Espírito do capitalismo e a missão imperial a que obedece

Resumo: No pós-guerra, Boltansky e Chiapello descobriram as universidades, sobretudo através dos cursos de economia, a produzir, promover e divulgar o espírito do capitalismo junto de uma classe que Poulantzas nomeou nova pequena-burguesia: os administradores que deixaram aos capitalistas apenas a função de investimento. Habermas descreveu como o direito burguês foi sendo elaborado nos últimos quatrocentos anos pelos estados e se intrometeu cada vez mais profundamente na modernização das sociedades. As limitações das ciências sociais não deixam claro qual seja a dinâmica civilizacional que justifica e sustenta tais desenvolvimentos, uns recentes e outros mais antigos: a mobilização imperial em torno da missão de explorar a Terra.  

Mas Weber ficou famoso pela polémica que desenvolveu com Karl Marx. Em reacção ao facto económico de o salário ser, em média, de valor equivalente ao valor da sobrevivência – o que significa que muitos trabalhadores viviam (e vivem) em condições materiais abaixo do limiar da subsistência e os que vivem acima desse limiar sofrem pressões para baixar os salários – Marx esperava que o proletariado adoptasse o espírito revolucionário, que se materializa em revoltas, greves, revoluções.

Max Weber alegou que o espírito revolucionário não era motivo de esperança, mas antes de distracção. O espírito revolucionário era uma reminiscência do passado que já provou não ser efectiva, na prática. Como nos tempos medievais, as revoltas populares eram apenas formas de exercício de violência expressiva civilizacionalmente inconsequente. Em vez de enviar advogados a tribunais que não os recebiam, as massas faziam barulho para obrigar alguém com poder a fazer alguma coisa. Assim continuam a fazer os proletários, inconsequentemente, pensava Weber, como antes tinha pensado Tocqueville.

Para Weber, os trabalhadores não viviam todos acima dos níveis de sobrevivência porque não tinham iniciativa para isso. Dependiam de quem, mais virtuoso, adoptasse o espírito do capitalismo. Estado de espírito que descreveu no seu livro mais conhecido: “A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo”. Se alguém conseguia ser rico, justificava isso como uma graça concedida por Deus que confirmava e tacitamente autorizava a moralidade da missão em que o investidor apostou por iniciativa pessoal, em segredo e sem escrutínio público. Os mistérios da fé tinham sido traduzidos, pelos capitalistas, em segredos dos negócios protegidos pelos direitos de propriedade privada. Esta justificação auto-referenciada terá unido a classe dos capitalistas e dominado as sociedades modernas assim obrigadas a aceitar as inovações e transformações tecnológicas, económicas, políticas e sociais de interesse do capitalismo.

Os factores característicos da modernidade e do capitalismo novecentista, para Max Weber, seriam o mercado e a ideologia e não a produção e a tecnologia, como proferia Marx. O motor da história seria a racionalização e não as lutas de classes, a criatividade e não a violência.

No tempo das Navegações

Que aspecto teriam as ideologias da modernidade se tivessem sido pensadas na Península Ibérica, no tempo das Navegações, tendo presente o lema da expansão da Fé e do Império, bem antes da disputa política e conceptual entre os espíritos revolucionário e capitalista? Tempo em que o Espírito Santo, parceiro da trindade com Deus Pai e Cristo, podia ser chamado espírito imperial, protecção moral para os marinheiros e colonos que se confrontavam com as tarefas de exploração do desconhecido.

Tomar consciência da missão imperial

O conceito moderno de capitalismo, como sistema económico de aspiração totalitária e global, como o conceito de propriedade, decorre da forma como a Inglaterra se tornou sede do império ocidental, substituindo o trabalho escravo usado pelas potencias anteriormente dominantes por trabalho assalariado. Império é um conceito desvirtuado pelo viés economicista e nacionalista, limitadamente materialista, de que as ciências sociais também são promotoras.

No limite, as análises do capitalismo foram reduzidas aos estudos estatísticos que comparam empresas e estados entre si. As análises sobre os impérios que existem em pano de fundo desde muito antes da hegemonia inglesa se ter afirmado são reduzidas ao estudo das relações  entre estados criados para servir os impérios (as Relações Internacionais são mais uma disciplina isolada entre as outras das ciências sociais centrípetas, cegas aos panos de fundo).

A expressão império é usada para reclamar privilégios, por um lado, e, por outro lado, como arma de arremesso ideológica contra os inimigos. Instrumento de amor-ódio, o conceito é reduzido e enviesado ora pelas paixões nacionalistas ora pelo economicismo. Por exemplo, na influente versão de Lenine, imperialismo seria o estado supremo do capitalismo, um supercapitalismo surgido no final do século XIX, ainda que, historicamente e de facto, o capitalismo seja um recente instrumento que os impérios usam, sejam eles impérios democráticos, autocráticos, ocidentais ou orientais.

A vida como sacrificio

O conceito economicista de império é de tal maneira ilusivo que torna praticamente inaceitável e incompreensível a cumplicidade, porém real e persistente, das massas com políticas imperiais contra os interesses das próprias massas. A ideia de trabalhador-consumidor racional avançada pela teoria da acção racional é ideologicamente dominante, embora empiricamente anedótica. A teoria sacrificial fica ideologicamente reservada para sociedades tradicionais, embora também seja apropriada para descrever o que faz a generalidade dos trabalhadores modernos enquanto esperam pela idade da reforma, quando vão para o trabalho contrariados e se sentem privilegiados se têm condições de sobrevivência, enquanto outros não as têm.

