Dinheiro não é capital

Resumo: O dinheiro é um meio de troca diferida, mas também serve, quando é protegido da circulação mercantil, para acumular riqueza não patrimonial. A modernidade caracteriza-se por ter inventado o sector financeiro separado dos outros mercados. Sector que cultiva segredos cujas consequências são tão frequentemente desastrosas que a moral é suspensa, epistemicamente proibida. O odioso do dinheiro é a amoralidade a que está associado enquanto capital financeiro acumulado. Odiado é o avarento indiferente às misérias dos devedores e, em geral, de quem não tem dinheiro para sobreviver. Mas o banqueiro também é adorado por alegadamente ser confiável, racional, pacífico, definidor da moral padrão como credor.

Não há nada de natural na construção de mercados. A promoção de mercados só é observada na espécie humana e apenas na última meia dúzia de milénios, tendo por instrumento promessas de pagamento superiormente autorizadas e credíveis. Isso implica o desenvolvimento de ideologias políticas de respeito pelas hierarquias e ideologias técnicas de equivalência entre uma certa quantidade de meios de troca, aquilo que se oferece como mercadoria e outras mercadorias que possam ser adquiridas mais tarde.

Os sistemas de medidas estandardizadas credibilizam as autoridades que supervisionam os mercados. Os resultados das políticas de segredo (dos negócios, dos estados, da justiça) são supervisionados através de estatísticas de que as financeiras são as mais importantes. A regulação do valor político (por países) e técnico (por classes sociais) do crédito e das dívidas é realizada por bancos centrais independentes da política – superiores à política – e irresponsáveis perante as sociedades, mas não perante as bolsas de valores.

Conscientes do poder anti-social do capital – dinheiro apropriado por elites  –, muitas religiões declararam a especulação, o lucro, o juro, a riqueza como pecados. Mas foram mobilizadas e financiadas para admitir e beneficiar tais pecados, ao serviço das elites, sacrificando a isso o resto das sociedades. O acesso ao capital (crédito e dívida) tornou o dinheiro indiferente e irrelevante para as elites, que o podem esbanjar ou não.  

Ouro é um dos valores consagrados

Como ensinou Durkheim, velhos mecanismos psicossociais, como ódio-paixão perante o divino e o valor, seja isso a criação da natureza ou a superioridade hierarquizada entre humanos, são revelados em mitos (de que as teorias económicas são uma versão moderna) e incorporados ritualmente (como a educação, o trabalho, a profissão modernos). A transformação do dinheiro em capital e a expansão e intensificação desse processo tem a sua história mítica – o reconhecimento economicista da verdadeira natureza humana nos mercados – e ritual – a institucionalização política do capitalismo.  

Para escapar aos mitos e rituais economicistas deve-se alargar o âmbito histórico de análise. Por exemplo, considerando as purgas sacrificiais dos judeus e muçulmanos da Península Ibérica. Estas serviram, mítica e ritualmente, para alijar a má-fama dos pecados financeiros dos reis peninsulares junto dos seus pares europeus (D. Manuel I era apelidado de merceeiro) tornando-os, ao menos a seus olhos e da Cúria Romana, os mais cristãos dos soberanos. Os reis ibéricos e a Igreja Católica, escudados pelo autoritarismo religioso das Inquisições, tomaram o lugar financeiro que anteriormente era dos judeus. Como poderiam deixar a condução da missão imperial cristã de explorar a Terra Prometida, todo o planeta, a grupos sociais que professavam outras religiões? E como o fazer sem pecar venalmente?

