Ciências centrífugas e a missão imperial

A recepção às ciências sociais e às tecnologias decorre da natureza cartesiana dos conhecimentos dominantes nas sociedades modernas. Hiperespecializadas, profissionalizadas, sujeitas a múltiplas e complexas divisões de trabalho, por um lado, as ciências ambicionam, por outro lado, conquistar a Terra, mobilizando para tal todos os aspectos da actividade humana. A pretexto de tornarem a humanidade mais eficaz a defender-se da natureza, submetem a natureza, incluindo a maior parte da humanidade. Os conhecimentos objectivos reduzem as pessoas a instrumentos da missão imperial, ou seus inimigos. É isso que se ensina nas escolas e nas universidades (Dores, 2021b)

É a missão imperial moderna, a que se globalizou com o fito de explorar aceleradamente a Terra à custa de sacrifícios humanos e da alteração das condições ambientais, que orienta as ideologias que enquadram os estados-nação. As hierarquias sociais são produzidas como se em baixo o pensamento das pessoas não fosse inteligente – e as suas vidas contassem menos. Em cima, por inspiração, intuição, vocação e mérito, os pensamentos seriam espontaneamente mais inteligentes – e as vidas de quem serve próximo das elites contassem mais. Na opinião pública merecessem especial referência na vida e na morte.

Esta radical discriminação social entre as elites e os excluídos da sociedade resulta da organização da missão imperial. Prolonga nas sociedades modernas a ancestral adoração das pessoas pelo mistério da sua existência. A adoração animista foi continuada pela adoração de Deus e, mais tarde, da Razão, de que a ciência é um dos aspectos. Por isso a ciência é conhecida pelos seus mistérios, pelas suas torres de marfim, pelas suas especialidades iniciáticas, que seduzem e fazem temer. Por isso a ciência está associada aos poderes, quanto mais não seja pelos poderes que protegem os cientistas e os financiam. Mas a ciência, também é sabido, tem um aspecto libertador, transformador, emancipador, capaz de melhorar a vida das pessoas.

O espírito imperial não é homeostaticamente funcional nem para as elites nem para quem esteja em baixo nas hierarquias sociais. Por isso, a história da modernidade é conhecida como uma sucessão de guerras e conflitos frequentemente fratricidas, incluindo genocídios glorificados como marcas identitárias (no caso português, o dos mouros).

O espírito imperial é o cimento que unifica a diversidade de situações sociais e de poder necessária ao estabelecimento de relações hierárquicas funcionais: reclama sacrifícios a todos. Uns, em cima, inquietam-se a defender o seu património e status social organizando extrema violência entre si e contra a natureza e a humanidade. Outros, em baixo, sacrificam-se pela missão imperial imoral como se fosse pela sua sobrevivência ou, pelo menos, pela sua aceitação no seio da civilização.

O espírito de sacrifício caracteriza a sociabilidade humana. Suscita nas pessoas respostas altruístas que colocam em risco as suas vidas em nome de valores maiores, como a sobrevivência da família ou do grupo. Os impérios, lobos disfarçados de cordeiros, mascaram-se de família e grupo para estabelecer missões grandiosas organizadas hierarquicamente, predestinando sacrifícios físicos para a generalidade das pessoas e sacrifícios morais para as elites, dividindo o trabalho em trabalho manual e trabalho intelectual.

Esta estrutura social imperial polarizada – na China, a estrutura imperial é mais pensada em termos de harmonia – está representada nas ciências modernas pela postura cartesiana. A generalidade dos cientistas profissionais comporta-se perante a ciência como os trabalhadores se comportam face à missão imperial: numa perspectiva de serviço. Quem são eles para saber melhor do que os gestores de ciência como dividir os sacrifícios e os méritos entre os cientistas?

Segundo Thomas Kuhn (1970), existe uma ciência normal, conceito próximo de o de ciências centrípetas. Ela funciona no quadro de um determinado paradigma epistemológico. Existe também uma ciência paradigmática, conceito próximo de ciências centrífugas. Este segundo aspecto da ciência discute e luta para substituir os paradigmas dominantes por outros, desejavelmente cognitivamente mais abrangentes e universais. Existem também paradigmas cognitivos não científicos. As ciências paradigmáticas e centrífugas estabelecem com esses paradigmas, em especial os teológicos, filosóficos e jurídicos, relações de mútua inspiração.

