Universalismo vs particularismo? Velhas vs novas esquerdas?

Breves comentários sobre o debate que opôs Vivek Chibber a Dipesh Chakrabarty, com base nos textos em referência, no fim.

A. O elefante na sala não é o capitalismo, como pensa Chibber, mas a natureza humana. A discussão é sobre a que distância zoom as formigas, que nós somos, melhor podemos observar o elefante: tomando do elefante aquilo que sabemos ser universal em todos os elefantes ou descobrindo e respeitando a individualidade de cada elefante.

A minha nota vai no sentido de pensar que o capitalismo também é uma particularidade da história humana e a cultura, enquanto necessidade de as sociedades humanas se munirem de culturas, também é universal. Isto é, mais do que contradição entre o universalismo ou a particularidade do capitalismo ou da cultura, há que compreender como são afinal dois aspectos da mesma realidade: são duas camadas da mesma sandes, a história humana enquanto evolução da espécie no quadro da história natural.

A natureza humana é teoricamente tão fixa quanto a natureza: é fixa enquanto dura. Nisso é como o amor ou a paixão, mas noutra escala. A natureza do trabalho capitalista é fixa enquanto e onde haja capitalismo. Noutros lugares e épocas, o trabalho capitalista tem dificuldade em ser compreendido e praticado.

A artificialidade da discussão que opõe teorias universalistas e particularistas decorre da provocação ideológica Iluminista e Humanista, hegemónica, de separar a humanidade da natureza e as sociedades dos indivíduos ou recursos humanos. Será que o modernismo resiste a uma ideologia holista? A história o dirá.

B. É certo que há que enfrentar a derrota das grandes narrativas. Igualmente certo é a necessidade de enfrentar a derrota das novas esquerdas: a derrota da substituição leninista da abolição do estado pelo desenvolvimento capitalista, como etapa para o comunismo. A derrota da ideia de que a desburocratização da vida traria automaticamente mais liberdade e que a liberdade seria o resultado espontâneo da modernização.

C. Onde essas derrotas – que são a mesma derrota dos trabalhadores – são para mim mais evidentes são no meu trabalho: a profissionalização das ciências, iniciada nos anos 30 nos EUA, conduzida por políticas científicas utilitárias, condicionaram a liberdade dos trabalhadores intelectuais – agora todos ao serviço do estado ou de empresas privadas – no seio de instituições controladas por regimes de financiamento e de avaliação que produziram a estanquicidade entre as ciências sociais e as ciências naturais, entre as disciplinas e subdisciplinas, enredando a inter e transdisciplinaridade, a interseccionalidade, em equívocos muito bem organizados por lutas de poder concorrenciais intelectualmente estéreis, ancoradas em escolas e práticas de ensino apartadas dos outros espaços de sociabilidade igualmente segmentados e seguros (para o capital) face a interferências holistas. O individualismo é o símbolo do sucesso dessa política imperial que usa o capitalismo e a ciência para se embebedar com riqueza nunca vista, delapidando a natureza, incluindo os seus recursos humanos, manipulando a natureza humana para a adaptar ao serviço do trabalho útil para o capital, sob o controlo imperial.

Dipesh Chakrabarty. (2000). Universalism and Belonging in the Logic of Capital. Public Culture, 12(3), 653–678.

 Vivek Chibber. (2014). Capitalism, Class and Universalism: Escaping the Cul-De-Sac of Postcolonial Theory. Socialist Register, 63–79. https://as.nyu.edu/content/dam/nyu-as/faculty/documents/Capitalism_Class_and_Universalism.pdf


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.