Definição de espírito imperial

Resumo: Espírito imperial é um estado de espírito criado há milénios por elites organizadas em várias partes do mundo de modo autónomo e que se revelaram progressivas e um tormento social. Os impérios são obra de elites concentradas em promover a supremacia organizada em torno de hierarquias que protegem as elites das recorrentes iras das populações atormentadas. Assim, o espírito imperial reproduziu-se criando a ilusão de a hierarquização social ser espontânea e natural (Silva, 2003), pois isso serve de protecção às elites. Esse tipo de estado de espírito caracteriza-se por ser hierárquico e dissimulado, em favor de uma missão, de propósitos historicamente desenhados por elites em nome de civilizações.

A humanidade caracteriza-se pela sua recursividade (Corballis, 2011), pela sua necessidade-potencialidade de se transformar culturalmente, mantendo a informação genética. A plástica natureza humana permite e obriga as pessoas a usarem as suas vidas com uma elasticidade expressa em movimentos sociais (Alberoni, 1989), que pode ser institucionalizada. A humanidade biologicamente estável sob a forma de Homo Sapiens evoluiu mentalmente, nomeadamente através de civilizações que ligam e inspiram as culturas na sua área de influência. As civilizações podem ser imperiais ou não.

A escolha de identidades a partir da experiência de si (mobilização de grupos disposições articuladas previamente incorporadas (Blumer, 1981; Bourdieu, 1979; Corballis, 2011; Foucault, 2004)) é obrigatória, trabalhosa e precária. As pessoas produzem opções estratégicas de vida com as quais aprendem a lidar com as angústias existenciais (Diel, 2004). Mudar as estratégias em vigor exige esforços que são ponderados e sujeitos a raras decisões que têm de ser capazes de persistir (Archer, 2003; Hirschman, 1979). Não é possível erradicar a maioria das aprendizagens anteriores que dão consistência aos corpos humanos e sociais. Mas as revoluções acontecem, focadas em alguns aspectos de transformação institucionais e pessoais (Linklater, 2013).

“O Império [em Hardt e Negri (2004), é o poder que] não reprime, produz; não pune, controla. Entramos na sociedade biopolítica de Foucault e de controle que Deleuze tão bem definiu. Tudo sobreposto, produção e reprodução integral da vida: tornar todos escravos e opressores. Produção de subjetividades em série. O poder interpreta a vida por nós. Teoria da conspiração? Não, as formações de subjetividade acontecem antes mesmo de nascer. Não há mais linha a ser cruzada, a sociedade de controle age antes mesmo que você possa visualizar uma linha que separa a liberdade da servidão […] Nesta nova constituição, os estados nação são subordinados ao império, ele engloba, axiomatiza, fagocita lentamente o mundo inteiro, expandindo suas barreiras até não haver mais lado de fora. A soberania dos estados nação está em crise.” Em https://razaoinadequada.com/2015/07/08/negri-e-hardt-imperio/

Esta descrição da sociedade actual é equivalente, em filosofia, à da novela de Orwell (1949). É a descrição da persistência do totalitarismo agora sob o neoliberalismo, após a derrota do nazi-fascismo e do comunismo. Tem três especificidades herdadas da teoria leninista do império (Lenine, 2000): em Hardt e Negri, o império também é singular, distinto e mais recente do que os estados, e funciona como um mercado de poderes a um nível superior aos estados.

A Primeira Grande Guerra transformou o Império Russo na União Soviética e fez desaparecer três impérios no Ocidente, o Alemão, o Austro-húngaro e o Otomano. O império chinês nunca deixou de estar presente, incluindo sob a hegemonia do Partido Comunista já depois da Segunda Grande Guerra. Apesar da globalização, não há, portanto, nenhuma categoria de império singular que tenha surgido no século XX, apesar das características do império norte-americano serem específicas e orwellescas, como o descreveram, por exemplo, Ivan Illich (1971) e Bourdieu e Passeron (1964) na educação, Marcuse (1991) na indústria e no consumo, Goffman (2004) nas prisões e outras instituições totais. Mais recentemente há quem denuncie a persistência dos problemas da aristocracia no seio do mundo globalizado, na base da democratização e da escolarização (Markovits, 2019; Sandel, 2020), que colonizam também as tecnologias de rede (Zuboff, 2019).