Os diferentes paradigmas usados nas ciências naturais, como a mecânica, a termodinâmica, o evolucionismo e outros, constituem-se em disciplinas. Há uma separação especialmente vincada entre as ciências naturais e as ciências sociais, e entre estas e as humanidades (Snow, 1956). Como se as leis da natureza fossem eternas e a liberdade humana fosse sobrenatural, imprevisível, soberana, mesmo para os que vivem em baixo na hierarquia social.

Estas divisões no campo intelectual moderno reflectem-se e reflectem as divisões sociais no campo profissional e nas hierarquias sociais ao serviço da missão imperial. Os trabalhadores aspiram ao reconhecimento do valor social do seu trabalho outorgado e avaliado pelas elites. Os empresários preferem minimizar o valor do trabalho dos trabalhadores e valorizar os direitos de propriedade, incluindo os de propriedade intelectual, regulados pelas elites. Nas últimas décadas, a organização de profissões (Freire, 2003) têm sido uma forma de valorizar o trabalho de grupos de trabalhadores especializados. Alegam direitos especiais em função das respectivas formações iniciais, sempre que possível classificadas de científicas, em razão da satisfação de necessidades sociais básicas que são especialmente competentes para suprir. O seu reconhecimento está enquadrado por legislação aplicável e por decisões políticas favoráveis.

À semelhança das concepções dominantes na representação da sociedade, a ciência também é representada piramidalmente. No topo ficam as actividades intelectualmente mais intensivas e universais, inspiradas pela matemática e pela filosofia, e na base as mais contaminadas pela divisão de trabalho manual e mecânico, ditas ciências aplicadas. Na prática, hoje, a ciência normal, centrípeta, é as tecnociências especializadas, mutuamente ignorantes entre si. A ciência paradigmática e centrífuga é campo de convergência de conhecimentos e saberes, independentemente das disciplinas de origem. Teoricamente, este último tipo de ciência deveria ser mais prestigiado, por ser mais livre e autónomo. Mas não é o caso. A prioridade às políticas de mobilização das ciências para fins militares e políticos favorece as ciências centrípetas e não as centrífugas.

A velha aspiração platónica de um dia serem os filósofos a comandar os destinos dos povos continua a estar longe de ser realizada, se algum dia foi desejável. A mesma aspiração foi retomada por August Comte, na primeira metade do século XIX. A sociologia (não a disciplina especializada actual) seria o cúmulo das ciências, a ciência da complexidade integradora de todos os conhecimentos mais simples, ciência centrífuga que utilizaria e valorizaria as ciências centrípetas. Este sonho foi descartado. Foi substituído pelo serviço à sociedade, seja por via militar-industrial, como a bomba atómica ou a cultura do empreendedorismo, seja por via consumista, como os telemóveis ou a empregabilidade dos estudantes.

Por um lado, a missão imperial explora a ciência, como explora a Terra e os seus recursos. Por outro lado, os cientistas e as ciências tiram proveito dos investimentos em ciência para desenvolverem novos conhecimentos e avançarem as suas agendas autónomas, entre as quais está a agenda positivista enunciada por Comte: a esperança de servir directamente as pessoas sem interferência do poder, sem discriminar especialidades de conhecimentos. Duzentos anos depois, estará a agenda da ciência centrífuga (Schofield, 2018) está em condições de actualizar essa esperança?

A rentabilidade das ciências centrípetas é maior. Porém, as aplicações das ciências centrípetas revelam as limitações dos conhecimentos mobilizados e suscitam necessidades e curiosidades face às quais as ciências centrífugas são mais aptas e livres para errar e aprender com os erros – dão-se mais tempo e liberdades a si mesmas. Quer dizer, aplicando o critério da intensidade intelectual alegadamente justificativo das hierarquias sociais, as ciências centrífugas deviam ser mais valorizadas. Do ponto de vista económico e político, elas perdem prioridade face à produtividade e previsibilidade das ciências centrípetas.

Referências

CONTINUA EM: A epistemologia também previne as dores

COMEÇA EM: Ciência centrífuga e os clássicos das ciências sociais


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Março de 2024). Ciências centrífugas e a missão imperial. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vy74


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search