Marxismo e economia não descortinam a missão imperial

Resumo: o século XIX conheceu movimentos abolicionistas que se cruzaram entre si como em nenhum outro. Abolicionismos da escravatura, do clericalismo, do capitalismo e do patriarcalismo criaram um ambiente revolucionário que desaguou no século XX, em duas guerras imperiais que recompuseram economia, estado e sociedade através da hegemonização cultural realizada pela comunicação de massas – escolarização, publicidade, entretenimento, rádio, televisão, internet, política. O século XX conheceu o abolicionismo do colonialismo, mas foi-lhe impossível abolir o extrativismo. O movimento ecologista ficou e continua preso ao economicismo.

No século XXI fala-se de retrocesso civilizacional quando a islamofobia despoletada pelo reforço do belicismo afirmado como resposta ao 11 de Setembro de 2001 veio abrir uma nova frente junto do racismo que se desenvolveu sobre a memória da escravatura de africanos. A nova situação veio pôr em causa o laicismo que parecia ter substituído as lutas religiosas, veio justificar a subversão do estado de direito e a violação de direitos humanos, veio enfraquecer a democracia. Os sucessos das lutas pela libertação das mulheres que caracterizaram o último quartel do século XX são ameaçados pela nova conjuntura. A natureza está a revoltar-se contra a extensão e a intensificação do extrativismo.

Para os marxistas, tudo isto são efeitos secundários da história ter voltado para trás do roteiro previsto, que ia do capitalismo ao socialismo e ao comunismo. A implosão da União Soviética e da rendição do Partido Comunista Chinês ao capitalismo, a frustração institucionalmente assumida da presumida lógica de progresso dos modos de produção que caracterizaria a inteligência humana, não levou a uma reflexão dos limites epistémicos da obra de Marx entre os marxistas. Do ponto de vista do progresso da ciência, o economicismo marxista ou outro é um entrave à compreensão da natureza humana, da política, da sociedade, da cultura e da economia. A hierarquia disciplinar que faz das ciências sociais uma ciência de segunda, tolerada na condição de não se misturar com as ciências naturais, encabeçadas pela economia, a rainha das ciências sociais, que também não se mistura com as outras disciplinas das ciências sociais que lhe seguem o exemplo, cria uma prisão epistémica labiríntica compaginada com os processos de profissionalização dos saberes que caracterizam o neoliberalismo. Disciplinas e profissões estanques entre si sustentam a impotência da cidadania espartilhada em movimentos e ONGs igualmente concorrentes entre si a empregos e subsídios públicos e privados. Impotência a que interdisciplinaridade, a multidisciplinaridade, a interseccionalidade procuram, em vão, dar resposta.

Com as evidências reportadas pela comunicação social dos efeitos das mudanças climáticas fica evidente a falta de inteligência da espécie humana, o desprezo das elites pelos conhecimentos científicos, as características sacrificiais, suicidárias, das sociedades humanas sujeitas a ordens hierárquicas, que os jovens seguidores de Greta Thumberg e a ONU apontam, sem consequências práticas.

Formado pela Revolução dos Cravos, que faz 50 anos em 2024, o marxismo continua a ser para mim uma referência como uma língua materna. O seu desprestígio entre os jovens é um retrocesso. A responsabilidade disso é dos próprios marxistas, claro. O economicismo é um defeito identificado em vida dos criadores do marxismo, mas acabou por se sobrepor aos muitos méritos do trabalho de Marx e Engels. A realização do marxismo, em continuação dos impérios russo e chinês, não fez soar alarmes sobre a eventual sobredeterminação institucional na condução política dessas experiências. A história, porém, já consagrou a sobredeterminação política sobre as instituições económicas: as direcções políticas desses impérios – uma transformada e outra em continuidade – decidiram inverter o determinismo histórico anunciado doutrinariamente por Marx como afirmação da bondade e da inteligência humanas. O capitalismo, e não o comunismo, tem-se revelado o futuro do socialismo. Pode ser mau, estúpido e sujo, mas não mais do que o socialismo real.

No início do século XIX foi abolida a multisecular Inquisição em Portugal, em resultado das lutas anticlericais de emancipação institucional e mental das sociedades modernas das guerras religiosas que deram sentido às vidas e à morte das pessoas na Europa por séculos. Aos ideais liberais e individualistas de que as éticas protestante e republicana foram guias juntaram-se os ideais comunistas.

Na lógica da revolução, para as ideologias, trata-se de recuar à natureza primeira da humanidade e, assim, retomar agora em pureza, em razão, o caminho perverso religioso e aristocrático do Antigo Regime. Para os liberais seria resgatar o heróico empresário, criativo, racional e inteligente, superior aos outros animais, oprimido pelo brutal guerreiro aristocrático. Para os republicanos era libertar os animais políticos de Aristóteles. Para os comunistas era o retorno às comunidades de mútua protecção das pessoas, de que os proletários eram exemplo. Para os reaccionários, os revolucionários contra-revolucionários, o principal problema era as ideologias progressistas: a natureza harmoniosa das sociedades estava estabelecida antes das revoluções e a ela se deveria regressar.

