Dualidade de estados de espírito científicos

Resumo: A ciência observa panos de fundo, substratos universais (Schofield, 2018), para lá das três dimensões observáveis à vista desarmada, como a gravidade. Mas isso continua a ser difícil de fazer para o vulgo, incluindo nas escolas, nas universidades, nas profissões. A ciência ensinada é centrípeta, especializada, profissionalizante. Isso é mais fácil para o senso comum, mas limita o avanço das ciências no seu aspecto centrífugo, o mais libertador.  

Há práticas científicas paradigmáticas e normais, centrífugas e centrípetas, transformadoras e de consolidação. Na Física, às 3 dimensões mecânicas cúbicas devem acrescentar-se outras dimensões emergentes, curvas, como descobriu a teoria da relatividade. A gravidade não é uma propriedade da massa: é o resultado da interacção simbiótica transformadora das massas e das energias no nosso universo. Na astrofísica, o facto de não sabermos se há ou não vida noutros planetas ou noutros universos com leis da física diferentes das que conhecemos não inibiu os cientistas de manter a mente aberta para tais possibilidades, que não sabem concretizar nem descartar.

Chamar espíritos (ou forças, ou energias) às dimensões extramecânicas decorre da história do pensamento ocidental, em que a ciência se insere. Em processo de libertação da censura da Inquisição, alegadamente espiritual e celestial, a ciência criou um espaço empírico para desenvolver as ciências da natureza, livre de espíritos e de metafísica. A conquista desse espaço continua a ser um desafio. A história mostra como o espírito científico empenhado na procura de objectividade, apoiado em tecnologias, sente necessidade de ampliar os seus domínios. Foi o que aconteceu com o surgimento das ciências sociais.  

Vive-se o preconceito do estatuto científico imperfeito das ciências sociais (Nunes, 1973), justificado pela diferença ontológica entre as estruturas naturais, imaginadas eternas, e as agências humanas, evanescentes, subjectivas, captáveis apenas parcialmente por estatísticas. Com as ciências sociais, a ciência manteve e reforçou a representação dual que herdou da religião. A separação entre o mundo dos vivos e o mundo dos mortos, entre a Terra e o Céu, foi traduzida cientificamente pela dualidade estanque entre as ciências da natureza e as ciências sociais e humanidades (Snow, 1956).

A ciência do século XVII deixou estrategicamente espaço livre para os exercícios das forças e energias tradicionais reguladas pela religião, definindo o seu próprio espaço como exterior ao onde misteriosamente existiriam as almas, os espíritos separados dos corpos. No século XIX, com a abolição da Inquisição e do clericalismo, os estudos laicos da espiritualidade, das consciências individuais e colectivas (sempre os dualismos), começaram a aspirar ser ciências sociais. Evocaram frequentemente os espíritos, como o revolucionário, em Marx, o do capitalismo, em Weber, o de solidariedade, em Durkheim, o de imitação, em Tarde, etc. Mas o estudo conceptual do estatuto epistemológico do espírito em ciência, só excepcionalmente foi ensaiado (Bateson, 1987). Permanece tabu.

As antigas inspiração e graça divinas que reservavam os direitos de soberania e auto-determinação à aristocracia separavam a vida dos diferentes estados: a nobreza, o clero e os restantes. Com o sucesso comercial das navegações oceânicas, apesar do forte controlo religioso da Inquisição sobre a corrupção moral, a burguesia acabou por se libertar das tradições: tornou-se classe dominante. Na ciência do “penso logo existo”, o espírito de superioridade de classe, euro e antropocentrado, substituiu a tradicional graça divina por competência individual. Paulatinamente, os princípios aristocráticos deram lugar aos meritocráticos.

O moralismo religioso foi sendo substituído pela amoral “mão-invisível” dos mercados, a partir de Adam Smith. A extrema violência imperial foi escondida pela burguesia, remetendo-a para hábitos aristocráticos ultrapassados (Hirschman, 1997). Em particular, os imorais processos de acumulação primitiva praticados primeiro além-mar que financiaram a animação dos mercados das metrópoles foram excluídos dos estudos económicos sobre a origem da riqueza (Brown, 2009). Foram explicados como resultado espontâneo da superioridade ontológica dos europeus e da sua arte comercial, apresentada como liberdade (Graeber & Wengrow, 2021).

Com o fim da Guerra Fria, a Terra dos Livres (os EUA) inspirou a globalização. O alegado fim da história e das ideologias (Fukuyama, 1999) revelou-se uma versão laica e moderna do Espírito Santo patriarcal dos cristãos que inspirou as Cruzadas medievais e, em 2003, a declaração de guerra eterna (Huntington, 1996). Seguiu-se uma aparentemente trajectória de declínio dos EUA em relação à China. China que se tornou a maior defensora da globalização de que foi economicamente a principal beneficiária.

