A respeito do respeito

Resumo: As culturas, como as civilizações, resultam de experiências de vida que, por natureza, necessitam procurar e estabilizar sentidos existenciais muito concretos – como os de encontrar água e comida diariamente – e mais ou menos abstractos, como os inscritos poeticamente em mitos e ritos. As culturas imbuídas nas linguagens são espontaneamente construídas pelas sociedades de modo horizontal e local. As civilizações são estruturas culturais singulares e multiculturais que se elevam acima das culturas e, desse modo, hegemonizam verticalmente sociedades. Os (des)respeitos culturais são práticas quotidianas para manter e desafiar os frágeis propósitos individuais compagináveis com as práticas sociais. Os (des)respeitos civilizacionais resultam de diversas interpretações das missões institucionais e organizacionais. Podem reforçar ou fragilizar o respeito cultural. Há uma hierarquia entre culturas promovida imperialmente por cada civilização.  

Cultura é uma expressão polissémica. Nos extremos, há a alta cultura e a cultura popular: a cultura desenvolvida para deleite das elites, nomeadamente para as distinguir do resto das pessoas, e a cultura que parece espontânea e gratuita, sem tutelas, para cujo usufruto basta ter respeito pelas pessoas que a protagonizam. Há uma cultura criteriosamente formalizada e distanciada, e uma cultura cujos critérios de avaliação são compartilhados e desvalorizados (Scott, 2013).

Como se deu esta separação da cultura em dois estratos extremados, os singular e comercialmente elaborados e os autênticos, genuínos (Fernandes, 2018)? Porque é que, se não se disser mais nada, a palavra cultura se refere à alta cultura? E porque é que a cultura popular é repugnante e alvo de complacência por parte das pessoas que se consideram ou gostam de se apresentar como pessoas cultas? Porque é que as vanguardas económicas, políticas e culturais procuram seduzir e educar os populares? Porque é que os populares imitam a alta cultura?

Museu Nacional do Traje, Lisboa

O adjectivo culto ou cultivado atribuído a uma pessoa, a uma organização, a movimentos sociais, a estados, a civilizações, é uma marca positiva, em contraste com a falta de cultura. A falta de cultura é negada pelos estudos antropológicos, cuja função é a de revelar as culturas de outro modo incompreensíveis, em geral culturas de povos exteriores à missão imperial de exploração do mundo encetada com as Navegações do século XV. Condescendentemente, diz-se dessas culturas serem primitivas, que ainda não se elevaram aos níveis de espiritualidade ocidentais, entendidos como os mais elevados de sempre.

No século XIX, mesmo a ciência pensava que as pessoas que viviam em sociedades primitivas poderiam não ser membros da espécie humana. No século XX a ciência genética comprovou não haver mais do que uma espécie humana sobrevivente. O que não impede de na cena internacional se alegar ser um dever de civilização anular pessoas em massa por estas não serem verdadeiramente humanas, por serem terroristas, sírias, comunistas, nazis ou palestinianas. No século XXI, invalidado dolorosa e cientificamente o argumento de haver povos não humanos entre os humanos, como foram as pessoas escravizadas, mantém-se activo o argumento de haver culturas desumanas ou não suficientemente humanas (Graeber & Wengrow, 2019). Culturas perigosas por poderem concorrer e destruir a cultura culta, a cultura que é capaz de legitimar privilégios com utilidade para missão de civilizar o mundo: a cultura privilegiada submissa à missão imperial ocidental.

As rivalidades entre grupos humanos que se distinguem e convivem entre si são observáveis universalmente (Coser, 1956). A xenofobia é um sentimento que pode ser cultivado ou combatido. O racismo é o cultivo da xenofobia a nível de estados, para dividir e reinar em soberania interna e externa. Nomeadamente, vai de par com a construção de fronteiras políticas (Torpey, 2000) e dos mitos de nacionalidade (Anderson, 1998). A xenofobia é uma base cultural para a construção do racismo civilizacional. É um caso particular do uso quotidiano das culturas para as pessoas se orientarem socialmente de forma estruturadamente civilizada (Bourdieu, 1979) em articulação com o que se passa aos níveis sociais superiores, nas organizações de trabalho, nas instâncias políticas, a nível internacional.

Cada povo fixa para si os instrumentos discriminatórios que sabe serem utilizáveis, expressa ou implicitamente, para fins sacrificiais (Bastos, 2017; Blackmon, 2009). Os estados usam e reforçam essas culturas para subordinar as sociedades aos seus desideratos (Lachmann, 2018).