Os protestantes reclamaram contra a imoralidade das indulgências através das quais Roma perdoava os pecados e partilhava a acumulação primitiva de capital levada a cabo pelas Navegações. Face à impossibilidade de resolução desse conflito moral e político, o cristianismo laicizou-se conforme descrição mítica e clássica de Max Weber. A terceira vaga da missão imperial[i]  passou a representá-la de forma puritana, reduzindo-a a capitalismo amoral, naturalizado (a mão-invisível, mais recentemente o discurso único dos danos colaterais). Na verdade, o catolicismo lançou e nunca deixou de apoiar a missão imperial que no século XIX se veio ideologicamente a reduzir ao capitalismo inglês, quando a Inglaterra tomou o comando principal das operações, nomeadamente por via financeira. A centralidade das finanças na condução da missão imperial, criticada por Fraser e Hudson, acentuou-se quando os EUA assumiram o lugar de comando. Pode estar agora a esgotar-se.

Os economistas surgem no século XVIII, a meio do processo imperial moderno, para combater a persistência dos hábitos rentistas da aristocracia tradicional, que continuou a resistir aos saques dos reis e dos burgueses. Tarefa dos economistas inclui escamotear os aspectos violentos e imperiais do extrativismo, de que a noção de mercado urbano é instrumento.

Violência escamoteada nos processos de transformação da moeda corrente em capital

No imenso espaço empírico ignorado pelo mito da economia focada no mercado estão a sociedade, a política, a geografia, a história e o capital. Capital é o dinheiro que não circula, transformado em propriedade privada, especulativa, produtora de diferenças de poder nos bancos, nos mercados e fora deles. O dinheiro, enquanto capital, amado e odiado, continua a ser Deus se for abençoado, e o Diabo, no aspecto dos pecados que permite cometer impunemente, em segredo.

Karl Marx desencobriu o capital e mostrou o viés cognitivo de que sofre a economia política ao não se referir à fábrica. Fê-lo desenhando o conceito de modo de produção que relacionava as sociedades com o extrativismo (forças produtivas) e com o trabalho humano (relações de produção) em função das tecnologias utilizadas.

Marx usou essa ideia para dar esperanças positivas aos movimentos revolucionários, para criticar a economia e para avançar no caminho entre a filosofia social e a ciência, o que é reconhecido por todas as ciências sociais, sobretudo as suas versões críticas. A incorporação das suas ideias nas ciências modernas hiperespecializadas fez-se de modo economicista e ideológico, concentrando os debates nas relações de produção e perdendo de vista as forças produtivas. Marxismo e economia evoluíram no seio de ciências sociais estanques às ciências naturais e, por isso, não descortinam a liderança da missão imperial e da sua relação inovadora e suicidária com o planeta e a natureza. Assim mal informadas, condicionadas pelo alheamento global e profissional crescente relativamente ao meio ambiente, as sociedades modernas mais bem-educadas revelam-se impotentes para reagir à sucessão de desastres ambientais, financeiros, políticos, sanitários, bélicos do início do século XXI que confluem e se agravam como profecias apocalípticas.

Da educação moderna centrada na naturalização das relações hierárquicas resultam concepções mágicas sobre a equivalência entre aforro e capital ou do capitalismo popular. Havendo meios institucionalizados de aforro, imagina-se que ser pobre resulta da iliteracia financeira. Pobre é quem não sabe poupar, i.e., entregar as suas poupanças a quem as possa tornar capital e multiplicar. O mesmo raciocínio presume que o consumidor descontraído é sinal de riqueza e de honorabilidade. A economia, como dirá qualquer partidário da austeridade, é o respeito pelos deveres hierárquicos entre credores que decidem eventual e discriminatoriamente magnânimos e devedores obrigados pela sorte de não serem reduzidos a escravos.


[i] A primeira vaga de identificação da oportunidade do império global foi conduzida por genoveses e venezianos. A segunda vaga de teste foi levada a cabo pelos reis ibéricos e Países Baixos. A terceira vaga nacionalista foi realizada por França e por Inglaterra. A quarta vaga atlântica resultou das duas Grandes Guerras e a quinta está agora a formar-se.

CONTINUA EM: O espírito imperial subverte a liberdade e atrofia a imaginação

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (26 de Novembro de 2023). Dinheiro não é capital. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvqw


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search