O espírito imperial subverte a liberdade e atrofia a imaginação

Resumo: A cooptação de cada vez mais pessoas para a realização da missão imperial moderna, a ponto de se imaginar toda a humanidade envolvida nisso, cria espectativas e valores partilhados universalmente, como a liberdade, o que pode ser uma coisa boa.

Porém, a estigmatização da natureza, a redução das pessoas a recursos humanos e da sabedoria a ciências centrípetas bloqueadas por ideologias sectárias impedem o reconhecimento da necessidade de acesso generalizado à liberdade. A liberdade é hierarquizada e tão só para quem se integre na missão imperial de exploração da Terra: para os liberais aos empresários deve ser garantida a liberdade, para os comunistas será aos políticos, para os nazi-fascistas apenas ao chefe a liberdade deve ser permitida.

Michael Hudson, um dos inspiradores de David Graeber, é um economista que pratica história económica. Detalhou como o dinheiro começou a circular há seis ou cinco mil anos, contando-se por milhões de anos a vida da humanidade sem dinheiro (e sem patriarcalismo). Em quase toda a história da humanidade, a existência de pessoas genética, física e intelectualmente como nós sustentou-se em economias muito diferentes das dos mercados⁠ e das hierarquias.

Com as ideologias revolucionárias, imagina-se que o mundo se tornou radicalmente diferente há duzentos e poucos anos. Imagina-se que as pessoas modernas são ontologicamente diferentes das pessoas tradicionais. A generalização do espírito imperial funda uma lógica centrípeta, individualista, autocentrada, competitiva, alienada do mundo circundante, particularmente observável nas cidades, que desqualifica a Terra e as pessoas, reduzidas a meros recursos materiais e humanos. A humanidade referida pelos direitos humanos é uma promessa a que uma grande parte dos humanos não tem acesso.

Há o progresso, por vezes aos saltos, outras vezes pela simples evolução ou até com recuos temporários, sempre a reclamar mais sacrifícios para atingir as melhorias esperadas e sempre adiadas. Vingou a noção aplicada e divulgada pelas ciências sociais de que aquilo que caracteriza as sociedades modernas é, em geral, o melhor dos mundos possíveis. Mundo que só não é perfeito por estar limitado pelas limitações da natureza humana que produziria elites sociopatas e massas psicopatas em necessidade de serem cientificamente educadas.

O melhor dos mundos possível

Para os modernos, as causas dos problemas não pode ser, não é, a missão imperial imoral, genocida e suicidária desenhada para explorar a Terra até à exaustão. Quem causará os problemas, imaginam, são as pessoas que se desviam, por estupidez ou razões egoístas, da finalidade religiosa de testar a graça divina que autoriza o uso da Terra e da vida, incluindo as vidas humanas, para brincar aos criadores. As guerras, as misérias, as desigualdades, para os modernos não consequências da missão imperial dominante, nem sequer seus efeitos colaterais. São heranças do passado tradicional.

A descoberta de Newton de que o instrumento criativo de Deus é a matemática, a infinita, imutável, científica, mecânica lei da gravitação universal, foi adoptada como símbolo da afirmação social e cognitiva da ciência imperial moderna. Tal como Constantino subverteu o cristianismo transformando-o em sua religião oficial, assim Newton foi usado pela missão imperial moderna para universalizar e laicizar a religião fundamentalista tradicional. Esta última tratava e trata das almas. Mas, com as Navegações, abriu-se um espaço para que as ciências da natureza descobrissem empircamente aquilo que não estava escrito nas escrituras.

O espaço de liberdade científica, porém, ficou limitado ao estudo da natureza. O pastorear das almas continuou paralelamente, no ocidente e no mundo, através das missões de conversão religiosa lançadas nas Américas e na Ásia. A física científica tornou-se cognitivamente incompatível com a metafísica teológica. A ciência foi condenada, à nascença, à subdivisão. Por exemplo, ao usar a física para observar a vida sem alma foi preciso inventar a biologia. Para observar fisicamente as consciências foi preciso inventar as psiquiatria. Até hoje se mantém o hábito de pensar corpos e mentes como entidades separadas e separáveis, apesar das evidências apontarem em sentido inverso.

