Economia moral dos impérios

Resumo: para a construção de sociedades modernas, violentas, discriminatórias e hierárquicas, as elites contam com a cumplicidade de massas alienadas em sofrimento material e ético. Primeiro escravizadas, depois assalariadas e profissionalizadas. As tradições imperiais elaboradas no quadro da missão moderna de explorar a Terra aprofundaram e intensificaram estratégias de dividir para reinar. A economia, disciplina e sistema, e as ciências sociais são resultado e reforço disso.

Adam Smith escreveu Teoria dos Sentimentos Morais, antes da Riqueza das Nações. Contrastou a simpatia/empatia moral, quotidiana e sem finalidade pré-estabelecida, sobre que discorreu no primeiro livro, com os interesses económicos que unificam em competição as nações, centrais no segundo livro. Ao fundar a ciência económica, Smith separou a moral da economia, as humanidades da ciência, e evitou referir-se ao império em que a Grã-Bretanha e os seus amigos próximos estavam empenhados. Os economistas e os cientistas sociais seguiram-no nisso.

A admiração-repugnância moral das massas pela civilização, também sentida e sofrida pela política e pelos políticos (e pelos empresários) quando disputam os respectivos interesses, resulta dos processos socialmente organizados de dividir para reinar. Dividir homens e mulheres, classes sociais, povos, sistemas institucionais entre si, como a política da economia e da sociedade, para mobilizar à força e sobretudo pelas convicções inculcadas as pessoas, uma a uma, para a missão imperial e civilizadora. Reinar atraindo e fixando as limitadas atenções humanas alegadamente em função do mérito individual e, de facto, em função da dissimulação da imoralidade fundamental da missão imperial auto-atribuída por elites bem-sucedidas para a civilização.

A cada pessoa caberá saber o máximo sobre o lugar social-profissional que ocupa no concerto da sociedade e da civilização que deve servir, sem saber nem poder indagar para quê. Isso cabe aos seus superiores, aos responsáveis. Sabe apenas que os fins da civilização, do nosso modo de vida, justificam os meios, i.e., os sacrifícios de vidas, da vida de cada qual, a pretexto da sobrevivência já não no seio da natureza, mas no seio da civilização separada da natureza, para melhor a explorar.

Moralmente, os fins (programas políticos e os interesses económicos) não devem justificar os meios (securitários ou democráticos). Mas o que se passa com a civilização ocidental, seguindo a velha tradição imperial, é a confluência entre as decisões políticas, militares e económicas nas costas das sociedades.

Os segredos do D. Henrique sobre as rotas marítimas e sobre o destino do seu irmão, D. Fernando, morto no cativeiro em sacrifício

Não são os protagonistas políticos ou económicos (industriais ou financeiros) quem impõe que os fins justifiquem os meios. São a civilização, o império, a missão imperial, incluindo as sociedades ansiosas de modernização, que consensualizam, alegando mérito, quem deve sujeitar-se: todos. Isso inclui os privilegiados, os que devem cumprir as tarefas das elites – quem, lidando com sociopatias, deve concentrar a acumulação da riqueza e decidir ou apoiar a necropolítica, a guerra e a repressão, independentemente das consequências.

A (ir)responsabilidade individual para com a civilização é generalizada. É reduzida ao cumprimento das micro missões desenhadas hierarquicamente, em abstracto, racionalmente, de forma centrípeta. A responsabilidade autojustifica-se dizendo que é racional desresponsabilizar os responsáveis pelos efeitos colaterais do seu trabalho. As empresas externalizam os lixos e os estados impõem as guerras que fustigam as sociedades. Fazem-no no meio da socialmente elaborada ignorância sobre a missão geral, que é reduzida a nacionalismos, fidelidades empresariais ou ideológicas. O motivo final da divisão de trabalho, a exploração destrutiva e suicidária da Terra como missão imperial, religiosa, é omitida das consciências, mesmo quando é evidente.

O passado e o futuro são motivos de disputas históricas e ideológicas exotéricas organizadas por especialistas em condicionar mentalmente a acção social, em particular omitindo a missão imperial em curso. Resulta dessas disputas a admiração dos impérios históricos, o medo dos impérios presentes e o ódio dos impérios futuros, separados de referências à missão imperial actual. Portanto, somos filhos de impérios que produziram as culturas que temos, servimos os impérios presentes que herdámos e contra os quais esbarram os seus detractores.

Ser dissidente significa entrar em processo de recuperação de identidade imperial por via da reinserção social, no caso dos pobres, ou por via da cooptação dos oposicionistas – a prisão ou a luta política. Face aos organizadores de novos impérios que ponham em causa o status quo, manifestamos os mesmos ódios e esperanças dirigidos de um modo diferente do que ao império vigente. Educaram-nos para sermos incapazes de imaginar um mundo em que os impérios deixem de nos intimidar.  