Será a guerra a continuação da política por outros meios (Clausevitz) ou vice-versa (Foucault)?

Todas as ideologias modernas prometiam a paz e a harmonia imaginárias dos mercados, das repúblicas, das comunidades, das hierarquias, respectivamente. Os estados-nação inspirados na Revolução Francesa surgiram para assumir o plano do monopólio da violência representado em Versailles pelo absolutismo do Rei-Sol, em nome da conciliação dos negócios de estado e da política, em nome da aliança entre a burguesia e a aristocracia mutuamente articuladas na missão religiosa definida no século XV, na Península Ibérica, de explorar a Terra além-mar. No século XIX, a Inglaterra mobilizou os movimentos de abolição da escravatura para reforçar a sua superioridade na cena internacional, como sede imperial. Assim se criou a questão social: quem passaria a ser responsável pela sobrevivência dos trabalhadores a partir de agora livres?

Assim se formaram as sociedades modernas, constituídas pela economia dominada pelas sucessivas gerações de burgueses, pela política dominada pelos herdeiros das aristocracias e pela sociedade integradora das nações mutuamente isoladas entre si. Com a abolição da escravatura, as economias-estados imperiais ocidentais passaram a ser politicamente responsáveis pela sobrevivência dos trabalhadores, para o que precisaram de organizar formas de controlo social compatíveis com a exploração das sociedades protegidas: as prisões e as fábricas, mas também as escolas, os escritórios e outras instituições fechadas. Com a I Grande Guerra, Deus universalizante foi substituído pelo nacionalismo que passou a controlar as diferentes liberdades de mobilidade entre as diferentes classes sociais.

Adam Smith, por exemplo, separou vincadamente o campo moral, dominado pelos velhos preceitos religiosos que proibiam a especulação e o lucro, do campo da economia política cuja vantagem seria o respeito individual e pacífico entre estranhos através dos interesses comuns de manutenção dos mercados, independentemente das respectivas nacionalidades, convicções religiosas ou políticas. Ignorou o império, onde a violência e os mercados eram sinónimos, base material de poder do absolutismo que inaugurou o estatismo. Essa ignorância moralizante não foi inocente.  Prolongou os deveres de fidelidade medievais agora ao serviço das burguesias nacionais (a célebre “mão invisível”): a economia sem moral e moralizante tornou-se uma disciplina obrigatória para os candidatos a servir burgueses e os herdeiros dos aristocratas, nas empresas e no estado. Esse treino intelectual e profissional prévio assegura os segredos profissionais que suportam os segredos dos negócios e os segredos de estado, mesmo quando, sobretudo quando as práticas empresariais e soberanas são contra as sociedades e à margem da lei. As sociedades modernas são treinadas por poderosos instrumentos educativos e de propaganda para não reagir às imoralidades, e assim procedem geralmente.

Imagem de colaborador de mérito a trabalhar no século XXI

Ainda hoje, no século XXI, os economistas não falam da violência das fábricas e dos mercados, afirmando, quando é caso disso, a convicção de o trabalho e o comércio a que por vezes juntam o adjectivo livre – para excluir a violência – serem as fórmulas para evitar a guerra. Para ser possível manter um tal desfasamento entre a experiência e a teoria económica há toda uma série de disciplinas das ciências sociais que substituem a economia, quando esta é manifestamente incongruente com a realidade. A psicologia trata dos desvios individuais à resignação geral, nomeadamente às vítimas da imoralidade generalizada que podem pagar consultas e tratamentos. A sociologia trata de estudar estratégias de integração social dos excluídos nas sociedades modernas, identificando como estrutura social a impotência de cumprir a missão profissionalmente atribuída. As relações internacionais tratam da violência entre estados, como se não houvesse violência dos estados contra as populações civis. A criminologia trata de justificar a violência contra as massas individualizadas, como forma de as punir e intimidar para evitar a violência que o estado quer controlar.

Karl Marx é um dos economistas políticos mais famosos e influentes. Viveu no século XIX. Oriundo de um país atrasado, a Alemanha, viveu em França e em Inglaterra onde aprendeu o socialismo e a economia política, respectivamente. Acompanhou a esperança de a filosofia social, em particular a de Hegel, poder vir a ser colocada de pés no chão de modo a poder prosseguir, como ciência social, ciência proletária no seu léxico.

Na Alemanha, dedicou-se a estudar filosofia, uma disciplina que as orgulhosas burguesias alemãs usaram para se superiorizarem intelectualmente aos aristocratas belicistas dominantes e à fé hierárquica romana que os organizava. Mais tarde, Marx encontrou na economia política utilizada na Inglaterra para organizar o seu império em ascensão a forma empírica de criticar a crítica burguesa da filosofia alemã, na perspectiva de valorizar os movimentos populares (não os aristocráticos) que co-produziram o socialismo francês.