Os logros modernos, como os sistemas educativos, a industrialização, o consumismo, a juridicização, o fascínio dos ecrãs e da mobilidade, são os novos ópios do povo. Seduzem apoiando-se na naturalização da ameaça de extrema violência contra os dissidentes que produz síndrome de Estocolmo generalizada (M. Kuhn, 2016).

Desde a Revolução Axial (Boy, 2015; Eisenstadt, 2008), os impérios são construtores de mercados e de administrações, de que os estados modernos são herdeiros (Graeber, 2011). Modernamente, a dissimulação das lógicas imperiais levada a cabo pela burguesia (Hirschman, 1997) e pelas revoluções nacionalistas (Llobera, 2000), não deve iludir-nos. Mas fá-lo repetidamente. Somos vítimas-cúmplices agarrados ao lugar hierárquico de onde, para baixo, podemos observar os martírios alheios e o exibicionismo dos de cima.

As revoluções modernas inovam, com certeza. Mas muitas características das sociedades tradicionais continuam, como os privilégios: isso tem sido activamente dissimulado pela civilização ocidental. Parece que a modernização começou no século XIX. Ora, isso não é certo.   

Estátua a Viriato, ícone da nação lusitana-portuguesa

Miticamente, os estados-nação auto-representam-se, contra as evidências, originários das imaginárias (Anderson, 1998) nações em épocas pré-romanas. Renegam ideologicamente as heranças egípcia, grega, romana e medieval como tradicionais, ultrapassadas, exóticas. Mas representam os mesmos símbolos de poder, como os obeliscos, as colunas, os arcos do triunfo, o belicismo. Usam sobretudo o mesmo espírito imperial, adaptado a novas missões.

Na sequência da Revolução Francesa anti-aristocrática e, portanto, anti-imperial (James, 1963), várias vezes a França retomou explicitamente a lógica imperial de poder; também a abolição da escravatura foi feita contra o espírito imperial, mas logo retomado em nome do embaratecimento da força-de-trabalho, através do assalariamento organizado de modo panóptico (Bentham et al., 2000), nos exércitos, nas fábricas e noutras instituições; a abolição de clericalismo imperial pelo laicismo democrático revelou-se uma ilusão, com o recrudescimento de fundamentalismos no século XXI; a abolição do capitalismo foi uma miragem que durou quase um século, até à implosão da União Soviética; no núcleo duro do socialismo real emergiu a Federação Russa: assim que pode voltou a comportar-se como um império; a abolição do colonialismo através da multiplicação de estados imaginariamente soberanos nos territórios das ex-colónias, não aboliu as relações imperiais globais; a abolição do patriarcalismo vai a par da sua reinstauração em várias partes do mundo, incluindo no Ocidente; a abolição do totalitarismo revelou-se precária: a democracia esvai-se sem defensores suficientemente determinados.

Não há, manifestamente, nenhuma teleologia que assegure a irreversibilidade das práticas sociais. Há, com certeza, práticas sociais que perduram dissimuladas, nomeadamente as práticas imperiais escondidas por redes de segredos organizada entre os negócios e os estados, segredos administrativos, de justiça, militares, mas também profissionais, entre os quais os científicos.  

É caso para dizer que a história está mal contada e serve para embalar. Por exemplo, há uma manifesta descoincidência entre a Era Moderna na história e a modernização das ciências sociais. A primeira termina precisamente onde as ciências sociais definem o início da sociedade moderna, o seu objecto de estudo. A história nomeia Idade Contemporânea, posterior à Idade Moderna, o alvo de atenção das ciências sociais. Esta contradição é tratada como se não fosse um problema: seria apenas problema interno às respectivas disciplinas estanques entre si. Isto é, as ciências sociais e humanas fazem parte da extensa rede de logros e ilusões montada orwellianamente para lograr os objectivos imperiais modernos. E isso é um reflexo de algo mais vasto.