Este divisionismo foi e continua a ser a pré-condição centrípeta para desenvolver a ciência: reduzir os seus efeitos nas crenças religiosas. De onde o carácter revolucionário do surgimento das ciências sociais, no século XIX, para ocupar o espaço cognitivo libertado pelas abolições da Inquisição e do clericalismo que as ciências naturais se tinham tacitamente comprometido a não ocupar. De onde as limitações centrípetas que se continuam a sentir no século XXI. As ciências sociais continuam distantes das ciências naturais e o projecto de transformar as filosofias sociais, metafísicas, em ciência continua por cumprir. Só será concretizável com a abertura das ciências naturais às ciências sociais e de ambas às formas centrífugas de fazer ciência.

Déspotas iluminados e dirigentes revolucionários modernos partilham entre si, faz meio milénio, a convicção da supremacia ocidental que fundou o direito às navegações oceânicas a que chamaram Descobrimentos. Supremacia contra a natureza, de que não reconhecem a função maternal, e contra a humanidade infiel, profana ou adoradora de outras crenças não imperiais, ou imperiais de outro tipo.

Como será que eles pensam?

Contra as ideologias hegemónicas etnocêntricas levantaram-se muitos cientistas, entre os quais Graeber e Wengrow: partiram do raro reconhecimento na antropologia e arqueologia actuais, e nas ciências sociais em geral, de que os humanos não modernos, como os índios da América do século XVIII, são seres humanos completos, apesar de não partilharem os efeitos cognitivamente delirantes e moralmente luciferianos das ideologias modernas. Terá sido um embaixador índio norte-americano quem trouxe à Europa das luzes a noção de liberdade política e pessoal, que acabaria por se tornar lema das Revoluções Americana e Francesa, umas vezes com conotação mais económica, outras vezes mais social. A partir daí, tornou-se um dos valores universais através dos quais os povos e as ciências ocidentais ainda hoje tentam escapar do labirinto imperial de que há dificuldade em encontrar uma saída.

O moderno conceito de liberdade, porém, não tem protestado contra o sequestro simbólico e fáctico das pessoas no seio de instituições-sistemas-disciplinas estanques entre si, todas a exigir fidelidade a quem as frequente, mesmo quando a consciência moral de cada um é violada. A liberdade concebida como sacrifício da consciência à missão imperial de explorar a Terra tem consequências mentais e cognitivas. Por isso, as elites se comportam frequentemente como sociopatas e as massas como psicopatas. Por isso os cientistas se refugiam sobretudo nas ciências centrípetas e quem faz ciência centrífuga não é seguido/a, mesmo quando é admirado/a.

Ideologias, instituições e identidades modernas articuladas de forma religiosa, cristã, belicosa, ameaçadora, confessional, íntima, auto sacrificial, negam-se a si mesmas nomeadamente quando não reconhecem a continuidade dos mecanismos aristocráticos e religiosos na actualidade moderna. Mecanismos também presentes nos campos científicos. Imaginam acriticamente as hierarquias que conduzem a missão imperial como formas naturais de organização social, sem abrir espaço para levantar questões a esse respeito. Assim, os mercados e os estados são pensados como naturais, eternos, espaços de rara liberdade, de liberdade moderna. A oposição entre as direitas e as esquerdas, entre os defensores do status quo e os revolucionários, serve de nuvem de fumo para encobrir aquilo que une ambas as partes: o empenho em prosseguir a missão imperial, o crescimento económico, o extrativismo. Situação que tem impedido os movimentos ecologistas de terem a influência social e política que seria útil que tivessem tido para evitar as mudanças climáticas que vivemos e que podem ser fortemente agravadas em breve.

As liberdades dos mercados e as dos cidadãos outorgada pelos estados são todas concebidas como inseparáveis da hierarquização social. Hierarquização aristocrática que representa implícita, mas raramente explicitamente, a continuidade do patriarcalismo, das Cruzadas, da Inquisição, do comércio de luxo, das missões cristãs, da escravatura, das estratégias familiares do capitalismo, do colonialismo, do totalitarismo, e de outros movimentos e instituições imperiais modernas.

CONTINUA EM: Quadro social inspirador da necessidade de criação da teoria do valor

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia

outros posts sobre liberdade:

Essência e multidimensionalidade da liberdade

Liberdade, Igualdade, Fraternidade

A falácia do crescimento e as liberdades democráticas

Educar a imaginação a imaginar a liberdade

Das teorias da liberdade

outros posts sobre espírito imperial:

Definição de espírito imperial

Estado de espírito, soberania e espírito imperial

Teorias sociológicas – aplicações do espírito imperial

Abolir o espírito imperial

Romper com espírito imperial

O espírito imperial


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (6 de Dezembro de 2023). O espírito imperial subverte a liberdade e atrofia a imaginação. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvqx


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search