Em guerra contra o vírus: uma oportunidade para a reflexão

At war with a virus: a reflection (English version)

Não é uma série de bonecos animados para crianças: trata-se da nossa vida pessoal e familiar, pela primeiríssima vez partilhada por toda a humanidade. É um dos resultados da globalização: a pandemia global, a par da queda vertiginosa das bolsas de valores e, portanto, a par da necessidade estratégica de repensar (outra vez) como fazer para evitar a catástrofe global induzida pela falência (adiável?) do sistema financeiro globalizado.

As ciências sociais, com os políticos e académicos à cabeça, assobiam para o ar. Procedem como se estivéssemos a viver (mais um) inesperado interregno na vida moderna, que promete, e continua a prometer vidas melhores com o crescimento da economia, mas não cumpre – pelo menos para a maioria das pessoas, cujas condições de vida pioram, na prática.

Quando a rede de governos globais, incluindo os respectivos subsistemas educativos e de saúde, a nível da governança global, europeia, nacional, falham em evitar uma pandemia anunciada e nos deixam arrastar para o medo de morrer, como se isso fosse o resultado da nossa responsabilidade pessoal de lavar as mãos com intensidade suficiente, não é apenas tempo de solidariedade humanitária: é tempo de mudar de humanidade.

As ciências sociais não podem dizer que não têm nada a ver com isso. As ciências sociais, ao contrário do que dão a entender, são corresponsáveis pelo que se está a passar, por duas ordens de razões. A primeira ordem de razões é que são elas quem transporta, infecta e contamina as sociedades modernas com conceitos que servem para dissimular as responsabilidades dos estados, incluindo das próprias ciências sociais, nas nossas experiências de vida. A segunda ordem de razões é mais evidente e é um corolário da primeira: nas últimas décadas foi a ciência das finanças, uma sub-disciplina da disciplina rainha das ciências sociais, aquilo que serviu de guia para as barbaridades que têm feito a humanidade replicar, agora a nível global, o ambiente ideológico e político nacionalista que tornou repugnante a segunda guerra mundial.

O ensino das ciências sociais desresponsabiliza os seus estudantes e a si mesmas, incluindo o valor da contribuição das universidades para aquilo que se passa nas sociedades. As universidades de ciências sociais formam profissionais para servirem os seus patrões, em geral os estados, sem se envolverem nas decisões importantes, nas decisões políticas. Embora, claro, as universidades, como qualquer outra instituição, sejam conduzidas por pessoas e orientações partidárias, reclamam dos professores que ensinem que a ciência, em particular as ciências sociais, não devem misturar-se e podem separar-se das políticas e do pensamento que as orienta.

À boleia da sociedade moderna

No mesmo movimento, ensinam os estudantes que o melhor prémio que pode acontecer a um trabalhador ou investigador social é ver as suas recomendações serem acolhidas pelos seus chefes políticos. Isto é, há uma noção muito clara sobre qual é a finalidade das ciências sociais, na sua versão actual: servir as elites. Isso significa, na prática, uma atenção epistemológica praticamente exclusiva à análise do poder, dos processos que podem, um dia, premiar o trabalho de cada um com a adopção superior de alguma ideia.

O prejuízo deste estado de coisas é incomensurável. Em particular, as violências contra as populações passam ao lado de qualquer escrutínio sistemático das ciências sociais, a pretexto de tal avaliação caber às ciências policiais e militares. As violências, para esse fim, são imaginadas vir de fora das sociedades, serem anti-sociais, serem, como os vírus, parte da natureza hostil.  

Pode definir-se violência como “redução ao corpo” (Jan Philipp Reemtsma, Confiance et Violence – Essai sur une configuration particulière de la modernité (1a ed.2008). Paris: Gallimard, 2011:111-115). Neste caso, a violência entra directamente em contacto com a natureza, através do corpo de cada pessoa que vive a violência. Esta definição rompe com a fronteira entre a sociedade e a natureza. A violência, em vez de ser rara, em vez de ser apenas banal em tempo de guerra, será, afinal, banal e quotidiana, boa ou má, todos os dias e a toda a hora. Será um dos dois movimentos possíveis dos corpos: expansão a partir da existência de um ou vários corpos (crescimento, projecção, comunicação) e redução das pessoas aos seus corpos (recolhimento, paragem ou forte condicionamento da acção livre, censura).

A quarentena ou as recomendações, mesmo que pacíficas, para ficar em casa, como num estado de sítio, como em caso de emergência, é uma violência. O facto de tal violência estar a ser benigna para nos proteger do virus, não nos deve iludir: trata-se de uma violência. Ao contrário do que sugerem as ciências sociais e as universidades, não é assunto de estado: é caso de sobrevivência e de dignidade para todos e cada um.

As disputas de poder, em particular as de nível imperial, estão em jogo nesta pandemia global. Pelo que se deve compreender o apelo nacionalista dos estados, de fechar fronteiras e chamar os nacionais a voltarem e os estrangeiros a saírem. Para além do reconhecimento oficial das democracias do valor dos chamados populismos para as ambições das elites, significa um contar de espingardas de cada estado para fazer face às lutas que se engendram nas passadeiras vermelhas e gabinetes, agora ocupados com tele-conferências.   

Criar condições para cuidarmos uns dos outros

Está em jogo como teremos, daqui para a frente, cuidados de saúde. O que se está a passar, com as informações que temos, é ainda mais do mesmo: especulação de preços de produtos e serviços de saúde e uso até à exaustão dos profissionais de saúde, sem contrapartidas relativamente às suas reivindicações dos últimos meses. Para os que ainda têm menos sorte, está-lhes reservado o desemprego ou o esgotamento das suas fontes de receita, muitas delas clandestinas e que não podem agora servir de base para reclamar ajuda do estado. Mais uma vez, os que têm rendimentos de empregos, sejam quais forem as condições de trabalho, devem dar-se por privilegiados por terem o que têm e calar. Com o estado de emergência, seja o que for que tenham a dizer, a menos que sejam loas à situação e ao centro de poder violento que reclama e consegue unanimidade, é censurado previamente.

Dizer que a democracia é votar de 4 em 4 anos, nesta altura, é evidentemente um logro. Em defesa desta democracia que censura as críticas – vejam o deserto de alternativas políticas a que se reduziu o parlamento e os partidos políticos, fixados todos no crescimento económico infinito, afinal negado pela força da natureza – ninguém teve força para protestar com alguma eficácia contra a declaração de estado de emergência. Então o que será a democracia? Quem está disponível para discutir e avançar ideias de como as pessoas podem deixar de estar sequestradas por estados irresponsáveis, apanhados como crianças em falta a descuidar da saúde dos seus povos?

Para adquirirmos uma nova capacidade de cuidar de nós, das nossas famílias e amigos, das nossas cidades e do planeta, temos que tomar consciência de como somos educados. Como investigadores e trabalhadores sociais, ainda que apenas na condição de profissionais, colaboramos com violências extremas e prolongadas organizadas como políticas de estado, no quadro de jogos imperiais. Induzimos e divulgamos falsas ideias aprendidas em manuais, que nem nós acreditamos, mas que repetimos e fazemos passar como peritos, como profissionais, como cuidadores das sociedades que não somos e não queremos ser.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.