A ideia de a civilização unificar verticalmente as mentes humanas em torno do empenho individual e colectivo na missão imperial de explorar a Terra, proposta com sucesso pelos promotores das Navegações e para a expansão da Fé e do Império, até hoje, deveria ser discutida.

Os estados-de-espírito não são um conceito religioso ou ideológico ou sectário ou idealista. São um exemplo de ciência centrífuga que intenta escapar ao cerco centrípeto a que as ciências estão sujeitas. Misturando abordagens biológicas e sociológicas, como fez por exemplo George H. Mead, oferece a oportunidade de pensar o que seja o espírito imperial, um entre outros, como o espírito do capitalismo, o espírito revolucionário, o espírito de solidariedade, o espírito profissional, etc.

A especificidade da espécie humana não é a sua inteligência, como se costuma dizer de modo congratulatório. Perante o Antropoceno, dificilmente essa ideia pode subsistir. Segundo Corballis, aquilo que distingue a espécie humana das outras espécies é a recursividade da sua mente: a capacidade-necessidade de, para se orientarem, os humanos desenvolverem modos de compor identidades mutáveis, instáveis, mas suficientemente fixas para suportarem espectativas capazes de orientarem social e superiormente as suas acções. A recursividade, naturalmente, não é apenas individual. Ela é também social. Portanto, as pessoas têm e precisam de usar as suas capacidades de se identificarem e de hostilizarem identidades sociais socialmente partilhadas, igualmente em transformação, mas reconhecíveis, como as identidades estritamente pessoais.

O espírito imperial é um dos muitos resultados práticos sociais fixados e em transformação da recursividade da mente humana, que faz parte do nosso corpo ainda que de uma forma imaterial, i.e., de um modo que não pode ser apresentado como sistema fechado aos nossos sentidos. Como os outros estados de espírito existentes na biblioteca social da humanidade, uma vez criado pode ser adoptado para satisfazer a necessidade de orientação da vida, pode ser ignorado ou pode tornar-se repugnante. Porém, não há vida humana sem a mobilização instável de estados de espírito encarnados (disposições incorporadas no dizer de Bourdieu) para orientar a existência e a presença das pessoas em cada momento, de modo adaptado às situações, às identidades e às espectativas. As escolhas individuais e sociais podem e são institucional e ideologicamente educadas e condicionadas.

Adoração e repugnância perante as elites

O regime dominante de adoração-repugnância de estados-de-espírito é apresentado como exemplar, próprio das elites e dos seus intelectuais. O espírito imperial é um regime sacrificial que verga e limita as interpretações sociais e pessoais dos outros estados de espírito menos importantes. Os interesses capitalistas, por exemplo, vergam-se perante as guerras comerciais, as políticas de imigração e de sansões decididas pelos estados mais poderosos, de que dependem. As economias de guerra e os estados que as organizam continuam a ser prioritárias. Mesmo os capitalistas mais influentes sujeitam-se a isso, evidentemente.

Há diferentes tipos de identidades sociais imperialmente imaginadas de forma hierárquica, sendo que as mais elevadas podem ter mais esperanças de escapar às respectivas obrigações sacrificiais do que as que se imaginam e estão de facto mais abaixo, mais distantes dos centros de poder. São os centros de poder que decidem que sacrifícios são precisos para manter a missão imperial: de há meio milénio para cá, explorar a Terra. São esses centros que decidem mobilizar para a guerra e para o trabalho, cobrar impostos, distribuir rendimentos, quem pertence a que estatuto social, etc.

O regime sacrificial império promove a adoração-repugnância das respectivas identidades sacrificiais tipo, de modo a dividir para reinar. Fá-lo estigmatizando as discriminações entre sexos, entre práticas sexuais, entre classes, entre grupos etnicizados, entre nacionalidades, entre cidades, entre diferentes tipos de trabalhadores, entre religiões, entre ideologias, dispersando assim contra potenciais entidades sacrificadas o ódio que a existência dos impérios gera nas pessoas.

Incorporadas nas identidades de cada um, esses estigmas socialmente promovidos por instituições várias funcionam em defesa, ou não, da organização da missão imperial. Na prática, mostra-o a história, quando não são derrotados, os impérios podem derrotar-se a si mesmos, engasgados nas suas contradições, acabando por deixar de ter capacidade de reprodução das identidades alienadas da maioria das pessoas.

CONTINUA: Liberdade, Igualdade, Fraternidade

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia

Outros textos sobre ciências centrípetas:

Incorporar e difundir humanidade – estados de espírito, civilização e ciências centrípetas

Libertação das ciências centrípetas

Outros posts relacionados:

Libertação das ciências centrípetas

A natureza humana e as gerações

Mudanças sociais – razão, identidades e desejos, diferenciação social e bodes expiatórios

Sociedade e sacrifício

A sexualidade do império e os abusos de poder

O império destrói o ambiente por ser da sua natureza ser abusador

Natureza humana, justiça, civilização e instituições

Por uma sociologia dos estados-de-espírito


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (3 de Novembro de 2023). Espírito do capitalismo e a missão imperial a que obedece. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvqq


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search