Com a globalização e a crise ambiental, a esperança de a ciência se mobilizar para acelerar o processo de integração geral de conhecimentos (Santos, 2014) não se confirmou. As ciências naturais continuam estanques às ciências sociais, e vice-versa. Não houve um alívio dos tabus-censura nas ciências sociais. As pessoas formadas em ciências sociais tendem a pensar a natureza humana e os estados de espírito como exteriores ao âmbito das ciências sociais.

A formação em ciências sociais faz as pessoas sentirem-se incompetentes para pensar a natureza, que tomam por fixa e eterna. Sentem que referir a existência de espiritualidade é uma traição, um recuo face à alegada ruptura das ciências sociais com as tradições metafísicas, teológicas e filosóficas do pensamento ocidental. Não se dão conta do processo centrípeto de que são parte.

A característica das ciências centrípetas é a sua auto-exclusão da possibilidade de colaboração com outras disciplinas, com outras subdisciplinas, com os colegas, por receio de revelarem as suas limitações conceptuais e cognitivas. A ciência ensinada nas escolas e universidades parece um receituário de soluções chave-na-mão, em vez de um espaço de liberdade de inquérito e de descoberta (Dores, 2021a). Ao inverso do que seria lógico, a ciência centrífuga que mantém a esperança de aproximar o pensamento das ciências sociais com o das ciências naturais pode ser tida por anti-científica, sobretudo quanto toca em temas tabu.

René Descartes

As teorias sociais, em vez de desmontarem a divisão entre objectos naturais e sociais, herança dos limites impostos pela censura inquisitorial ao desenvolvimento da ciência, mantêm-se firmemente ancoradas no cartesianismo, norma criticada nas ciências naturais, mas que resiste (Damásio, 1994). O campo científico cristalizou, tanto nas ciências naturais como nas ciências sociais, e na opinião pública, uma versão contida das potencialidades da ciência, defensiva, elitista, centrípeta, mecânica, simplista, tecnocrática, profissionalizante. Mas continuam a existir potencialidades libertadoras da ciência por explorar, por exemplo ao criarem-se pontes entre as ciências naturais e as ciências sociais.

Ainda hoje, as ciências sociais funcionam isolados das ciências naturais, mas reverentes às versões populares destas últimas. A mecânica codificável matematicamente e o evolucionismo criacionista que justifica a supremacia da espécie humana e o racismo, mantêm uma influência dominante na consciência colectiva, incluindo na dos cientistas. As ideias mais avançadas sobre o que é o universo e a espécie humana esbarram como rotinas científicas, como os métodos nacionalistas, eurocêntricos e patriarcalistas, nas ciências sociais.

No pós-guerra, caracterizado por singulares investimentos em ciência, o nível superior da ciência, o paradigmático (Kuhn, 1970), não ganhou o mesmo fulgor da prática corrente, dita normal, tecnocientífica, rotineira, das ciências. Com a institucionalização e profissionalização das ciências veio o reforço político dos seus enquadramentos com a finalidade de as mobilizar ao serviço da missão de exploração da Terra assumida pelas superpotências e, em particular, pelos seus militares. Estes tornaram-se os maiores financiadores e avaliadores das ciências. Através da concorrência intra e interdisciplinar, as práticas científicas centrípetas ganham vantagem e as perspectivas centrífugas não as acompanham (Dores, 2021b). É como se o sucesso da teoria da relatividade tivesse sido adiado pela insistência na mecânica. Schofield (2018) escreveu que isso ocorre na física, onde o predomínio dos investimentos nas teorias quânticas, promotoras da tecnociência, estaria a minimizar a importância do método holista, como o usado por Einstein.

O processo centrípeto em ciência tem consequências cognitivas e conceptuais nas práticas científicas dominantes. Por exemplo, os diversos níveis de realidade social são referidos em abstracto, mecanicamente, como os espaços-tempo newtonianos. Dizem-se macro, meso, micro, erradamente imaginados como absolutos, eternos, imutáveis, quando de facto são produzidos pela existência prática das coisas e das pessoas em interacção evolutiva (Dores, 2005). Por outro lado, as ciências sociais são ensinadas de modo centrípeto, i.e., divididas em disciplinas subdivididas em ideologias que se dispensam concorrencialmente umas às outras, nas academias e nas profissões. Disciplinas hiperespecializadas internamente, por sua vez ainda subespecializadas metodológica e teoricamente, e a estudar níveis de realidade (geralmente nacionais) isolados dos contextos que os enquadram e de onde emergem. Por exemplo, a gestão turística dividida ainda e sempre em várias especialidades de utilidade prática, é uma versão centrípeta da economia que idealmente aparece como uma lista de soluções profissionais chave-na-mão para o sector.

