O confinamento, a ciência, a deformação dos especialistas

A crise da pandemia de 2020 teve duas implicações cognitivas, cujas consequências serão melhor observadas nos próximos anos. A primeira foi a demonstração da possibilidade de aliviar a carga de poluição atmosférica com resultados imediatos, embora isso seja incompatível com a actual organização da actividade económica, sobretudo na sua função distributiva – consumista – de que está dependente a produção. Esta é a implicação que tem potencialidades positivas. A implicação com potencialidades negativas é a dependência cognitiva, de tipo religioso, das sociedades dos especialistas, dos profissionais, em particular dos da política.

Nos primeiros dias, o que a ciência disse sobre o que se estava a passar foi que desconhecia a possibilidade de tratar as doenças associadas à presença de um vírus novo. O perigo principal é o facto da infecção por esse vírus ser, a maior parte das vezes, assintomático. Não dá sinal ao portador de que é um agente de contágio. Isso torna as possibilidades de contágio muito elevadas, as consequências mortais também, embora a letalidade relativa seja a mesma ou menor do que as infecções por outros vírus mais conhecidos.

A ciência anteviu a possibilidade de se estudar a criação de uma vacina capaz de ajudar os sistemas imunitários humanos a dominar a presença do vírus nos corpos, num prazo nunca inferior a ano e meio. Até lá, os pacientes estavam por sua conta. O risco de necessidade de socorro em situação de crise respiratória iria subir em flecha e os sistemas de saúde seriam assoberbados de trabalho e obrigados a fazer escolhas sobre quem tratar e quem não tratar, por incapacidades funcionais.

Os especialistas portugueses que estavam em posição de representar os consensos na área científica – direcção-geral da saúde e conselho nacional de saúde pública – recomendaram uma estratégia de enfrentar a situação que lhes parecia fundada em experiências passadas, nas orientações internacionais vigentes e nas posições da Organização Mundial da Saúde. A orientação política traçada pelo governo foi, primeiro, a de seguir as recomendações da ciência. A posição do presidente da república, ao invés, foi a de negar a necessidade de adoptar qualquer limitação nos contactos sociais para evitar o contágio, contra aquilo que todos os especialistas tinham recomendado. Quando os especialistas acordaram oficialmente numa tomada de posição, a primeira decisão do governo foi não seguir essas recomendações (o conselho superior de saúde público descartou a necessidade de fechar os estabelecimentos escolares): mandou fechar as escolas. Apresentou e desenvolveu uma política radical de contenção dos contactos sociais, através do confinamento, quarentena voluntária imposta, parando grande parte da economia (a parte que não fosse estritamente indispensável para a sobrevivência), expulsando turistas e recomendando o retorno a casa dos nacionais que se encontravam no estrangeiro, em linha com a reacção dominante na União Europeia e, sobretudo, em linha com as políticas de desespero adoptadas nos países que tinham maior número de infectados conhecidos. O presidente da república, hipocondríaco e inteligente, compreendendo a posição insustentável em que se colocara, entrou em quarentena voluntária. Ressuscitado, saiu a declarar a unidade dos órgãos de soberania face à “guerra” contra o vírus, tomando a iniciativa de declarar o estado de emergência que o governo considerou desnecessária, mas que acatou para manter a unidade dos órgãos de soberania e salvar a face do presidenteM

Método financeiro

Desde os primeiros dias, como habitualmente, a política foi o campo de especialistas dominante. A substituição da ideologia dominante, as finanças, por uma nova ideologia, a epidemiologia, teve o efeito de reorientar o medo nas populações. Estas estavam habituadas a temer o desemprego, a humilhação de terem de recorrer aos apoios do estado, por se sentirem lixo, de serem carne para canhão nalgum acto de terrorismo. Tal medo com nos habituámos a viver foi eclipsado pelo que as guerras também provocam. Neste caso, a guerra contra a natureza, representada como doentia na figura do vírus rebelde, chinês. A desmobilização de muitas actividades empresariais e dos aspectos financeiros da vida do estado, que monopolizaram a política há mais de 10 anos e os comentadores profissionais, criou uma experiência social nova. Um sentimento de unidade dos interesses contrários perante a pandemia, criou as condições de uma união nacional, uma paralisia da política corrente, expropriada do seu tema especializado (a economia), incapaz de pensar outra coisa que não seja entregar aos especialistas (os epidemiologistas) a condução dos destinos das pessoas, em tempos de crise.

Método epidemiológico

A política, os especialistas em política, reconfiguraram os seus raciocínios, desta vez segundo as linguagens dos epidemiologistas. As oposições ficaram desorientadas com esta guinada ideológica para o mundo dos cuidados de saúde. Despreparadas, ficaram reduzidas a seguir o governo e as suas intuições, provavelmente inspiradas em acordos informais entre líderes da União Europeia. Líderes que admitiram, sem o anunciar, que iriam permitir a violação dos tratados para aumentar os gastos dos estados, sem os quais os sistemas de saúde iriam entrar em colapso frente aos doentes e a toda a população.

A guerra, o controlo pelo medo e o excel são os mesmos que antes. As fontes de dados prioritárias passaram a ser os hospitais. Os indicadores estatísticos mudaram de nome. Na falta de especialistas e propagandistas encartados, o próprio governo teve a necessidade de montar uma campanha de propaganda para alimentar a comunicação social com informações diárias susceptíveis de educar os meios de comunicação na nova linguagem. Na falta de especialistas já formados, foram os membros do governo que cumpriram, pessoal e directamente, as tarefas de agência de informação estatal.

Ao contrário do que alguns temeram – a revolta das pessoas contra a ordem de ficar em casa – a população adoptou cordatamente a decisão política, os partidos corresponderam a essa atitude; não contestaram a decisão presidencial de impor um estado de emergência. A população – sem formação em direito – tomou o estado de emergência como parte da cura de que espera poder a vir a beneficiar um dia. A liberdade, 46 anos depois do derrube do fascismo, continua a não ser uma expressão com impacto emocional na população portuguesa.

(continua …)


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.