A aplicação de critérios científicos nas ciências sociais

Serão as ciências sociais ciências duras ou meras aproximações, ciências moles? O estrutural-funcionalismo, como as teorias críticas, partem do princípio da infinidade da complexidade da vida, sobretudo da vida humana. Consensual que possa ser entre as principais ideologias modernas, a liberal e a comunitária, essa ideia tem invalidado a possibilidade de produção de ciência nas ciências sociais. O infinito é entendido como sinónimo de impossibilidade, em vez de desconhecimento, como o é na astrofísica ou na oceanografia, por exemplo. Assim, os estudos sociais tomam a sua ignorância por inelutável, e prescindem de procurar corresponder a critérios de cientificidade “duros”, como aqueles que orientam as ciências naturais.

Os limites actuais das teorias das ciências sociais, enquanto ciências, são evidenciados e decorrem da própria desistência dos teóricos das ciências sociais em produzir ciência, em contribuir para a ciência, descartada como demasiado dura para o tipo de objecto de estudo em causa: a sociedade. Ao contrário da natureza, a sociedade humana parece-lhes infinitamente extensa e sobretudo complexa.

Estes limites são produzidos quotidianamente pelo ensino e pela prática das ciências sociais. Fazem valer a ideia de haver uma diferente natureza da sociedade humana, da inteligência humana, e do resto da natureza. A humanidade, como se fosse filha de um Deus pródigo, viveria numa bolha independente do mundo natural. A verdadeira humanidade, a humanidade social, ter-se-ia desligado da natureza a certa altura da evolução, segundo a Bíblia ou segundo o processo de diferenciação natural. Tal como Versailles constituiu uma bolha de civilização moderna, antes de ver as suas maneiras divulgadas por códigos de conduta, de boa educação,  e simuladas por toda a gente – como ter sanitários em casa ou comer com talheres ou não cuspir para cima da mesa – também os mercados financeiros foram abertos ao público, desmultiplicando o significado de bolhas em termos sociais e financeiras (City de Londres, Wall Street). Bolhas também são uma imagem útil para apresentar as casas burguesas, as propriedades privadas, bem representadas na teoria de sistemas sociais. No caso das teorias críticas, o sistema ganha dinâmica em sucessões de épocas históricas caracterizáveis por estruturas estáveis e interrompidas por períodos de transformação.

Tal como uma saponária, as sociedades modernas são moles. São concebidas como conjunto de bolhas de materialidade escassa e ambígua que, porém, se verifica respeitar regras estatísticas geralmente estáveis, com excepção de momentos extraordinários de transformação, qual mutação, imprevisível e indescritível – a não ser como história, como literatura, como entretenimento, como ideologia.

O conceito de infinito é controverso. Pode ser a representação de Deus, a vida para além da morte, a finalidade última do universo e da vida eternamente presente e escondida à curiosidade de quem quis violar a árvore do conhecimento. Infinito pode ser entendido como uma potência: uma sucessão de números que só acaba quando quem esteja a enumerá-los desistir de continuar. Este infinito é o motor aritmético de uma parte importante da ciência. Mas as ciências sociais actuais preferem entender infinito como um facto real, completo, presente, fora do tempo, portanto. Uma utopia sincrónica bem descrita pela metáfora metodológica do elefante observado por formigas investigadoras. Tarefa de cartografia só possível com a normalização das práticas de todos os investigadores, o que parece impossível dada a sua dependência das ideologias.

Nem a prova prática do uso das tecnologias de cartografia que orienta os nossos GPS faz vacilar a teoria da impraticável infinidade factual que caracterizaria a sociedade humana, ao contrário do resto da natureza. Apesar de as metodologias das ciências sociais apenas aspirarem a tirar fotografias do que se vai passando, reconstituindo-as em filmes acrescentando os frames em falta com imaginação ideologicamente orientada, o infinito revela-se duplamente. Revela-se na falta de informação que decorre das limitações das próprias práticas de recolha de informação. Revela-se também na recusa (quase) generalizada de ter em conta o tempo, as dinâmicas sociais, as transformações sociais. Consideradas infinitas, as realidades são descartadas e praticamente substituídas por ideologias, pela elevação das discordâncias entre investigadores-autores a centro dos debates teóricos. Por isso, os teóricos são académicos prestigiados, em contraste com a desvalorização e desqualificação dos trabalhadores sociais, relativamente a outros licenciados e relativamente aos seus mestres e professores.

A realidade é assim dissolvida pelo irrealista infinito real. O infinito real que transforma as lacunas metodológicas em inelutabilidades e das lutas autorais em jogos florais, massacrando a realidade, alienando, amolecendo os cérebros que geralmente a reconhecem por mera necessidade prática de orientação da vida. Profissionais especializados são treinados para tornarem apenas reconhecível da realidade os seus efeitos estatísticos e comportamentais, susceptíveis de registo administrativo. Com esses efeitos, as ciências moles procuram fazer sistema, aquilo que corresponde a algum tipo de estabilidade: o estado; o sistema: o estado das coisas.

