A violência: conceptualização capaz de romper com preconceitos das ciências sociais

Violence: conceptualization able to break social sciences´ prejudices (English version)

A violência é um dos muitos temas tabus das ciências sociais. Pensar a violência, portanto, exige romper com as ciências sociais. O que é uma coisa boa e obriga à denúncia da cumplicidade das ciências sociais ao lado das violências das elites.

De seguida caracterizam-se os limites epistémicos das ciências sociais que se recomenda romper e apresenta-se uma definição-entendimento de violência, a desenvolver, que pode servir de instrumento nessa ruptura.

O problema das ciências sociais pode ser enunciado de forma sintéctica. O próprio nome é um jogo de palavras. Ciências sociais não são ciências: isso são as ciências naturais. Entre as ciências sociais ninguém se entende sobre o que seja o objecto de estudo, a sociedade. Mas em vez de organizar a investigação sobre o que seja o seu objecto de estudo, as ciências sociais abulem toda a possível discussão, entretendo-se cada disciplina com o seu osso: a economia com os mercados, a sociologia com as instituições, a antropologia com a cultura, as ciências políticas com a governação, as ciências de comunicação com os media, etc.

Parte da sofisticação dos discursos das ciências sociais é, afinal, a difícil gestão da confusão de disciplinas e subdisciplinas que se emaranham sem se falar. De modo a que haja lugar para todos menos para uma discussão profícua sobre o que é a sociedade humana.

Noção abstracta e confusa de sociedade

A sociedade, entretanto, é uma noção utilizada vulgarmente de forma imprecisa, polissémica, controversa, mas sem a precisão e a retidão que será exigível de um saber científico. A sociedade tem, sobretudo, duas cargas: a nacionalista e a estatal. A sociedade refere-se geralmente àquilo que se passa dentro de fronteiras políticas de estados-nação. A grande preocupação dos investigadores e trabalhadores sociais é reconhecer as vantagens da normalidade e evitar que ela seja perturbada por pessoas que se revelam incapazes de se integrarem socialmente. Em resumo: a grande preocupação das ciências sociais é as questões de poder; como é que a sociedade se submete aos poderes de estado-mercado? São omitidas outras grandes áreas de acção social, como a dos cuidados espontâneos, a das paulatinas cristalizações das identidades sociais e pessoais, ou a da violência natural.

As ciências sociais escusam-se a continuar o seu caminho entre as filosofias sociais e as ciências, alegando incapacidades inventadas. A mais importante dessas desculpas é o facto de haver uma diferença de natureza entre as vidas humanas e a natureza. Aquilo que serve para estudar a natureza, por isso, já não seria possível de ser adequado ao estudo das pessoas.

A primeira demarcação (de inspiração vivamente religiosa) produzida pelas ciências sociais, simplesmente ao nomearem-se como se nomeiam, é separar o mundo humano do resto da natureza, como se vivêssemos numa bolha ontológicas autónoma, como se nos pudéssemos mudar para Marte ou para a Lua a qualquer momento, caso a Terra não nos trate bem.

Tal demarcação impede as ciências sociais de pensarem e conceberem o que seja a violência natural. Imaginam a violência como um vírus, uma bactéria, um micróbio, um inimigo, uma entidade infernal, incognoscível.

Claro que há muitos investigadores e trabalhadores sociais que já perceberam os defeitos das ciências sociais. Os melhores procuram encontrar saídas para a situação. Raros admitem a cumplicidade íntima entre as ciências sociais e a violência organizada pelos estados modernos: quase todos apresentam as ciências sociais como a parte alegadamente não violenta do monopólio do uso legítimo da violência pelos estados, na verdade impérios, modernos. Os trabalhos sociais, na verdade, são formas de evitar a intervenção policial, caso a incorporação de normas emanados dos estados não vinguem nos comportamentos dos marginalizados. Os trabalhos sociais organizam-se à sombra da ameaça do uso da força, caso os alvos de intervenção social não manifestem a sua colaboração activa.

A maioria das pessoas assistidas esforçam-se por colaborar: sabem de cor todos os diagnósticos psicossociais-jurídicos-administrativos que lhes dizem respeito, como sabem de cor os elementos das respectivas identidades oficiais. Uma minoria resiste e procura esquecer-se do facto de estar fechada nas armadilhas da pobreza e da delinquência, mas é mais difícil esquecer-se dos diagnósticos de culpa contra si proferidos por escolas, asilos, famílias, profissionais de toda a espécie, entre os quais os trabalhadores sociais e os polícias, tribunais e prisões.

Para a generalidade dos trabalhadores sociais, e das pessoas modernas, a violência é aquilo que infecta a sociedade (não violenta) a partir da natureza não civilizada de pessoas excluídas. O estado, incluindo os trabalhadores sociais e as polícias, serviriam, a este olhar, para conter fora da sociedade a violência, ora recuperando para a civilização os seres humanos naturais, espontâneos, ora mantendo-os à distância pela força.

Distância metodologicamente recomendada face ao objecto de estudo

O estudo conceptual desta noção de violência revela o seu caracter discriminatório, elitista e dissimulador. A violência do estado fica desqualificada, como violência. É apresentada como mera reacção à violência dos marginais, defesa da sociedade não violenta. De nenhum modo tal descrição corresponde às experiências. Corresponde antes às ideologias dominantes. Como a obsessão única com o poder, esta noção de violência só pode ser usada por quem tome os preconceitos a favor das elites e contra os marginalizados como naturais, espontâneos, em vez de reconhecer que são laboriosamente fabricados quotidianamente. É uma forma de dissimular a opressão como isenta de violência. As prisões são um bom exemplo disso: condena-se as pessoas a estarem privadas de liberdade ambulatória, mas depois tortura-se os condenados privando-os da sua dignidade e até matando-os, com conhecimento e indiferença geral, dos estados e das sociedades.

Pode definir-se violência como “redução ao corpo” (Jan Philipp Reemtsma, Confiance et Violence – Essai sur une configuration particulière de la modernité (1a ed.2008). Paris: Gallimard, 2011:111-115). Neste caso, a violência entra directamente em contacto com a natureza, através do corpo de cada pessoa que vive a violência. Esta definição rompe com a fronteira entre a sociedade e a natureza. A violência, em vez de ser rara, em vez de ser apenas banal em tempo de guerra, será afinal banal e quotidiana. Será um dos dois movimentos possíveis dos corpos: expansão (crescimento, projecção, comunicação) e redução (encolhimento, paragem da acção livre, censura).


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.