Do método das ciências sociais

English version

As teorias sociais têm sido incapazes de abordar os fenómenos imperiais (macro) e os fenómenos de protecção e sacrifício (micro) em mútua relação. Não têm conseguido ultrapassar os mecanismos imperiais e sacrificiais de encobrimento. São, portanto, coadjuvantes dos mecanismos de encobrimento e dos interesses imperiais que os constroem. Fazem-no de modo profissional, isto é, desenvolvendo competências racionais realistas, insensíveis às vidas derrotadas desde nascença e atentas às necessidades práticas dos empregadores, financiadores, os que cumprem papeis hierárquicos superior no modelo de organização imperial.

A discussão central em curso nas ciências sociais é saber como melhor posicionar-se relativamente aos financiadores: ao lado ou contra os interesses dominantes em exercício. Em qualquer dos casos, descuram a devida atenção à importância dos cuidados na produção de identidades sociais. A reprodução humana, a gestação e a criação de crianças é assunto praticamente ignorado das ciências sociais, embora tal seja reconhecidamente decisivo para a estruturação social e para os destinos individuais. Quando o assunto é tratado, é-o como uma especialidade, como a psicanálise ou ciências educativas, por sua vez centradas nos desempenhos dos adultos em devir ou nas instituições e nos profissionais cuidadores de crianças.

A produção de identidades das pessoas é um aspecto fundamental da nossa existência, pessoal e social, sem a qual não se sobrevive. A sobrevivência e a qualidade de vida de cada um – e das sociedades – depende da qualidade da identidade que é produzida na época em que somos crianças, quando temos pouca capacidade reflexiva e grande dependência daquilo que nos seja transmitido, primeiro entre os cuidadores, depois entre os cuidadores-amigos ou colegas ou conjugues ou filhos, etc.

Cuidar é estrutural e identifica

O estado é uma forma de o império se intrometer na produção de cuidados e identidades das pessoas. Fá-lo através da construção de modelos-ideais de famílias, de creches, de escolas, de asilos e de outras instituições e políticas dirigidas à infância e juventude. A redução do império ao estado-nação é uma das formas modernas de alienação cognitiva e emocional dos mecanismos de construção identitária em larga escala, enquadrada pelos estados. O nacionalismo, o dinheiro, o direito criminal, a escolarização, a profissionalização, o emprego, são algumas das formas de manipulação das construções identitárias desenvolvidas pelos estados-nação, em íntima ligação com os cuidados. Níveis de cuidados diferenciados segundo o estatuto social de cada um, que assim reproduz os estatutos de geração em geração, adaptando-os à evolução das sociedades. Sobretudo, isolando dentro de fronteiras as percepções e as discussões sobre o funcionamento dos mecanismos imperiais de misoginia, elitismo e dissimulação. O estado-nação tem por principal função de dominação ameaçar de morte seja quem for que ponha em causa a sua soberania, inimigo externo e interno. Tal como a respeito da identidade do Rei, no tempo do Antigo Regime, o estado republicano toma como seu dever principal defender a honra das suas classes dirigentes com armas na mão, tendo isso o efeito de bloquear, censurar, criminalizar qualquer discussão sobre a cumplicidade ao mesmo tempo evidente e indizível entre as classes dominantes mundiais, sobretudo na era da globalização.

A teorização financiada e orientada pelos estados nação colecciona dados sincrónicos produzidos por aparelhos estatísticos nacionais, eventualmente comparados entre si a nível internacional, de modo a que todas as perguntas sugeridas sejam saber qual é o ranking de cada país a respeito dos mais diversos assuntos. As principais instituições são responsabilizadas pelo respectivo desempenho comparado, sendo as médias usadas para padrão ideal.

A análise social zoom out e zoom in (ou vice-versa) é uma metodologia inspirada na crítica das teorias sociais nacionalistas, tendo por horizonte a situação da humanidade. Interessa-se pelo poder, com certeza, mas não de uma forma exclusiva. Esforça-se por romper com a censura vigente que desqualifica as dimensões dos cuidados e das identidades mutuamente associadas ao poder de dissimulação, hierarquização e discriminação das instituições, incluindo das ciências sociais. Como não poderia deixar de ser, estando as ciências sociais integradas na sociedade e em instituições do estado e privadas, seria irrealista esperar que os padrões dominantes das ciências sociais fossem estranhos e exteriores ao que se passa. Todavia, a ciência, a razão, a clarividência, a inteligência, a própria moral, reclama dos profissionais, incluindo nós próprios, experimentar caminhos novos, mais humanos.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.