Henri Denis escreveu Marx como um genial economista que, porém, se deixou corromper pela ideologia. Marx terá falhado como economista por ter violado as regras fundadoras da disciplina económica, a imoralidade moralista. Denis coloca-se na posição do economista fechado na sua disciplina e satisfeito com o seu papel autolimitado, nomeadamente de guardião das ideologias que mantêm as ciências sociais e universidades actuais ancoradas ao profissionalismo, à hiperespecialização, resistindo ao movimento de transformação das filosofias sociais, liberais e comunistas ou noutras, em ciências. Denis e os guardiões da disciplina económica nada têm a opor à especialização da economia em economias nacionais, em economia industrial, em economia do desenvolvimento, em economia local, ou outras. O que não podem aceitar é envolver a economia com as violências, como as lutas de classe, com os policiamentos ou as guerras.

Anthony Giddens, nos anos de 1980, na época do capitalismo avançado que se estende até hoje, propôs passar a considerar os conflitos sociais, incluindo a violência, no centro da análise social. Apesar da sua influência nas ciências sociais, esse seu projecto nunca teve sequência. Em 2010, um quarto de século depois, o congresso de sociologia da AIS sob presidência de Michel Wiewiorka, listou a violência como assunto subdesenvolvido pela profissão. Como explicou detalhadamente Albert O. Hirschman, na sua luta para a supremacia política, a burguesia culpabilizou a aristocracia e o estado pela violência, encobrindo as suas responsabilidades, como hoje continua a fazer com a ajuda do economicismo.

Nem a economia, nem a sociologia, tomam atenção às lutas de classe. É preciso a constante chamada de atenção dos marxistas para que o assunto se mantenha vivo, embora apenas na margem crítica das ciências sociais e num registo conspirativo que atribui toda a maldade do mundo à burguesia.

Busca de meios de sobrevivência em lixeira

O papel ideológico das ciências sociais não é só, nem principalmente, o de evitar discutir criticamente o capitalismo e de o promover, como aponta a teoria crítica. O principal papel das ciências sociais profissionalizadas é o de omitir a existência de um violentíssimo e irracional projecto imperial ocidental que se desenvolve há mais de meio milénio com sucesso.

Isso é realizado através da desqualificação nacionalista do período da acumulação primitiva, que funciona como transição da tradição selvagem para o capitalismo racional, sob o império sediado em Londres, cuja língua substituiu a hegemonia do latim no campo científico. Ciências sociais desorientadas pelo sinal de Lenin quando escreveu que o imperialismo é o cúmulo do capitalismo, referindo-se à importância crescente do capitalismo financeiro entre guerras, mas ignorando a história milenar do império. Economicistas e cientistas sociais ignoram a conhecida e evidente multimilenar tradição imperial de organização de elites. Descrevem acriticamente o império, encobrindo-o, como uma invenção da pós-modernidade, do pós-industrialismo, dos EUA, sucessor de Londres à frente do império moderno.

Com a implosão da União Soviética e a introdução do capitalismo na China organizada pelo Partido Comunista, a nova disputa imperial em curso no século XXI já não pode ser descrita pelos marxistas como a luta entre o passado e o futuro. A questão do império pós-globalização tornou-se ideologicamente controversa, dividindo as esquerdas como as direitas, mas continua a não ser discutida conceptualmente. É discutida de forma conspirativa, na tradição da “mão invisível”.

Autores economicistas, como Hudson e Harvey, desesperançados, defendem a esperança contrafactual de o determinismo económico continuar a funcionar, mesmo depois da implosão da União Soviética. Segundo eles, a alegação imperial (na sua versão chinesa) de o socialismo poder vir a realizar-se na China, em 2050, quando já não estivermos vivos, é a esperança possível. Esperança que desacredita as capacidades de análise da economia que estes autores protagonizam com destaque e brilho.

A compreensão da impotência colectiva para enfrentar os desafios ambientais e começar a preparar o Antropoceno é impossibilitada ou pelo menos dificultada pelo encobrimento e pela naturalização do capitalismo e das violências de estado associadas. Ameaçadas com o colapso da economia capitalista se não se continuar a explorar cada vez mais intensamente a Terra, as pessoas, as classes, as sociedades, aceitam sem reacção as perspectivas apocalípticas desenhadas por cientistas e observáveis directamente em todo o mundo, desde já. Ao discurso único do “não há alternativa” às liberdades empresariais globalmente organizadas à margem dos estados junta-se a esperança desesperançada de acreditar no socialismo de estado, agora chinês, incluindo o controlo automático das massas representado pelo sistema de crédito social que acresce à intervenção capilar do Partido na vida quotidiana. Entretanto, como nota a ONU, a competição económica para saber quem fica mais poderoso por ser mais capaz de explorar as riquezas da Terra e dos recursos humanos concretiza a missão imperial que está a destruir as condições excepcionais de habitabilidade do planeta para os humanos no Holoceno.

CONTINUA: Dinheiro não é capital

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (23 de Novembro de 2023). Marxismo e economia não descortinam a missão imperial. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvqv


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search