Império e ciência

Resumo: não há trabalho intelectual regular e autónomo sem financiamento imperial. A autoridade intelectual que permite a elaboração de ideias de origem autoral capazes de se fixarem e eventualmente vingarem socialmente, de cima para baixo, é acompanhada pelo poder hierárquico previamente socialmente construído e mantido com a ajuda do trabalho intelectual.    

As escolas dos mistérios, como as que enfrentaram o Adamastor e as do Renascimento, foram escolas de inovações e criatividades fundadas nas incertezas, nas dúvidas sobre o sentido da vida e o destino das sociedades. Tal como as ciências modernas, essas escolas foram financiadas e orientadas por impérios. A diferença é que na primeira metade do século XX, quando a frase “está provado cientificamente” passou a ser usada para fechar e impedir discussões com a autoridade daquilo que se sabe e dos seus representantes oficiais, as ciências foram sendo reduzidas à sua dimensão centrípeta, hiperespecializada, a tecnociência utilitária.  

Os impérios caracterizam-se por usarem as discriminações sociais culturalmente induzidas como formas de hierarquizar as sociedades e naturalizar as discriminações abusivas. Na sua fase ascendente, a dinâmica inovadora, a esperança associada e a relativa suavidade das hierarquias sociais dos impérios admitem, por um lado, as dúvidas e, por outro lado, o especial mérito de quem possa superá-las. Na fase descendente da vida de um império, ao invés, as hierarquias são mais elevadas do que a capacidade para as manter credíveis e sem sacrifícios. As discriminações abusivas acumuladas são reforçadas, a censura sobre as dúvidas apresenta-as como ignorância das soluções pré-fabricadas a que a ciência fica reduzida: as inquestionadas soluções optimizadas, únicas, oficiais, do cardápio das tecnociências imperialmente dominadas.  

O episódio recente da epidemia da COVID-19 mostrou como a ciência foi apropriada pelas ideologias e interesses globalistas, também conhecidas como do discurso único, para servir interesses comerciais antes de servir a saúde das pessoas – conforme foi claro aquando das tentativas da ONU de libertar patentes para países que não as podiam pagar e é claro hoje pela degradação dos indicadores e sistemas de saúde observados como sequela da mobilização de emergência e em estado de excepção dos profissionais de saúde, da indústria farmacêutica e da logística militar na guerra contra o vírus. 

Edifício principal da Universidade Humboldt, Berlim

A apropriação da ciência pelo império tem uma história recente para ser contada. Um dos marcos será a Conferência de Física em Copenhaga em 1927, com as presenças de Bohr e Einstein em confronto, um dos fundadores da física quântica e o criador da teoria geral da relatividade. Outra referência é a discussão de 1948 entre Talcott Parsons e a sua grande teoria, e Robert Merton e as suas teorias de médio alcance, sobre a estratégia de desenvolvimento das ciências sociais e da sociologia no pós-guerra. O projecto novecentista de Humboldt para a universidade, como formação de raros e livres espíritos abertos ao universo, foi suplantado pelo conceito de universidade utilitária de massas para formação de profissionais especializados. O respeito pela inspiração foi substituído pelo mérito do trabalho. 

O capitalismo imperial novecentista foi reconstruido sob o modo de vida americano copiado em todo o mundo, desde o pós-guerra, de tal modo que os níveis de consumismo se tornaram uma agressão civilizacional ao meio ambiente, reconhecida nos anos de 1960 pela ciência, divulgada em 1972 pelas elites e sentida à evidência por todos na terceira década do século XXI, com os seus fenómenos climáticos extremos e recorrentes por todo o planeta.  

O projecto imperial de exploração da Terra, iniciado com as Descobertas, descobertas de outros continentes pelos navegadores e descobertas de formas de navegação e exploração cada vez mais eficazes e intrusivas, encontrou no capitalismo o seu instrumento dilecto e mais destrutivo. Esse excesso entusiasmou as sociedades modernas, imaginando poderem tornar-se independentes do meio ambiente. Agora, preparamo-nos para nos adaptarmos à “transição” geológica da Terra, o Antropoceno.  

A estanquicidade das ciências naturais e das ciências sociais decorre de e reforça essa presumida, enganosa e desastrosa ideia de possível e desejável independência entre as sociedades e o meio envolvente. Esta divisão das ciências apenas resiste por razões extracientíficas: o interesse imperial de manter mobilizadas as sociedades divididas e dirigidas por elites empenhadas no projecto imperial irracional e autodestrutivo de explorar a Terra de modo acelerado, em função da lógica capitalista que, meio que se tornou imprescindível aos fins, impõe a aceleração da actividade humana. Esta divisão estanque entre ciências da natureza e ciências sociais é a mãe de todas as divisões hiperdisciplinares e subdisciplinares perante as quais os cientistas e os profissionais se tornam irremediavelmente mutuamente incomunicantes.

Os sinais de decadência, de impossibilidade prática de manter a legitimidade dos desígnios imperiais por estes se virarem de forma ineludível contra a humanidade, acumulam-se em diferentes esferas da vida social. Criam as condições revolucionárias, i.e., o interesse de reunir toda a gente num esforço de recomeçar, como já ocorreu diversas vezes nos últimos séculos. Aconteceu quando se aboliu sucessivamente a escravatura, o clericalismo, o capitalismo, o colonialismo, o totalitarismo, o patriarcalismo.  

Porém, insuficiências de fundo destes movimentos abolicionistas, como os anticapitalistas politicamente finados com a implosão da União Soviética, ou os anti-totalitários que admitem o ressurgimento do nazifascismo como forma de insistir, à bruta, na lógica irracional da exploração da Terra e dos seus recursos humanos, tolhem o ânimo das sociedades actuais. Não se dispõem a viver o espírito revolucionário de forma construtiva. Até porque o império e os seus estados e militares fazem questão em deixar bem claro que afogarão em sangue qualquer manifestação desse tipo. 

Será possível à autonomia dos conhecimentos e das sabedorias relativamente à actual missão imperial de exploração encontrar e construir outras alianças de poder? Será possível repetir o surgimento da ciência no tempo das perseguições da Inquisição? Será possível substituir a hegemonia da presente missão imperial por outras missões mais saudáveis, democráticas, ecológicas e entusiasmantes?


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (5 de Outubro de 2023). Império e ciência. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvqc


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search