Também há ciências centrífugas, estimuladas pela esperança de escapar dos labirintos cognitivos e ideológicos que limitam o fulgor libertador das ciências. Há a história global (Snyder, 2023), a Big History (Christian, 2021), a geografia económica (Harvey, 2011), antropologia da tecnologia (Latour, 1992) e muitas outras iniciativas científicas libertadoras que abrem novos espaços à investigação fora do labirinto centrípeto. Em particular há as iniciativas oriundas das ciências naturais e das tecnociências que procuram ajuda no campo das ciências sociais. Foi o caso do movimento SAAL na arquitectura, durante a Revolução dos Cravos, que materializou as potencialidades da concepção urbanística participada pelas populações interessadas. O mesmo reclama Cathy O´Neil (2016) para a concepção de sistemas informáticos. Alega que, secretamente, os programas se tornaram armas de destruição em massa da vida dos seus utilizadores, em nome da supremacia do capitalismo (Zuboff, 2019). Quando os utilizadores são chamados a participar e testar as aplicações, continua, não apenas se evitam erros técnicos como, sobretudo, os interesses do vulgo podem ser protegidos, nomeadamente os de não violação dos direitos humanos. Noutra perspectiva, Jim Schofield (2018) constatou a dificuldade prática de pensar misturas disciplinares e as sinergias por elas propiciadas. Dá o exemplo da sua experiência na produção de divulgação de actividades culturais, no caso a dança. Comparando, alternativamente, o resultado da utilização de tecnologias digitais e tecnologias analógicas, ambas se revelaram insatisfatórias. Custou a imaginar usar ambas em colaboração. Mas foi assim que conseguiu o melhor resultado, impossível de obter com cada uma delas isoladamente.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: O predomínio do espírito dos números

Supiot caracteriza a globalização por ser dominada pelos cálculos digitais, binários, desvalorizando os aspectos ternários, dialécticos, de contextualização do pensamento. Isso corresponde à confluência entre os regimes capitalistas e comunistas naquilo que têm ambos de desumanizante. Os interesses cujos valores – comunistas ou capitalistas – são neutralizados pelos cálculos económicos devem passar a ser ponderados por critérios de justiça social e ambiental. O autor denuncia o cientismo como uma ideologia que promove e sustenta o aquecimento global produzido pelo trabalho humano com direitos minimizados.

outros posts sobre o assunto:

Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

Estado de espírito, soberania e espírito imperial

Definição de espírito imperial

Dinâmicas sociais dos selves e dos estados de espírito

Referências:

Bateson, G. (1987). Natureza e Espírito – uma unidade necessária (1a edição). D. Quixote.

Brown, M. (2009). Free enterprise and the economics of slavery. Real-Economics Review.

Christian, D. (2021). Education revolution with Big History. Frontiers. https://www.youtube.com/watch?v=JhowXxz_uAs

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes: emoção, razão e cérebro humano. Europa-América.

Dores, A. P. (2005). Os erros de Damásio. Sociologia, Problemas e Práticas, 49.

Dores, A. P. (2021a). A promoção centrífuga do ensino da sociologia. Configurações, 28, 159–174.

Dores, A. P. (2021b). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Fukuyama, F. (1999). O Fim da História e o Último Homem. Gradiva.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2021). The dawn of everything – a new history of humanity. Farrar, Straus and Giroux.

Harvey, D. (2011). Spaces of capital: towards a critical geography. Routledge.

Hirschman, A. O. (1997). As Paixões e os Interesses. Bizâncio. https://

Huntington, S. P. (1996). The Clash of Civilizations and the Remaking of World Order. Simon & Schuster.

Kuhn, T. S. (1970). La structure des révolutions scientifiques. Flammarion.

Latour, B. (1992). Aramis et l´amour des techniques. La Découverte.

Nunes, A. S. (1973). Questões Preliminares sobre as Ciências Sociais. Cadernos G. I. S., n.° 10.

O´Neil, C. (2016). Weapons of Math Destruction. Penguin Books.

Santos, B. S. (2014). Epistemologies of the South – Justice against Epistemicide. Paradigm Publishers.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords. https://pt.scribd.com/book/392795460/The-Real-Philosophy-of-Science

Snow, C. P. (1956). Duas Culturas. D.Quixote.

Snyder, T. (2023). Terra Sangrenta. D.Quixote.

Zuboff, S. (2019). The Age of Surveillance Capitalism. Profile Books.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (18 de Dezembro de 2023). Dualidade de estados de espírito científicos. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/vetr


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search