Demonstração da existência de censura à produção de conhecimentos

English version

A censura do conhecimento é, à uma, uma característica das sociedades modernas e um modo de inibir a acção social racional.

A convicção que temos de que nunca houve sociedade tão inteligente, tão bem formada com base nos conhecimentos e nas evidências, tão transparente, esbarra com a realidade da liderança da ignorância e do desprezo pelo conhecimento, que apesar de tudo existe e é produzido, sobre as pandemias ou sobre o aquecimento global.

Lutas de poder

A ciência, de facto, revelou-se uma máquina de produzir novos conhecimentos, comparada com outras formas de conhecimento. A ponto de (quase) todos os conhecimentos se reclamarem da ciência, incluindo as humanidades ou as ciências sociais. Mas as políticas da ciência são censórias. São-no de tal modo que aparecem aos olhos dos povos e também dos cientistas como estratégias de desenvolvimento do conhecimento.

A visão utilitarista da política científica é censória em vários sentidos. É anti-teórica, isto é, separa a teoria dos modelos mentais pragmáticos e dos modos experimentais de fazer ciência, como qualquer análise taylorista faz com qualquer tipo de trabalho, de modo a assegurar que a ciência obedece aos interesses das classes dominantes, serve os interesses dos financiadores. Quem são os financiadores? São, sobretudo, as instituições bélicas. Por isso, dos segredos mais bem guardados da ciência utilitária são os crimes de guerra organizados pelos poderes militares, autorizados pelas autoridades dos países que fazem a guerra, como os que dizem respeito aos efeitos colaterais do uso de armas nucleares ou, simplesmente, dos desastres nucleares civis.

A vida dos cientistas, como das escolas, é constrangida pela abstracção das teorias – como das matemáticas e de outros modelos mentais pragmáticos que apoiam os raciocínios teóricos. Só espíritos especiais conseguem viver no mundo da abstracção, sem relação com a vida. Diz-se deles que são inteligentes. São perfeitos para desenvolver ciência utilitária. Fazem o que têm a fazer sem entender ou se interessar pelas suas consequências práticas. Abandonam esse assunto, no quadro de uma divisão de trabalho científica e tecnológica, aos que fazem ciências aplicadas. A separação radical da experiência e da teoria na ciência é reproduzida nas escolas. Os estudantes vivem desligados da vida prática. Desligados dos cientistas e da exploração da Terra e dos seus recursos humanos. Limitam-se a ser ensinados por professores profissionais, isto é, quem nunca saiu das escolas, desligados eles próprios, por razões profissionais, da vida económica e social. Recebem deles ânimo para enfrentarem a “selva económica.” Recebem o conhecimento e a autorização do uso dos estigmas sociais como instrumentos de luta de todos contra todos pela sobrevivência e dignidade individual.

Lutas vergonhosas, que aprendemos a “não levar para casa”, para não contaminar a vida familiar, o refúgio pessoal de privacidade a que todos temos direito para sobreviver à vida como recurso humano. Também aqui, porém, a teoria de uma família amorosa interessada em procriar e expandir o amor às novas gerações se confronta com as práticas: a epidemia de violências sem fim, não reconhecida nem oficialmente declarada, encoberta pelo direito à privacidade, confundido frequentemente com o direito de propriedade.

O direito de propriedade funciona na selva que é a vida económica: a Terra, em vez de ser concebida como o meio único onde aconteceu surgir a vida, de que a humanidade é uma expressão, serve de tabuleiro de monopólio, para que o último dos competidores, o último dos imperadores, tenha propriedade plena, direitos irrestritos, como Deus teria na ideia dos crentes.

Propriedade e privacidade

O direito de privacidade na família tem sido usado como direito de propriedade da pessoa dominante relativamente às outras pessoas do agregado. É claro que há efeitos de sexo, como as contagens de vítimas de violência doméstica facilmente mostram. Mas o problema central, alegam, bem, os marxistas, são as relações de produção: a adopção histórica do modo de produção explorador da Terra e dos seus recursos humanos para acumulação de valor, de riqueza, de símbolos de poder – como o dinheiro – em poucas mãos.

