Estado de espírito, soberania e espírito imperial

Resumo: espírito imperial é um estado-de-espírito que suporta a diferenciação do poder com base em práticas de soberania – de sedução e violência – que a história levou virtualmente a toda a humanidade, criando vítimas cúmplices em massa.

A natureza humana implica recursividade. Cada ser humano precisa de recriar uma identidade pessoal (Stevi Jackson, 2010) que sustenta as suas relações sociais e as suas expectativas e propósitos de vida (Corballis, 2011). Fá-lo incorporando disposições aprendidas socialmente por imitação e interpretação (Bourdieu, 1995; Tarde, 1993). Este processo de incorporação é acelerado na infância e torna-se mais lento com a idade. Cada pessoa dispõe de um reportório de estados de espírito aprendidos dos quais usa uma parte de forma rotineira. Em circunstâncias de mudança de vida, por razões pessoais ou sociais, mas também por razões de adaptação a diferentes situações, por exemplo na família ou no trabalho, as rotinas de mobilização de estados de espírito são diferentes de pessoa para pessoa e nas mesmas pessoas.

Os estados de espírito são reconhecidos, reproduzidos e inventados socialmente. Isso é parte importante da sociabilidade, das culturas, das civilizações, da política e das conversas internas (Archer, 2003). As ciências sociais não escapam a essas práticas. Mas não há um trabalho de conceptualização ensinado a este respeito. Os estados de espírito revolucionário, do capitalismo, de solidariedade, profissional, científico e muitos outros são, evidentemente, preocupações presentes no campo das ciências sociais, como na vida política e nas vidas pessoais. Podemos imaginar tipos de estado de espírito numa tabela tipo tabela periódica ou uma fórmula matemática capaz de revelar a natureza dos estados de espírito. Porém, a repugnância das ciências sociais ao estudo de estados de espírito tem impedido a exploração deste domínio (Bateson, 1987; Snow, 1956).

Praça do Império, Lisboa

O espírito imperial é um estado de espírito geralmente descrito como de distanciamento social, de distinção, de afirmação de supremacia. Nesse sentido é odiado. Mas o espírito imperial inclui, conforme as circunstâncias, por exemplo no quadro das actividades turísticas, um aspecto sedutor, fascinante, prazeroso, encantador, de identificação onírica com experiências idealizadas. O povo refere-se a essa contradição na expressão “boi a olhar para um palácio”.

Analiticamente, pode definir-se o espírito imperial como hierarquizante. O facto do isso parecer banal e incaracterístico dá a ideia da profundidade com que o espírito imperial se dissimula nas nossas mentes civilizadas, incluindo a na ciência (Silva, 2003). Todavia, esse estado de espírito é indispensável à protecção das elites, sem o qual não se compreenderia a manutenção dos privilégios. Para evitar a censura dos elitistas e a indiferença das ciências e das pessoas civilizadas, cujo espírito imperial lhes parece natural, em vez de socialmente construído, a definição de espírito imperial fica: hierárquico, elitista e dissimulado.

A existência do espírito imperial ajuda a compreender como uma sociedade desejavelmente igualitária, como a republicana democrática respeitadora do estado de direito e dos direitos humanos, reproduz sistematicamente as desigualdades, a pobreza e a miséria, as guerras e a exploração. O império moderno, originário do projecto de expansão da Fé e do Império por navegações oceânicas, tem sido dissimulado atrás do capitalismo e da alegada superioridade espontânea das etnias europeias, elas próprias hierarquizadas entre si. O capitalismo é um dos instrumentos mobilizados pela missão imperial moderna de explorar a Terra e os seus recursos humanos, primeiro escravizados e limitados e depois assalariados e generalizáveis a toda a humanidade.

O espírito imperial terá sido mantido desde o tempo da Revolução Axial (Eisenstadt, 2008), desenvolvido no quadro de práticas de cuidar de si (Foucault, 2004) e de exercícios de soberania (Agamben, 1998), quando a natureza humana deixou de ser apenas tradicional e se civilizou (Todd, 2018).

outros posts sobre o assunto:

Dualidade de estados de espírito científicos

Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais

Soberania e império

Definição de espírito imperial

Dinâmicas sociais dos selves e dos estados de espírito

CONTINUA EM: Liberdade, Igualdade, Fraternidade

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia

Referências:

Agamben, G. (1998). O Poder Soberano e a Vida Nua. Editorial Presença.

Archer, M. S. (2003). Structure, Agency, and the Internal Conversation. Cambridge University Press. https://www.cambridge.org/core/books/structure-agency-and-the-internal-conversation/4E4164D9D8952F6163AD29CB86A23BF3

Bateson, G. (1987). Natureza e Espírito – uma unidade necessária (1a edição). D. Quixote. https://pt.scribd.com/doc/260196194/Bateson-Mente-e-Natureza-a-Unidade-Necessaria

Bourdieu, P. (1995). Outline of a Theory of Practice. Cambridge University Press. https://www.perlego.com/book/3545427/outline-of-a-theory-of-practice-pdf

Corballis, M. C. (2011). The Recursive Mind – The Origins of Human Language, Thought, and Civilization. Princeton University Press. https://press.princeton.edu/books/hardcover/9780691145471/the-recursive-mind

Eisenstadt, S. N. (2008). Axial Visions and Axial Civilizations: The Transformations of World Histories between Evolutionary Tendencies and Institutional Formations. In H. Wittrock & B. Wittrock (Eds.), Frontiers of Sociology. Brill. https://brill.com/display/book/edcoll/9789047442462/Bej.9789004165694.i-450_009.xml

Foucault, M. (2004). A Hermenêutica do Sujeito. Martins Fontes. http://www2.fct.unesp.br/docentes/geo/necio_turra/MINI CURSO RAFAEL ESTRADA/foucault-hermeneutica-do-sujeito.pdf

Silva, J. C. G. da. (2003). O Discurso Contra Si Próprio. Assírio e Alvim. https://www.assirio.pt/produtos/ficha/o-discurso-contra-si-proprio/11237123

Snow, C. P. (1956). Duas Culturas. D.Quixote. https://pt.wikipedia.org/wiki/As_Duas_Culturas

Stevi Jackson. (2010). Self, Time and Narrative: Re-thinking the Contribution of G. H. Mead. Live Writing, 7(2), 123–136. https://www.asanet.org/research-and-publications/journals/social-psychology-quarterly/embodied-self-reflexivity

Tarde, G. (1993). Les Lois de l´Imitation. Éditions Kimé.

Todd, E. (2018). Onde estamos? Círculo de Leitores. https://www.temasedebates.pt/produtos/ficha/onde-estamos-/21342297


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (21 de Dezembro de 2023). Estado de espírito, soberania e espírito imperial. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vets


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search