Que fazer? (2)

Link para “Que fazer?” (1)

Link para apresentação Prezi do tema do texto

O espírito imperial é uma predisposição para agir incorporada nas pessoas pela civilização, desenvolvida milenarmente e democratizada pela educação universal. Tem duas versões actuais. A do pragmatismo especializado, como o profissional ou o militar, em que as pessoas devem deixar de pensar e agir apenas em função das práticas treinadas como hábitos. É uma herança das lutas dos trabalhadores sob o capitalismo e da valorização abstracta do trabalho. A segunda versão é herança dos salões aristocráticos, do holismo ideológico, em que as pessoas partem dos seus desejos e interesses para inventar interpretações da realidade que sugerem haver lógica em satisfazer os primeiros e privilegiar os segundos.

A tradicional separação discriminatória entre trabalho intelectual e trabalho manual evoluiu em tempos de luta de classes. Manteve-se firme na naturalização e reprodução das hierarquias sociais que encobrem a exploração ilimitada da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos. As identidades das pessoas modernas são reduzidas à profissão dos indivíduos. Quando não as têm ou não se revêem nas que lhes cabem, as pessoas inventam-nas, para melhor se poderem apresentar socialmente. Estas práticas encobrem um dos principais problemas das sociedades modernas: a produção de lixo humano utilizado socialmente para fins sacrificiais, para servirem como bodes expiatórios e ameaçarem todas as pessoas de poderem cair num inferno como esse, caso não colaborem com os poderes do dia.

Reconhecer o diferente como semelhante
não é o que fazem os impérios

O espírito imperial é o primeiro e último recurso das pessoas modernas, face ao poder hierárquico. Usa-se profissionalmente, conforme ensinado nas escolas. Usa-se também em situações de emergência, face a um perigo ou um inimigo (frequentemente inventado pelos dirigentes para serem melhor obedecidos). Usa-se eventualmente em casa ou nos tempos de lazer. O espírito imperial é desmobilizado em situações descontraídas e em segurança, quando se quer partilhar a vida em sociedade ou quando se quer cuidar de alguém ou recomendar a adopção de atitudes correctas perante a vida.

O espírito imperial é muito antigo. A modernidade democratizou-o. Tornou-o instrumento acessível a virtualmente todas as pessoas, incluindo mulheres e trabalhadores libertados dos antigos constrangimentos discriminatórios que lhes impediam o acesso aos poderes públicos. O “Estado sou eu”, de Luís XIV, transformou-se no “Estado somos nós”, reclamado pelos cidadãos.

A vantagem da adopção do espírito imperial é a intensa e eficaz divisão de trabalho que suscita, cabendo a cada um um lugar bem definido e mutuamente articulado. O capitalismo, a industrialização, a organização científica do trabalho, a educação superior das massas de profissionais, potenciaram as vantagens da adopção do espírito imperial. Mas também potenciaram as suas desvantagens: a cegueira perante os erros estratégicos, aquilo a que Marx chamou a anarquia da produção que produz crises de sobreprodução. Cegueira relativamente à existência de estados de espírito, em geral, e do espírito imperial, em particular. Cegueira que se traduz nas limitações impostas à ciência e às ciências sociais, por via das políticas científicas centrípetas. Cegueira com resultados tangíveis, como o aquecimento global motivado pela acção humana estupidamente dissimulado por campanhas de intoxicação mental financiadas pelas elites. Cegueira que tem impedido os movimentos sociais anti-imperialistas de, quando estiveram em condições de o fazer, denunciar o espírito imperial como um perigo para a humanidade.

