Dinâmicas sociais dos selves e dos estados de espírito

Resumo: o método introspectivo tem a vantagem de poder tratar como independentes das linguagens as conversas interiores e os comportamentos decorrentes de decisões íntimas. Tem a vantagem de reconhecer a existência de práticas estruturadas clandestinas e secretas aos diversos níveis sociais. O orgulho e o respeito são tácticas de interacção social afirmativas. Reconhecem as identidades e as expectativas próprias e alheias, respectivamente. Porém, a missão imperial obriga a sacrifícios cuja manutenção reclama justificação por via cognitiva e ritual, por sedução e violentamente.

Charles Cooley praticou o método da introspecção nas suas análises sociológicas, sabendo isso ser contraditório com o método cartesiano. Geoge H. Mead baseou-se nas neurociências para dizer que o self, uma parte da consciência que é ao mesmo tempo pessoal e individual, admitia o seu estudo científico, nomeadamente o método introspectivo. A discussão entre Cooley e Mead sobre se as ciências sociais são uma versão mais normalizada e empirista das humanidades ou são verdadeiras ciências mantém-se na actualidade. As faculdades de ciências naturais não se misturam com as de ciências sociais e estas lutam para se distinguirem ou para colaborarem entre si e com as humanidades.

A descoberta do self por Mead, a parte da consciência que se desenvolve com as sociabilidades que marcam as identidades e as expectativas das pessoas, oferece à introspecção um largo campo de observação das cicatrizes internas decorrentes das práticas sociais. Esse método elabora cientificamente as conversas interiores dependentes, mas autónomas, em relação às linguagens socialmente usadas.

Patriarcalismo tácito deve ser denunciado ou ignorado?

Estas conversas interiores produzem-se num continuo de formalização que vai do modo implícito, inconsciente, independente das linguagens, por exemplo durante o sono, até aos modos que utilizam trechos de linguagens sociais codificadas, prontas a comunicar racionalmente, como quando se prepara um discurso ao espelho.

As poucas grandes decisões na vida são conceptuais, isto é, definem um padrão de carácter e acção que é tomado pela pessoa que toma a decisão como eterno, como nos casamentos, nas afiliações, nas profissionalizações, no estabelecimento de morada, na conversão a uma religião ou nacionalidade, etc. Normalmente ancoram-se numa expressão linguística definidora de identidade socialmente conotada com expectativas de vida que se concretizam ou não, de acordo com miríades de oportunidades e decisões pessoais e sociais que ocorrem.

Para se referir este continuo de importância relativa de decisões que configuram a identidade das pessoas pode falar-se em conceitos e clandestinidade. As identidades pessoais precisam de se exporem socialmente para serem respeitadas. Arriscam a falta de respeito contra a qual podem responder ou ignorar. Arriscam perseguições e discriminações contra o que podem, ou não, manipular ou dissimular nas suas identidades pessoais, eventualmente passando à clandestinidade.

A afirmação das identidades pessoais pode manifestar-se como orgulho em traços de identidade biológicos ou sociais, socialmente valorizados ou estigmatizados. Neste último caso, são desafios às sociedades sacrificiais para que deixem de usar esses estigmas para faltar ao respeito às pessoas.

Os sacrifícios de pessoas com identidades estigmatizadas serve para promover sentimentos de segurança em pessoas cujas identidades estão subjectiva ou objectivamente em risco. Enquanto o pau vai e vem, folgam as costas, diz o povo. Perante os riscos de violência próprios da existência, as sociedades e as pessoas desenvolvem práticas de distracção sacrificial, utilizando vítimas ou bodes expiatórios, que ajudam a suportá-los.

As imagens e percepções das identidades e espectativas hesitam entre o espectacularmente interessante e o morbidamente terrível. Entre aquilo de que se tem orgulho em mostrar e estar associado e o outro que se prefere ignorar, esconder, negar, afastar. Os rituais de purificação incluem frequentemente a utilização de vítimas e podem ou não ser socialmente aceites ou praticados na clandestinidade. Por exemplo, no Antigo Regime as penas eram públicas e publicitadas. Na modernidade são praticadas atrás de muros altos, em segredo.