A instabilidade existe e é quase tudo, na vida. É infinita, no sentido de desconhecida e não no sentido de incognoscível. O sistema, o estado, está interessado num tipo de conhecimento não científico da realidade. Interessa-lhe um conhecimento ideológico, reducionista dos problemas e da vida aquilo que sejam os problemas e a vida das elites e do estado perante os respectivos subordinados. A natureza e a vida alheia são representadas como distintas, menos importantes e poderosas do que a vida das elites condutoras dos estados, aliados em redes globais.

À mercê da instabilidade natural, organizada ou espontânea, as elites e os estados fazem disso segredo público. Preferem negá-la, controlá-la, evitá-la, desqualificá-la, naquilo que seja perturbador do regime de comando do estado das coisas. Contam, para isso, com os instintos de preguiça e sobrevivência das pessoas, que se encomendam aos seus patrões e dirigentes para que assumam as responsabilidades de uma condução geral dos destinos colectivos. Estimulam esses instintos através de mecanismos de chantagem emocional e financeira, do tipo “quem não trabalha não come”, reforçados com o uso criterioso da força repressiva e de promoção social dos que aprendem melhor nas escolas a reproduzir as ideologias dominantes.

Trata-se de reformular o conhecido como desconhecido, tratar as dinâmicas transformativas como ilusões ou/e dores, o sistema como realidade reduzida e reificada ao sabor das ideologias dominantes, a nível nacional ou internacional, consoante os gostos dos financiadores das ciências sociais que se fazem.

Trata-se de transformar aquilo que é um objecto de estudo, a sociedade, num infinito real: um conjunto de indivíduos justapostos, pessoas reduzidas aos seus espectros sociográficos, consoante são produzidos por meios administrativos ou equivalentes. Para fins utilitários, como os de informar políticas públicas, transforma-se o cognoscível numa impossibilidade, o conhecimento em administração de dados.

As políticas científicas utilitárias, em vigor no New Deal e no estado social, aprenderam a explorar a ciência para organizar a produção de brinquedos militares – notoriamente as armas nucleares – e para estimular a actividade económica. A ciência pura, como se passou a mencionar o estudo conceptual, tal como os trabalhos ditos sociais e imaginados de género feminino, são tratados como uma despesa: a evitar pelos investimentos “produtivos”, à luz dos critérios de rentabilidade capitalista. As ciências aplicadas e, também, as actividades profissionais foram separadas da teorização, alegando-se razões de funcionalidade e impondo-se a estas, tanto quanto possível, aquilo que é impossível impor à produção teórica: critérios de avaliação aplicáveis a curto prazo, isto é, instrumentos de subordinação pessoal dos investigadores de teorias às disciplinas próprias do estado capitalista que financia a ciência.

Paulatinamente, apesar do aumento exponencial da produção científica e das instituições científicas, os aspectos conceptuais dos estudos vão sendo preteridos, mas não abolidos. Continua a haver quem se dedique aos aspectos conceptuais, à ultrapassagem dos limites do conhecimento. Porém, o ambiente institucional hostil e a forte vigilância por parte dos pares, por razões de competição profissional ou por razões cognitivas, como a hipervalorização dos direitos de autor, são condições negativas ao maior desenvolvimento das teorias científicas. Na verdade, no caso das ciências sociais, a própria expressão que as designa já é, a mais das vezes, interpretada como o estudo daquilo que escapa à possibilidade de eficácia da ciência: a complexidade infinita da vida humana.

Ao argumento do infinito real que impediria as ciências sociais de aspirarem a ser ciências, acrescenta-se a alegada incompatibilidade entre o bom juízo e a pertença dos próprios investigadores às sociedades que estudam. Na posição em que os investigadores habitam, no interior das sociedades, faltar-lhes-ia a perspectiva necessária ao distanciamento indispensável à produção e validação de critérios de objectividade.

Este argumento do distanciamento impossível contrasta com a infinidade real. O facto de estarmos banhados pela sociedade (e não estamos banhados por natureza?) tornar-nos-ia inviável escapar das minudências locais e, por isso, torna a sociedade numa infinidade real, aos olhos dos impotentes investigadores. Em ambos os argumentos, vale a metáfora espacial: contrastam as fronteiras (políticas) das sociedades que se fecham sobre os investigadores, por um lado, e, por outro lado, a impossibilidade de pensar como um sistema, como um estado-nação, a abertura da humanidade ao cosmos (a infinidade real, a natureza, que é preterida e imagina incognoscível pelas teorias sociais actuais).

O distanciamento metodológico da experiência prática praticado pelas ciências consegue separar a especificidade da subjectividade e a criação de conhecimentos que podem ser reproduzidos com sucesso em qualquer parte. Apesar dos cientistas estarem mergulhados no seu objecto de estudo, a natureza, o cosmos, o seu distanciamento continua a ser problematicamente produzido de modo teórico, através de estudos conceptuais, que concluem e fazem valer as experiências, no fim dos processos de investigação, e projectam necessidades de produção de novos conhecimentos. Porque é que as ciências sociais seriam diferentes? O que faz com que as teorias sociais sejam (quase) estéreis?   

Continua em “Por um projecto de ciências sociais duras


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.