensinei a ninguém: as pessoas amigas e familiares acreditam em mim, mas não acreditam no Xi Kung.

Referências

CONTINUA EM: Materialismo histórico e o teste da história

COMEÇA EM: Ciência centrífuga e os clássicos das ciências sociais


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Março de 2024). A epistemologia também previne as dores. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vy75


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search