Há feministas que estudaram o modo como as campanhas contra as bruxas e a magia, e as organizações patriarcais, como a Igreja, serviram para diminuir o estatuto social que era o das mulheres, na Idade Média, com os poderes próprios das cuidadoras. O certo é que os recentes movimentos de libertação das mulheres mostram a todos a opressão em que as mulheres viveram, por séculos. A normalização das denúncias dos movimentos de mulheres mostra também a inércia social em tomar conhecimento, no sentido de agir em conformidade, em relação às práticas opressivas. Por exemplo, o movimento “Me Too” já não se refere à denúncia de como as políticas de criminalização da interrupção voluntária da gravidez é opressora, como nos anos 70. Quarenta anos depois, já não foram mulheres conhecidas que vieram a público desafiar as autoridades criminais, ao declarar publicamente terem cometido um crime: um aborto. Desta vez foram mulheres conhecidas que reconheceram que a indústria liberal dos filmes norte-americanos criara um ambiente de abuso sexual em que muitas delas eram vítimas de violações sem sentirem capacidade ou oportunidade para denunciarem os perpetradores, homens poderosos. Novamente, as autoridades criminais foram chamadas, mas desta vez para serem elas a tomar conta dos agressores, em função do escândalo público gerado pela apresentação em massa de mulheres, apoiando-se umas nas outras.

As mulheres mais poderosas reclamam para si direitos, como os de assumir postos de governação e administração a que não costumavam ter acesso. Mas as pessoas com menos poder continuam a viver sob o mesmo regime geral, sob o modo de produção, que explora a Terra e os seus recursos humanos e que repercute para a privacidade da família um conceito de propriedade plena dos dominantes em relação aos dominados.

Foram também movimentos de mulheres, mais atentos aos problemas de cuidados prestados às pessoas, que denunciaram a última das cobardias humanas inspiradas na ideia de propriedade: o abuso sexual de crianças. As denúncias adoptaram uma estratégia mista de denúncia em massa e reclamação de criminalização, junto dos sistemas criminais. A evolução dos sucessivos escândalos mostrou haver uma relação íntima entre a organização moderna institucionalizada de cuidados a crianças – nomeadamente a de inspiração religiosa – e as práticas de abusos sexuais. Relação que causou e causa uma reforma na Igreja Católica cujos resultados ainda se aguardam. Causa institucional que, todavia, se desmultiplica nas experiências familiares. A maioria dos abusos sexuais acontecem nas famílias que cuidam das crianças.

O facto de serem meninas as vítimas mais numerosas, não invalida as massas de meninos vítimas de tais práticas. A diferença de sexo não pode ser entendida como uma explicação essencialista. Do mesmo modo que o modo de produção, embora seja discriminatório, elitista e dissimulado, como o são as práticas abusivas citadas, não prevê a necessidade de tal tipo de violências.

O que é que o poder tem a ver com isto?

O modo de produção capitalista prevê a necessidade de criação de um exército proletário de reserva e um sistema de controlo dos proletários excedentários, de modo a que os riscos de impotência perante a miséria, a desonra e a fome, vividos por tantos, não influencie o labor social na produção de riqueza. Mas porque é que o modo de produção reclamaria a violação de mulheres, de crianças e de outras pessoas, como LGBTI, migrantes, refugiados, trabalhadores precários, no seio das suas famílias?

As sociedades modernas separam a macro sociedade, a do modo de produção, da micro sociedade, a do quotidiano alternado entre o laboral, o familiar, e o resto. A primeira destas sociedades imaginadas estanques entre si – num trabalho aturado ao serviço das elites levado a cabo pelas ciências sociais – são o reino do poder. Poder que se desvanece na micro sociedade: passa a chamar-se violência.

O estudo do poder é feito pela economia ou pela ciência política. A antropologia e a sociologia poderiam estudar a violência. Mas não o têm feito. Preferem copiar as práticas dos seus colegas mais apreciados pelas elites, concentrando a sua atenção nas questões de poder que lhe sobram – como o poder da cultura e dos símbolos ou das estatísticas e das instituições – e evitar entrar nos estudos dos cuidados e da sua influência na produção de identidades deterioradas.

Não é só a violência, os movimentos de mulheres – que criaram a sua própria disciplina, o feminismo – ou a vida das crianças que as ciências sociais descartam do âmbito dos seus estudos, obcecadas com a melhor avaliação das elites, como as instituídas pelas políticas científicas dominantes. Descartam o estudo das próprias realidades, pois não há realidades micro ou macro: as realidades existem em todos os níveis de análise ao mesmo tempo. A separação exclusiva de níveis de análise é um exercício de censura ensinado e auto-administrado nas ciências sociais, para fazer exterior ao conhecimento aquilo que é o seu núcleo duro.

Estamos agora em condições de sugerir ao leitor que aqui chegou um exercício simples, de demonstração do que acaba de ser dito:

Faça o favor de observar a propaganda deste vídeo e de ressaltar o conhecimento fundamental sobre a nossa sociedade que ele mostra. Que evidência a experiência reportada representa?    