Jogadores de Pau do grupo do Centro Cultural Recreativo da Juventude de Cepães

Os diferentes níveis sociais são produzidos pela capacidade e necessidade das pessoas, ao contrário dos outros animais, de estabelecerem símbolos capazes de organizar a vida individual e colectiva de forma criativa, plástica, rapidamente transformável sem intervenção genética. A vida simbólica não tem de ser separada da vida prática, mas a civilização determinou que assim acontecesse, em particular nas sociedades modernas fortemente hierarquizadas. Em todas as sociedades existem pessoas mais ou menos cultivadas. Nas sociedades modernas a cultura culta não é apenas a cultura de um certo grupo de pessoas, como os religiosos ou os artistas ao serviço da aristocracia. A cultura culta tornou-se uma forma de distinção social (Bourdieu, 1979) daqueles que deixaram de se poder distinguir por modos mais óbvios, como serem acompanhados por séquitos ou vestirem roupas exclusivas, como acontecia anteriormente.

A cultura culta resulta da civilização (Elias, 1990), i.e., da imposição de uma cultura particular sobre todas as outras. É uma cultura hegemónica, para usar a terminologia de Gramsci. É produto de elaborações especiais com objectivos universalistas, de superioridade sobre as sociedades tornadas assim simples por serem incapazes de competir com o exotérico aparato de produção do inautêntico, das obras de arte produzidas a níveis técnicos e sociais irreproduzíveis pelo comum dos mortais.

Pense-se na estatuária romana e o efeito de esmagamento que produzem: sedução e ameaça de violência sobre as pessoas e os povos que pensem opor-se a quem foi capaz de erguer tamanhos colossos. Pense-se nos comentadores da comunicação social que entram por casa das pessoas a dar lições sobre o que pensar, oferecendo aos seguidores as opiniões que mais lhes convenham em cada momento. Pense-se nos profissionais das redes sociais a utilizar os espaços deixados vazios pelos comentadores para fins próprios.

Cada civilização respeita diferenciadamente, discriminatoriamente, as culturas que submete para as dividir e reinar. Eventualmente, promove o desrespeito com a mesma finalidade, o que não quer dizer que seja sempre bem-sucedida.

outros posts sobre o assunto:

Dinâmicas sociais dos selves e dos estados de espírito

Referências:

Anderson, B. (1998). Imagined Communities (8th ed.). Verso.

Bastos, J. G. P. (2017). Qi Séries – Quinhentos anos não chega – “Os ciganos não têm futuro em Portugal.” QI News. https://www.youtube.com/watch?v=w7PA6nv9-xo&feature=youtu.be&fbclid=IwAR1wPuDqSqp4tpdhdMNydM9I5K5lF-C3MLsUjydt1yjMT4_2FE2ZXhCrkDQ

Blackmon, D. A. (2009). Slavery by another name: the re-enslavement of black Americans from the civil war to World War II. Anchor Book. https://www.pulitzer.org/winners/douglas-blackmon

Bourdieu, P. (1979). La Distinction. Minuit.

Coser, L. A. (1956). The Functions of Social Conflict. Free Press.

Elias, N. (1990). O Processo Civilizacional (Vol I e II) ([1939]). D. Quixote. https://www.almedina.net/o-processo-civilizacional-1586954337.html

Fernandes, D. C. (2018). Sentinelas da Tradição: A Constituição da Autenhticidade no Samba e no Choro. Editora da Universidade de São Paulo. https://www.edusp.com.br/livros/sentinelas-da-tradicao-2/

Graeber, D., & Wengrow, D. (2019, December 22). Myth of the Stupid Savage. Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=EvUzdJSK4x8

Lachmann, R. (2018). TRUMP: How did he happen and what will he do. Sociologia, Problemas e Práticas, 86, 9–25. http://revistas.rcaap.pt/sociologiapp/article/view/13532/10325

Scott, J. C. (2013). A Dominação e a Arte da Resistência – discursos ocultos (1a ed. 199). Letra Livre.

Torpey, J. (2000). A Invenção do Passaporte – Vigilância, Cidadania e o Estado. Temas e Debates. https://bibliografia.bnportugal.gov.pt/bnp/bnp.exe/registo?1155137


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (2 de Janeiro de 2024). A respeito do respeito. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vetu


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search