Incorporar e difundir humanidade – estados de espírito, civilização e ciências centrípetas

Resumo: Nas últimas décadas, as teorias sociais tornaram-se parte integrante do mundo das ciências, respeitadas pelo vulgo e utilizadas pelos estados a favor das classes dominantes. Infelizmente, as escolas difundem versões da ciência que parasitam os mecanismos sociais de produção de sentido a favor dos seus financiadores, no desrespeito pelas evidências e censurando a melhor ciência. Segue-se um sintéctico diagnóstico holista da situação, relacionando a natureza humana e as políticas científicas.

Links para reflexões sobre o que seja estados de espírito

Estados de espírito e civilização

Os seres humanos caracterizam-se pela flexibilidade dos estados de espírito que podem interpretar. Com o decorrer da idade e com a sucessão das gerações, têm e sentem a capacidade-necessidade de (re)criação de novos estados de espírito. É assim que dão sentido às respectivas vidas, naturalmente sem sentido, mas, ao mesmo tempo, a precisar que um sentido lhes seja atribuído pelo próprio e pelos outros, socialmente. Os consensos conscientes e tácitos são proporcionados e decorrem da socialização desses estados de espírito, através de modas e das dinâmicas próprias dos panos de fundo civilizacionais, da sua validação emocional e energética elaborada de forma mimética. Por isso, cada geração partilha entre si algumas características comportamentais, emocionais, cognitivas, associadas às sequências de panos de fundo por que passaram, em especial na juventude (processo de intensificação da integração social), diferentes das características de outras gerações com outras memórias e outras experiências.

Os estados de espírito incorporam-se e recalcam-se a partir das experiências sociais e da participação de cada um em práticas de difusão religiosa, política, familiar, militar, desportiva, grupal, de estados de espírito. A sociedade vive em ambientes comparáveis ao tempo atmosférico, quase sempre previsível, embora instável, raramente turbulento e por vezes tumultuoso e perigoso.

As violências, as linguagens, as epidemias são instrumentos de criação e de difusão de estados de espírito. A civilização e a cultura mudam de caracter através da experiência, adoptando de forma negativa ou positiva certos estados de espírito moral e politicamente selecionados para produzir distinções entre níveis e hierarquias sociais que se refinam a adaptam às novas circunstâncias, dando sentido e consistência aos panos de fundo.

Os mitos e ritos construídos para dar sentido às experiências de violência, de comunicação social, de solidariedade contra o meio ambiente hostil, fixa certos estados de espírito e censura outros. Como as fotografias ou os filmes, os mitos e os ritos reduzem a complexidade a alguns aspectos compatíveis com a capacidade limitada de atenção e transformação das pessoas. Por isso, na política como na guerra, se formam tipicamente dois partidos a respeito de uma qualquer iniciativa: os a favor e os do contra. A pluralidade de partidos permite cada grupo de iniciativa referir-se aos panos de fundo civilizacionais através de ideologias que reclamam coerência geral entre as posições a favor ou do contra relativamente a cada alteração proposta do comportamento do estado.

Mitos e ritos universitários

Nas sociedades modernas, as ideologias burguesas representam a actividade comercial, o mercado, como um meio de evitar a guerra e a violência: para todos os problemas a solução é fazer crescer a economia. O sucesso destas ideologias deve-se menos à sua capacidade de cumprir com as promessas de bem-estar e pacificação e mais com a sua capacidade de distribuir benefícios entre os capitalistas e os trabalhadores, as duas grandes forças sociais geradas pelo capitalismo. O resto da humanidade encontra-se dividida, isolada, neutralizada pelo mesmo espírito imperial adoptado pela luta de classes, pela Guerra Fria, pela globalização, como pano de fundo.

As teorias sociais centrípetas cumprem o papel de censurar as discussões dos panos de fundo, a descoberta conceptual dos substratos universais, substituindo-as pela fixação de estruturas sociais formais (e não empíricas) em torno das quais fazem girar os dados empíricos em forma de sistemas disciplinares auto-isolados, especializados. Para estas teorias, o normal é não haver violência, nem evolução da linguagem, nem doenças, nem mortes, nem nascimentos, nem necessidade de cuidados, nem opções identitárias. Como diria Durkheim, violenta, inovadora, surgimento e desaparecimento de anormalidades, é anomia, o inverso da solidariedade social, daquilo que é a essência da sociedade, a consciência colectiva, o magno consenso imperial perante os resíduos de dissenso, incluindo o lixo humano.

As teorias sociais centrífugas oferecem discussões sobre o que são os panos de fundo, os impérios, o espírito imperial, os modos de exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos, apesar das censuras institucionalizadas e das dificuldades em usar as linguagens dominantes, produzidas no ardor da luta centrípeta pela segurança das classes dominantes e de quem as apoia. As censuras para controlar a incorporação e difusão de ciências centrífugas procedam do mesmo modo como a profissionalização: isolam níveis hierárquicos e especializações, impedindo ao máximo a mútua relação e interconhecimento. Os esforços multi e transdisciplinares e interseccionais são exemplos de tentativas de superação das censuras. As limitações dos resultados práticos alcançados revelam como a criatividade científica continua a ser reduzida a anomia pelas políticas científicas.

Outros textos sobre ciências centrípetas:

Espírito do capitalismo e a missão imperial a que obedece

Libertação das ciências centrípetas


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Outubro de 2020). Incorporar e difundir humanidade – estados de espírito, civilização e ciências centrípetas. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvmw


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search