A outra grande desvantagem da adopção do espírito imperial é a necessidade funcional de hierarquização social tender a produzir elites, cuja existência depende de e promove a criação de lixo humano. Seguir as orientações de alguém em função de liderança resulta bem. Manter elites especialmente protegidas para manterem, como privilégios, posições de liderança, exige, na prática, a produção de três mundos separados entre si: o mundo dos poderosos, organizado em torno do pensamento holista reificado ou ideologias e das delegações e ambições de poder; o mundo do trabalho, organizado em torno do pensamento pragmático reducionista, profissional, especializado, e da submissão às decisões de quem mande; o mundo dos pobres ou mundo do crime, organizado dissimulada e estrategicamente com vista a organizar a produção de bodes expiatórios, como os bobos das cortes ou os inimigos ou os prisioneiros ou os criminosos.

A experiência mostra como os dirigentes que falham os seus compromissos ficam à mercê dos sentimentos negativos dos que os seguiram. O desporto é campo fértil para observar as súbitas chicotadas psicológicas, o sacrifício de alguém em lugar de poder para que tudo possa continuar na mesma, para quem conduz os destinos dos clubes. Na condução dos estados passa-se o mesmo, com a diferença que não é a jogar. A substituição regular das lideranças ameniza as consequências dos sentimentos negativos. Para oferecer às massas a satisfação emocional do sacrifício de bodes expiatórios, não há estado, democrático ou autoritário, que prescinda de manter um grupo de pessoas, geralmente do sexo masculino, que possam ser mobilizadas para dispersar os sentimentos negativos da direcção do topo da pirâmide social. As sociedades modernas produzem activamente uma pirâmide social invertida, organizada de modo a servir de alicerce à pirâmide social apresentável.

As elites aprenderam, por tentativa erro, a criar artificialmente situações de emergência. Desviam as atenções dos seus erros estratégicos, resultantes da separação dos interesses das elites dos do resto da sociedade, usando os mais variados pretextos para identificar inimigos e medos comuns capazes de unir os dirigentes protectores das elites e as sociedades que os seguem. As políticas de instigação do medo, como a guerra ou o crime ou o desemprego ou as avaliações, resultam em síndromes de Estocolmo generalizadas.

Para identificar o espírito imperial e organizar formas de lhe escapar, há que começar por admitir que ele possa ser mais um problema do que uma resposta à satisfação das necessidades pessoais e sociais da humanidade. Há que romper com o vício instigado pelos sistemas escolar, científico e profissional de recorrer ao espírito imperial para resolução de problemas. Há que dar prioridade às pessoas em vez de a dar aos indivíduos. As escolas, como as ciências, devem dar prioridade a ensinar a fazer perguntas em vez de habituar as pessoas a serem parte de soluções pré-fabricadas para servirem as elites.

O sentimento anti-imperial está presente nas sociedades modernas. Porém, é canalizado para alimentar projectos imperiais alternativos, críticos dos regimes vigentes, mas almejando igualmente regimes imperialistas. Historicamente, vimos os liberais ingleses atacar e, depois, conciliar com os aristocratas. Os republicanos franceses atacaram a realeza para realizar um império que se dividiu em estados-nação, organizados segundo normas liberais. Os bolcheviques combateram o imperialismo capitalista a partir do Kremlin, adoptando perspectivas nacionalistas e industrialistas para rivalizar com outros estados. Os movimentos de libertação das colónias lutaram contra os estados colonizadores criando novos estados-nação alinhados com um ou outro dos impérios rivais na Guerra Fria.