Além da estanquicidade entre as ciências sociais e as ciências sociais, há a estanquicidade entre ciência normal e ciência paradigmática identificada por Thomas Kuhn (1970). Há estanquicidade entre disciplinas e subdisciplinas e entre objectos de estudo. Há a estanquicidade entre ideologias que separam teorias académicas de teorias críticas e entre os departamentos concorrentes às mesmas disciplinas. Tudo isto é o reflexo dos modos centrípetos de fazer tecnociência, financiado, avaliado e elaborado por políticas utilitárias de exploração da ciência para servir os fins imperiais, em particular os militares, as políticas públicas e as empresas. Contra isso se levantam modos centrífugos de fazer ciência através do quais cientistas em todo o mundo se procuram libertar das teias imperiais tecidas no campo cognitivo (Dores, 2021).

Como sugere o método dialéctico, para compreender a realidade, para além da separação entre a estática e a dinâmica, havemos de ser capazes de identificar a síntese que as partes formam entre si. Para o ensaiar, devemos identificar o vício intelectual que se reflecte no amplo uso de dualismos na cultura ocidental, incluindo nas ciências divididas em naturais para um lado e sociais para outro, paradigmáticas e normais, centrípetas e centrífugas. Porém, qualquer síntese esbarra necessariamente com as interpretações viciadas e superiormente alimentadas para dissimular nas consciências modernas as imoralidades da missão que une a humanidade nesta época histórica: a continuação da exploração da Terra, ainda que isso seja reconhecidamente uma missão suicidária (Clark & Szerszynski, 2021).

A hiperespecialização das ciências financiadas, avaliadas e conduzidas por políticas utilitaristas limita as investigações supradisciplinares (Dores, 2021). Por exemplo, George H. Mead desenvolveu uma conhecida teoria sobre o self, na encruzilhada entre as neurociências e as ciências sociais. Foi remetida para uma subdisciplina, a psicologia social, e subestimada pelo facto de não estar à vontade para realizar análises macro (Blumer, 1981). Quando o neurocientista António Damásio retoma o assunto, um século depois, a ciência pouco tinha avançado neste domínio (Dores, 2005).

A profissionalização das ciências produziu os seus efeitos de constrangimento dos estudos dos panos de fundo, dos substratos universais (Schofield, 2018). O que seria uma oportunidade para desenvolver teorias de base biológica sobre a consciência sociais, com Mead, foi parada pelas circunstâncias. O que não quer dizer que não possa ser e seja retomada.

A teoria dos estados-de-espírito tem essa ambição (Dores, 2010). A natureza humana impõe o exercício da recursividade a todos e a cada um dos seres humanos (Corballis, 2011). O espírito imperial é um tipo particular de formatação de estado-de-espírito, histórica e civilizacionalmente presente nos centros de poder a partir de certa altura histórica. Mobiliza o resultado de milhares de anos de elaboração social de elites (Foucault, 2004) que a modernidade popularizou e globalizou recentemente (Habermas, 1987). Começou a ser experimentado na era da Revolução Axial (Eisenstadt, 2003), muito antes de haver estados modernos. Na Era Moderna, tutelou desde o início a constituição de estados absolutistas, burgueses e estados-nação: houve sempre elites, aristocráticas, burguesas e aristocrática-burguesas (Silva, 2003), capazes de manter o rumo da modernidade ocidental (Elias, 1990). O que ocorre no pós-guerra, com o aburguesamento dos trabalhadores, a expansão da educação, com a sinergia entre a propaganda e a publicidade, com a intromissão das indústrias do entretenimento em casa das pessoas e nos convívios sociais, é um duplo movimento organizado de incorporação subjectiva e expansão global do espírito imperial, anteriormente reservado às elites. As populações não resistiram ao canto da sereia. Tornaram-se vítimas e cúmplices do carácter suicidário da missão imperial em curso.

A missão imperial, a expansão da Fé e do Império iniciada no século XV como continuação marítima das Cruzadas, veio a mobilizar e institucionalizar ao seu serviço, nos séculos XIX e XX, o capitalismo e os estados-nação. As teorias económicas e nacionalistas, em particular as anglo-saxónicas liberais, posicionaram-se contra o império esclavagista para o transformar, com êxito, em império de assalariados. No fim do século XX, na fase da globalização, as despesas dos estados que foram úteis para dar respostas aos desejos de humanização socialista das populações ocidentais, no pós-guerra, passaram a ser incompatíveis com a continuidade da missão de exploração da Terra.