(continua …)


3 comentários em “Demonstração da existência de censura à produção de conhecimentos”

  1. Health care, health-care, or health care is the maintenance or enhancement of health using the avoidance, medical diagnosis, treatment, recuperation, or remedy of disease, ailment, injury, and also other physical as well as mental problems in people. Health care is delivered by health experts in allied wellness fields. Physicians as well as physician affiliates belong of these wellness specialists. Dentistry, drug store, midwifery, nursing, medication, optometry, audiology, psychology, occupational treatment, physical treatment, sports training and other wellness careers are all part of healthcare. It consists of job carried out in giving health care, second treatment, and tertiary care, along with in public health.

    Accessibility to healthcare may vary throughout nations, communities, and people, influenced by social as well as financial conditions in addition to wellness policies. Supplying healthcare solutions indicates “the prompt use personal health services to achieve the most effective feasible wellness results”. [2] Factors to consider in regards to health care gain access to include economic constraints (such as insurance policy coverage), geographical barriers (such as additional transport costs, opportunity to take paid time off of work to make use of such services), as well as individual constraints (lack of capability to interact with doctor, poor health proficiency, low earnings). [3] Limitations to healthcare solutions impacts adversely making use of medical services, the effectiveness of treatments, and general result ( wellness, mortality prices).

    Health care systems are companies developed to satisfy the health demands of targeted populations. According to the World Health Organization (WHO), a well-functioning healthcare system requires a funding system, a well-trained and also properly paid workforce, reputable info on which to base choices and plans, as well as well preserved health facilities to provide top quality medications as well as technologies. [4]
    An reliable health care system can add to a substantial part of a country’s economic climate, growth, and industrialization. Healthcare is conventionally regarded as an vital determinant in promoting the basic physical as well as mental wellness and also health of individuals around the globe. An instance of this was the globally eradication of smallpox in 1980, declared by the WHO as the first illness in human history to be totally eliminated by intentional health care treatments.
    medical care
    medical-care
    Health care
    health-care
    healthcare

  2. Talvez a metáfora não seja a mais adequada mas este documentário fala tanto da importância de “ir à missa” quanto dos riscos/desvantagens de se chegar “a meio/no fim da missa”.
    Segundo o site do projecto, a sua missão é “Engendrar a reforma prisional e terminar com a reincidência através da compaixão, da consciencialização dos traumas de infância (…) para/que restaurem a nossa humanidade inerente para com os/as nossos/as irmãos/ãs encarcerados/as”. Não será naïf pensar que é difícil encontrar alguém melhor do que as pessoas presas para ter consciência física e emocional das suas vidas traumáticas? Mas esse não é propriamente o ponto e é por isso que é importante “ir à missa”: a compaixão, entendida como o reconhecimento e a preservação mútua da dignidade do outro, tem como grande potencialidade permitir que os ciclos traumáticos/violentos não se reproduzam.
    Mas chegar “a meio/no fim da missa” é não perceber que a compaixão não deve ser apenas trabalhada entre os presos. Daí que este documentário/projecto facilmente possa estar a reproduzir a confusão entre piedade e compaixão: eles que precisam de se “curar e ficar bem com eles próprios”, nós que temos pena da vida desgraçada que tiveram e que, qual bom samaritano, estamos dispostos a beneficiar com a cura deles e a aceitá-los, talvez não entre nós porque muitos deles nem são nossos vizinhos. A pergunta é antes: quem é que precisa de ser curado? A carne ou o canhão? E se destruirmos a ideia da necessidade de haver canhões? Se assim for, então, ir à missa deixa de ser importante. Mas não deixa de ser fundamental de continuar a acreditar e a promover a compaixão para a construção de uma sociedade mais equalitária.

  3. Naturalmente que tudo o que se fizer para melhorar a vida dos presos é sempre positivo, mas no caso do sistema prisional americano, em grande parte privatizado, creio ser muito difícil introduzir melhorias significativas.
    Sobre a censura ao conhecimento, talvez fosse importante ir um pouco mais longe, entrando por aspectos não focados no texto. Refiro-me, por exemplo, à captura de inúmeros cientistas e instituições científicas por parte das grandes corporações e respectivos lobbies e à pressão que conseguem fazer sobre governos e sobre a própria UE, no sentido de vergar a ciência e até a justiça aos seus interesses imediatos. Esse movimento de absorção e cooptação é servido por líderes cada vez mais autocráticos que as grandes oligarquias institucionalizadas vão colocando no poder e que nutrem um desprezo e uma aversão visceral por todo o conhecimento científico independente. Com certeza que o discurso científico propriamente dito ( o outro não passa de pseudo-científico) constitui uma ameaça para todos os poderosos que procuram apostar na difusão de posições preconceituosas, negacionistas, enviesadas e atentatórias da verdade científica. É por isso que tanto Trump como Bolsonaro têm atacado frontalmente importantes instituições científicas, cortando fundos, despedindo grande número de pessoal especializado, e substituindo-o por tecnocratas, yes-men e outros homens de mão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.