Ao longo de uma vida, há traços de carácter que se mantêm reconhecíveis apesar das transformações que ocorrem. Essas mudanças podem acontecer sem alterar significativamente identidades e expectativas. Eventualmente, novas inspirações alteram significativamente os modos de trabalhar das pessoas. Com a idade, claro, as expectativas ficam condicionadas.

Estados de espírito são disposições de corpos e mentes que podem ser reconhecidas socialmente. Cada pessoa interpreta cada estado de espírito que adopta momentânea ou tipicamente de acordo com a sua identidade e com a situação em que se encontra. Eventualmente, o estado de espírito adoptado é socialmente insustentável. Nesses casos, ou se prescinde dele, e passa a adoptar outro na circunstância, ou se insiste e obriga terceiros a reagir (sendo que a não reacção é também uma reacção).

Tabela 1. Traços de identidade, conversas interiores e características de estados de espírito

Conversas interiores
Traços de identidade
ConceituaisTácticasImplícitas

Assumidos
Formais de longa duraçãoFormais de curta duraçãoInformais de longa ou curta duração
TácticosOrgulhoHumorRespeito
ClandestinosExoterismoEspiritualidadesEsoterismo

As sociedades dispõem de um reportório de estados de espírito que as pessoas imitam, treinam e adoptam em circunstâncias apropriadas. Educar é proporcionar condições de aprendizagem de incorporação e uso, social ou clandestino, consciente ou inconsciente, desses estados de espírito. Estados de espírito revolucionário, capitalista, corporativo são referências centrais das sociedades modernas mencionadas por Karl Marx, Max Weber e Émile Durkheim. Mas há muito mais estados de espírito relevantes, como o elitismo, a submissão, o profissionalismo, a ética laboral, o desportivo, o marginal, etc.

Os estados de espírito, modos culturalmente produzidos de harmonizar os corpos com as mentes, as teorias com as práticas, as aparências com as emoções, podem ser pivots para o trabalho de promoção da identidade de cada pessoa (formais e de longa duração) ou podem ser usados como simples passatempos (esoterismos). Podem ser apresentados com orgulho, mas quando confrontados com falta de respeito podem passar à clandestinidade.

Por exemplo, para quem o respeito é um dado adquirido pode presumir que o mesmo ocorre com toda a gente, tornando para si incompreensíveis (violentas) actividades de reivindicação de respeito por parte de pessoas a quem faltam sistematicamente ao respeito. Os movimentos contra o racismo, contra a homofobia, contra o patriarcalismo, contra o extrativismo, são todos exemplos de afirmação orgulhosa de características culturais, cognitivas, sociais a que as sociedades não prestam o devido respeito. As sociedades violam distraidamente (ou organizadamente) os direitos humanos, seja por motivos sacrificiais, seja por razão da missão civilizacional que se auto-atribuem.

O espírito do capitalismo é uma forma de oferecer um propósito à vida social, explorar industrialmente a natureza sob uma organização hierárquica. O espírito corporativo é semelhante, mas de modo a impedir os conflitos resultantes da divisão injusta dos rendimentos. O espírito revolucionário é a tomada de consciência de a exploração da natureza ser extensiva aos trabalhadores, aos recursos humanos.

Justiça é cega para não ver os sacrifícios que impõe, sobretudo aos com vidas mais sacrificadas

O espírito imperial é religioso: religa as tradições cristãs ocidentais à modernização do mundo (a Fé e o Império) e religa o orgulho dos capitalistas e dos trabalhadores, das elites e das massas, em torno da supremacia da organização hierárquica que protege as identidades-expectativas das elites e dissimula as injustiças sociais. Dissimula os sacrifícios dos trabalhadores e também dos pobres, negando serem injustiças. Fá-lo, nomeadamente, através de políticas penais associadas à ideia de reposição da justiça, afirmação ritual da responsabilidade individual e da irresponsabilidade social próprias da ideologia moderna.

outros posts sobre o assunto:

Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

Estado de espírito, soberania e espírito imperial

Definição de espírito imperial

Dualidade de estados de espírito científicos


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (12 de Dezembro de 2023). Dinâmicas sociais dos selves e dos estados de espírito. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvqy


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search