Henrique, O Navegador

O império ocidental e a missão que se auto-atribuiu de explorar a Terra, incluindo os seus recursos humanos, é a razão de estado que os estadistas e as nações tomam por sua, mobilizando os recursos disponíveis para esse fim, nomeadamente os territórios protegidos por forças armadas e as pessoas, à uma, seduzidas e ameaçadas por medidas de segurança e instabilidade existencial e identitária. Os estados apoiam-se nas populações cercadas por fronteiras a quem disponibilizam identidades sociais e propósitos de vida imperialmente funcionais, destruindo todos os outros propósitos de vida.

Além de um jogo de poderes, o império também é um jogo económico, cultural e social. O capitalismo financeiro que conduz o império (Bueno et al., 2017; Hudson, 2022) é um aspecto técnico do fenómeno global que é a experiência de unificação virtual da humanidade em torno da bem-sucedida missão ocidental de explorar a Terra para acumular riqueza capaz de revelar objectivamente o valor existencial relativo das elites e dos seus seguidores (Novak, 2000, 2001). É a essa missão imperial que se dedicam os estados e as elites globais e nacionais, na companhia de quem as segue. Seguem-nas instituições internacionais e suas representações locais sediadas com a protecção dos estados, como as classes políticas (Oborne, 2008), bem como os povos superiormente organizados em nações (Snyder, 2023). O ressurgimento das ideologias neo-nazi-fascistas no século XXI (Amaral, 2003) decorre do facto da globalização ter conseguido manter o regime de acumulação, mas à custa da deslocação do centro mais importante de acumulação dos EUA para a China. À custa da traição da aparência da supremacia das identidades nacionais ocidentais, em curso.

As elites mantêm-se obedientes à linha de comando da missão imperial se e enquanto forem parte da acumulação de riqueza. Há falta de propriedades, estas podem ser substituídas por valores e créditos financeiros. A nível das classes médias, as identidades nacionais e profissionais emocionalmente incorporadas nas escolas têm sido suficientes para manter as massas ao serviço da missão imperial, sobretudo conhecendo, ou melhor, esforçando-se por não serem confrontadas com as misérias, as guerras, a repressão policial, a pobreza que afectam partes importantes da população.

Apesar disso, a ciência mostra há mais de meio século a irracionalidade suicidária da missão imperial (Meadows, Donella H.; Meadows, Dennis L.; Randers, Jorgen; Beherens III, 1973) e os profissionais por ela formados podem reagir contra a missão imperial e o próprio modo de organização império. Fora Social Mundiais, Revolução Zapatista, Primavera Árabe, movimentos sociais horizontais e de emergência climática, são alguns exemplos, de que a ciência centrífuga é parte.

O incentivo das elites não é a identidade nacional nem a humanidade, mas a possibilidade de imperar, de conduzir o império (Reich, 1991). A história das políticas de austeridade criadas entre guerras (Mattei, 2022), quando foi criado o sistema de organizações internacionais, revela precisamente isso. A remuneração do capitalismo financeiro é viciosamente organizada pelas alianças imperiais de poderes que conhecem, por tentativa-erro, o comportamento das sociedades hierarquizadas manipuladas pelo dinheiro, pela guerra e pelo fornecimento discriminatório de bens essenciais e não essenciais (Snyder, 2023).

outros posts sobre o assunto:

Dualidade de estados de espírito científicos

Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

Dinâmicas sociais dos selves e dos estados de espírito

Estado de espírito, soberania e espírito imperial

Referências:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Amaral, D. F. do. (2003). Do 11 de Setembro à crise do Iraque. Bertrand.

Anderson, B. (1998). Imagined Communities (8th ed.). Verso.

Archer, M. S. (2003). Structure, Agency, and the Internal Conversation. Cambridge University Press.