A imoralidade fundamental da civilização ocidental, entretanto globalizada, é tratar a Terra como inimiga. Isso é comparável a odiar (e, portanto, trair) a mãe e a sociedade. Isso não tem nada de racional ou científico. É uma escolha cultural que desenvolve uma torção emocional nas pessoas, em especial quem esteja encarregue de ser responsável, isto é, amoralmente representante dos propósitos da civilização no seu posto.

Essa relação perversa e suicidária com a Terra e, portanto, com a sociedade, é hoje clara para todos, dada a reacção da natureza às actividades humanas na Terra. Mas nem por isso os sentimentos de simpatia e empatia com a vida na Terra vingam. Entre os riscos de destruição do meio ambiente que acolhe a humanidade e a economia, as pessoas civilizadas insistentemente têm escolhido a economia. Economia amoral e dissimulando o império, como sugeriu Adam Smith.

Dividir para reinar

O que continua a não ser claro são as causas dessa perversidade auto-flagelatória da humanidade, logo agora quando as condições de proximidade entre todos pareciam estar criadas pela globalização.

Todavia, não há nada de misterioso nessas causas. É resultado do uso antigo da filosofia para manipular o amor/admiração-ódio/repugnância típico das relações sociais para encobrir o fenómeno império. Faz alguns (poucos) milhares de anos, todo o poder sobrequotidiano foi sendo montado em cima de filosofias destiladas das práticas de solidariedade. O espírito imperial foi fixado culturalmente e legitima as práticas de soberania não como uma patologia marginal, mas como o modo central de organizar a vida social. Os que violam tabus e regras sociais para cumprir desideratos imperiais elaboraram-se em visionários socialmente prestigiados e privilegiados que oferecem às sociedades orientações fortes, detalhadas e persistentes para a vida de cada um, como como manter famílias e preparar a morte.

O espírito imperial funcionou primeiro apenas para os imperadores, suas famílias e respectivos séquitos. Mais tarde, sobretudo a partir do século XIX, o espírito imperial, sob as formas de espírito do capitalismo, espírito revolucionário, espírito desportivo, espírito nacional, espírito científico, espírito profissional, e outros, passou a ser difundido por toda a gente, através da escolaridade obrigatória, e em toda a Terra, na perspectiva da construção da humanidade cristã, unificada.

Quando nascemos, já a política estava separada do quotidiano. Não foi um processo moderno. A administração das cidades e dos impérios foi-se paulatinamente fixando cada vez mais distante das pessoas comuns, a par da grande diversidade de modos de administrar em proximidade as relações quotidianas.

Há quem diga: todos diferentes (no quotidiano), todos iguais (perante os estados)! É uma reivindicação de humanização das relações sociais de facto e na prática discriminatórias. O problema é que a humanização, a construção de uma humanidade una, tem sido realizada discriminatoriamente pela modernização. Nomeadamente, a guerra da modernidade contra a tradição é a guerra das imoralidades imperiais contra as moralidades animistas, da moral doutrinária contra a moral discutida no quotidiano, do direito para dobrar os costumes. Guerra travada por conservadores (do poder das elites) e por progressistas (que esperam poder distribuir por todos os benefícios do crescimento infinito) que disputam o poder entre si. Ao encobrirem no estrondo das refregas a imoralidade da missão imperial, ao aceitarem a divisão estanque entre os raros que decidem e os que seguem instruções, reforçam a impotência social para nos libertarmos da missão imperial suicidária.

Temas como a nação e o capitalismo são conceitos que atraem as atenções das sociedades modernas e fixam nos políticos e nos patrões o ónus de amor-ódio decorrente do mal-estar de cada um. Como diz de pais para filhos, “lá fora, no mundo da política e do trabalho é a selva”! Como passa de geração em geração, a natureza é reconfortante e está (imaginariamente) ao abrigo da modernização: é verde. Ser chefe ou político, ser responsável em geral, significa suspender a boa ou má moral com que nos organizamos no quotidiano e adoptar em sociedade a racionalidade, a moral estereotipada vigente em cada local de trabalho. Moral centrípeta, hiperespecializada, desinteressada e irresponsável face aos desígnios das organizações em que se está envolvido, focada no interesse próprio instrumental, utilitário, independentemente dos fins dos empregadores. Os fins, sejam eles quais forem, justificam os meios que o dinheiro pague.

CONTINUA EM: Termos de troca

Outros posts sobre direito: Sociologia e direito; Punitivismo no país dos brandos costumes; Fontes antropológicas do direito; Moralismo

COMEÇA EM: Lições centrífugas de economia


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (28 de Outubro de 2023). Economia moral dos impérios. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvqo


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search