O espírito anti-imperial está presente ao nível das rivalidades entre estados e ao nível da denúncia das discriminações sociais manipuladas politicamente para dividir e reinar, que é a principal estratégia imperial. Estados e pessoas discriminadas sentem como evidência a injustiça das hierarquias e do isolamento dos sectores e níveis de realidade entre si, geralmente traduzida como pobreza. A sociedade moderna, economicista, reduz todo o valor a dinheiro. E reduz a pobreza a faltas atribuíveis às vítimas: falta de mérito, falta de iniciativa económica, falta de capacidade de luta e sacrifício, falta de solidariedade com os mais poderosos, falta de educação, etc. A injustiça de acusar as vítimas de serem as causas das situações socialmente discriminadas em que vivem, no alheamento social e político dos direitos humanos, tem sido denunciada por movimentos sociais e ONG´s, a partir dos anos 80. As discriminações contra as mulheres, contra as pessoas de orientação sexual não heterossexual, contra os ciganos e negros, contra os imigrantes, contra as crianças e jovens em risco, contra as pessoas com menos autonomia, contra os idosos que não podem trabalhar, contra a natureza, e muitas outras, não podem ser moralmente justificadas. Resultam da intensificação dos estigmas sociais organizada pelos estrategas das elites. Ao longo dos milénios de experiência transmitida e melhorada de geração e geração, aprenderam a dividir para reinar e, assim, construir impérios.

Infelizmente, a maioria e os mais importantes movimentos sociais e ONG´s seguem as orientações de organização imperialista – hierárquica e divisionista, com censura de referência a panos de fundo e ao lixo humano, em nome da especialização e da concorrência. Mais facilmente se relacionam com os poderes dos estados do que com outras campanhas anti-discriminatórias, alegando tratarem de assuntos diferentes. Também aqui a luta anti-imperialista reproduz o espírito imperial, que é o pano de fundo do programa civilizacional moderno de expansão da fé (de que a Terra nos foi oferecida por Deus para nosso desfrute) e do império (organização da viabilização da extracção de recursos para enriquecer as elites e desqualificar o resto da humanidade, como recursos humanos).            

Quando encarnam o espírito imperial, as pessoas perdem de vista aquilo que espoletou a necessidade de quebrar a rotina, o problema ou a emergência. As elites procuram esconder as suas fraquezas atrás de ideologias. Os profissionais seguem as orientações das elites que, em vez de procurarem as causas dos problemas, as escondem.  O lixo humano é mantido e utilizado, quando necessário, para manter a sociedade unida no rumo decidido pelas avestruzes de cabeça na areia, servidas por quem delas toma conta profissionalmente.

O primeiro passo para sair do beco sem saída em que nos encontramos é reconhecer a existência e a potência do espírito imperial. O segundo passo é reconhecer que a existência e a potência do espírito imperial não caem do céu nem são mérito das elites: são oferecidas pelas pessoas quando admitem reduzir-se sacrificialmente a indivíduos ao serviço de terceiros, vulgo, profissionais, na tropa ou em qualquer outra profissão. O terceiro passo é reconhecer que não se trata de um pesadelo do qual basta acordar. A respeito do espírito imperial, temos de reconhecer a sua capacidade de expansão e de incorporação alargadas nos últimos séculos e sobretudo nas últimas décadas. Somos nós, cada um de nós, os agentes do império, o resultado prático da expansão da Fé e do Império, o lema dos descobridores.

Identificar o círculo vicioso que nos faz amar-odiar o poder das elites e os impérios, e odiar-amar as vítimas socialmente produzidas para sacrificar no altar da acumulação de valor e isolamento da natureza, alienando-nos de nós próprios, reduzidos a indivíduos, não é difícil. Sair do círculo vicioso é difícil, dada a nossa colaboração pessoal e íntima com todos os impérios. Favorecemos a sua existência e acrescentamos-lhe potencia em troca de uma identidade pessoal reconhecida, profissional, individual. É difícil encontrar formas de sobreviver, de ter acesso a recursos de subsistência, fora da organização da exploração da Terra, fora dos campos profissionais, fora da produção alargada da exclusão social.