Bentham, J., Miller, J.-A., Perrot, M., & Werrett, S. (2000). O Panóptico (T. Tadeu, Ed.; 2a). Autêntica.

Blumer, H. (1981). George Herbert Mead. In B. Rhea (Ed.), The Future of Sociological Classics. Allan & Unwin.

Bourdieu, P. (1979). La Distinction. Minuit.

Bourdieu, P., & Passeron, J.-C. (1964). Les Héritiers. Éditions de Minuit.

Boy, J. D. (2015). The Axial Age and the Problems of the Twentieth Century: Du Bois, Jaspers, and Universal History. The American Sociologist, 46, 234–247. https://doi.org/10.1007/s12108-015-9254-0

Bueno, A., Bressiani, N., Silva, F. G., Teixeira, M., Cyfer, I., & Marin, I. (2017). Para uma Crítica das Crises do Capitalismo: entrevista com Nancy Fraser. Perspectivas, 49, 161–185.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2021). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press.

Diel, P. (2004). La peur et l´angoisse (1a edição). Petite Bibliothèque Payot.

Dores, A. P. (2005). Os erros de Damásio. Sociologia, Problemas e Práticas, 49.

Dores, A. P. (2010). Espírito de Proibir. Argusnauta.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Eisenstadt, S. N. (2003). Comparative Civilizations & multiple Modernities, 2 vol. Brill.

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill.

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito. Martins Fontes.

Goffman, E. (2004). Estigma – Notas sobre a Manipulação da Identidade Deteriorada ([1963]). Colectivo Sabotagem.

Graeber, D. (2011). Debt – the First 5000 Years. Melville House Publishing.

Habermas, J. (1987). Tendência da Juridicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Hardt, M., & Negri, A. (2004). Império ([2000]). Livros do Brasil.

Hirschman, A. O. (1979). Exit, Voice, and Loyalty: responses to decline in firms, organizations, ans states. Harvard University Press.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio.

Hudson, M. (2022). The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism. ISLET—Verlag.

Illich, I. (1971). Deschooling Society. Preservenet.

James, C. L. R. (1963). The Black Jacobins – Toussaint L´Ouverture and the San Domingo Revolution. Random House.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem.

Kuhn, T. S. (1970). La structure des révolutions scientifiques. Flammarion.

Lenine, V. I. (2000). O Imperialismo – Fase Superior do Capitalismo. Edições Avante.

Linklater, A. (2013). Owning the Earth. Bloomsbury.

Llobera, J. R. (2000). O Deus da Modernidade – O Desenvolvimento do Nacionalismo na Europa Ocidental. Celta.

Marcuse, H. (1991). One-Dimensional Man ([1964]). Routledge & Kegan.

Markovits, D. (2019). The Meritocracy Trap: How America’s Foundational Myth Feeds Inequality, Dismantles the Middle Class, and Devours the Elite. Allen Lane & Penguin Books.

Mattei, C. E. (2022). The Capital Order – How Economists Invented Austerity and Paved the Way to Fascism. Chicago University Press.

Meadows, Donella H.; Meadows, Dennis L.; Randers, Jorgen; Beherens III, W. W. (1973). Limites do Crescimento: Um relatório para o projeto do Clube de Roma sobre o dilema da humanidade.

Novak, M. (2000). Defining Social Justice. First Things, 108.

Novak, M. (2001). A Ética Católica e o Espírito do Capitalismo. Principia.

Oborne, P. (2008). The Triumph of the Political Class. Pocket Books.

Orwell, G. (1949). 1984 (first edit). Secker & Warburg.

Reich, R. B. (1991). O Trabalho das Nações. Quetzal.

Sandel, M. J. (2020). The Tyranny of Merit. Penguin Books.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords. https://pt.scribd.com/book/392795460/The-Real-Philosophy-of-Science

Silva, J. C. G. da. (2003). O Discurso Contra Si Próprio. Assírio e Alvim.

Snyder, T. (2023). Terra Sangrenta. D.Quixote.

Zuboff, S. (2019). The Age of Surveillance Capitalism. Profile Books.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (21 de Dezembro de 2023). Definição de espírito imperial. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vett


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search