Teoria científica nas ciências sociais

English version

Teoria é uma ideia através da qual nos propomos descobrir a realidade. Os nossos sentidos estão cheios de preconceitos, que fomos incorporando desde crianças. Só vemos e sentimos aquilo que tais preconceitos permitem ver e sentir. Por exemplo, não nos faz nenhuma confusão saber que uma das instituições mais ricas do mundo e certamente a mais exibicionista, como é o Vaticano e a Igreja Católica, justifique a sua própria existência dizendo que a sua missão é ajudar os pobres e viver como eles, mostrando-lhes a luz e o paraíso prometido para depois da morte. Os ricos, cada vez mais ricos, ajudam os pobres, cada vez mais pobres precisamente por estes últimos estarem a ajudar os ricos a serem mais ricos. Isso parece-nos um mundo não só normal, mas também bom.

Que a arquitectura da praça de S. Pedro, como um livro, revele a receita de tal distorção nos sentidos e na moral da humanidade, é coisa que nos escapa completamente. Porém, nada mais evidente do que a misoginia, o elitismo e a dissimulação estruturais da Igreja Católica. Estruturas de tal maneira arreigadas que se tornaram vícios – o Papa falou de clericalismo para explicar a persistência dos abusos sexuais de crianças abandonadas aos cuidados dos sacerdotes. Os vícios são as práticas da misoginia, elitismo e dissimulação institucionais, replicadas hierarquicamente até ao nível individual, perante um rebanho que acena com a cabeça a dizer que tem toda a confiança na instituição e nas pessoas dos abusadores.

Do mesmo modo, ouvir presos poderosos a dizer que foram abusados em crianças, abandonados, vivendo na pobreza, faz-nos perguntar se são os pobres que vão presos ou são os pobres abusados pelas respectivas famílias e pelas instituições que os acolhem? Quem vai preso não são os pobres. Infelizmente há, para além das crianças abandonadas e/ou entregues a instituições de acolhimento de crianças e jovens em risco, um mar de misérias e pobreza. Agora, quando passam a idade legal de responsabilidade criminal, quem não esteja protegido por ninguém está mais exposto à criminalização do que quem tenha uma rede social de protecção, ainda que mínima. As meninas abandonadas não são encaminhadas para as prisões. As prisões recebem 95% de homens. As meninas, ao tornarem-se mulheres, são recolhidas junto de protectores que fazem negócio com os seus corpos. Na prostituição encontramos histórias de vida semelhantes às dos presos, que já são filhos de presos e vão entrar e sair repetidamente da prisão.

A teoria é, tendo em conta as evidências, estas ou outras, tentar ludibriar os mecanismos que encobrem a verdade. É tecer um pensamento que possa, por hipótese, explicar e sustentar uma investigação mais detalhada sobre os mecanismos psicossociais em causa nestas triangulações entre abusados e abusadores, em mútuo convívio encenado e, ao mesmo tempo, vivido por alguns e presenciado por todos.

A teoria científica é um exercício de abertura mental a perguntas que estão encobertas por técnicas de poder ancestrais, técnicas de dissimulação poderosas que transformam as evidências em ordens, a religião em moral, a criminalização em justiça, a cegueira em ciência. A teoria científica não pode conformar-se com as perguntas autorizadas, com as perguntas das autoridades, sejam elas estatais ou académicas. A teoria científica é reproduzida nos diálogos internos que os investigadores desenvolvem. Caracteriza-se e reconhece-se por ter a forma de hipóteses, isto é, perguntas suspensas de respostas, como um saltador de volei ou de basket que é capaz de flutuar no ar, como que parado. Infelizmente, o entendimento escolar de teoria científica é outro: é subserviente e complacente. Imagina-se que a teoria é aquilo que as autoridades dizem ser as interpretações autorizadas das obras que servem de autoridade em cada campo.    

Para ancorar os pensamentos em torno de uma investigação, como a de encontrar mais evidências dos efeitos micro sociais da acção da Igreja Católica e, em sentido inverso, encontrar evidências dos efeitos macro sociais da existência e reprodução de rapazes e raparigas que servem para uso da justiça criminal e da sexualidades frustradas dos clientes da prostituição, podemos perguntar se o mecanismo de superioridade imperial coexiste (Será que exige? Será que reclama?) o mecanismo de bode expiatório ao espelho.

Quer dizer, quando a superioridade imperial se revela, quando o rei vai nu, a sociedade pode atacar as instituições que protegem as elites e os seus representantes como bodes expiatórios. A defesa tradicional das instituições e dos seus manipuladores é oferecer às sociedades pão e circo, isto é, protecção face às dificuldades da vida e rituais sacrificiais onde esbanjar emoções, de outro modo dirigidas contra o próprio Império.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.