A grande dificuldade é aceitar reconhecer em cada indivíduo uma pessoa, libertando-a, libertando-nos. Escondidas pelos traumas sociais que as reduzem a indivíduos, as pessoas encontram-se isoladas e sequestradas em sociedades irracionais ao serviço dos impérios. Uma forma de propiciar novas condições para esse reconhecimento é a institucionalização de um rendimento básico incondicional oferecido pelas pessoas a si mesmas. Trata-se de impor democraticamente ao estado o papel instrumental de distribuidor de metade ou mais do rendimento disponível para fins de cuidados, sem discriminações, com uma organização radicalmente transparente e automatizada. Seguras de ter direito a uma vida tão digna, conforme as possibilidades de produção, as pessoas passariam a ter a liberdade de prescindir da opressão dos respectivos indivíduos e a escapar à síndrome de Estocolmo. Passariam também a ser colectivamente responsáveis pelos resultados práticos das actividades sociais, pois só se pode distribuir rendimentos previamente produzidos.

Pessoas disponíveis para se libertarem dos seus indivíduos opressores organizariam campanhas políticas convergentes e vencedoras para criar as condições materiais de libertação de todos e cada um dos seres humanos das suas funcionalidades ao serviço dos impérios que têm em vista a exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos. O que implica que uma maioria seja capaz de entender que uma política benéfica para todos impõe prescindir de todas as discriminações, sobretudo aquelas que são usadas pelos estados e pelos impérios para dividir e reinar, para meter medo e criar emergências que nunca se sabe se são reais ou ficcionais. Esta é a resposta inversa à resposta neo-nazi-fascista, liderada por presidentes como Trump ou Bolsonaro.

Focados em abolir as discriminações sociais e atentos a todos os ímpetos imperiais de as estabelecer, as sociedades teriam de libertar-se dos estados imperialistas, reformar a democracia, a educação e as ciências nesse sentido. O ensino de práticas de cuidados deverá ter um lugar proporcional ao tempo que as pessoas dedicam a tais trabalhos. Nos aspectos científicos, há que ensinar a denunciar a censura das ciências centrípetas, as que dão respostas de autoridade às autoridades, e valorizar as ciências centrífugas, as que protegem e valorizam todos os questionamentos holísticos e práticos de qualquer pessoa.

A impunidade de uns, como alguns dos alvos de denunciantes de corrupção e de violações de direitos humanos, de que se tornaram ícones globais Chelsea Manning, Julian Assange e Edward Snowden, e a severidade das punições contra outros, como estes mesmos denunciantes e todos os que sofrem de torturas e mortes por drones clandestinos, nas ruas, nas prisões secretas ou nas prisões oficiais, a coberto de julgamentos onde o direito é ignorado, é um traço da nossa civilização moderna, sob a forma de Holocausto, de Gulag, de guerra suja ou de guerra de civilizações. As sociedades modernas estão anestesiadas e ficam alienadas dos problemas práticos, delegando nas elites a orientação da acção colectiva. Estas estão mais interessadas em manter o seu estatuto social privilegiado do que em enfrentar o aumento dos riscos ambientais e de vida produzidos pelo sucesso das práticas imperiais, tecnicamente apoiadas no industrialismo e politicamente orientadas pelo capitalismo. A história mostra que não é possível acabar com o capitalismo e reduzir o industrialismo a proporções compatíveis com os interesses de sobrevivência e boa vida dos humanos sem denunciar e encontrar alternativas ao modo de agir e pensar imperialista.

A revolução burguesa prometeu acabar com as guerras e substituí-las por relações de interesses comerciais. Falhou as promessas de acabar com a miséria e os privilégios. A riqueza continua a significar a produção de lixo humano e a destruição do meio ambiente. A revolta contra o imperialismo, disfarçado de globalização, está na ordem do dia, liderada por movimentos autoritários. Em desespero, na falta de soluções políticas capazes de dar esperança de uma vida melhor, as propostas de forçar o retorno ao passado, alegadamente grande, ainda que seja apenas possível à força, com os recursos imperiais do uso indiscriminado da violência, torna-se uma saída emocionalmente satisfatória. Isso prova que a expansão da educação e da racionalidade modernizadora não serve para resolver problemas. Tem servido para os encobrir.

Link para “Que fazer?” (1)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.