Porque é que os estados-nação se veem em guerra contra um vírus e proíbem qualquer vida normal?

Blog Corona 1, versão em português de texto de Michael Khun

Está realmente a acontecer, ou estamos a viver uma situação de ficção científica? Faz alguns dias, tudo ficou diferente. Todas as nossas vidas, de ontem e de hoje, estão desligadas. E isso não apenas aqui e ali, mas por todo o mundo. E porque é que tudo isto está a acontecer? Um vírus ameaça a humanidade com doenças e morte. Uma micro criatura que nem se consegue reconhecer com um microscópio infiltra-se nos nossos corpos e prejudica a saúde dos seres humanos ou até os mata.

Por outro lado, porque é que isto nos parece uma ficção científica? Não é tudo isto, ao mesmo tempo, muito normal? Não acontece todos os dias? Não faz parte de nossa vida cotidiana? Todos os anos, na mesma época, a humanidade é atacada por aquelas micro-criaturas, vírus que se infiltram no corpo humano, o tornam doente e, muitas vezes, matam. O número de pessoas infectadas por esse vírus e o número de mortes que esse vírus provoca podem ser antecipados por cientistas sofisticados com bastante precisão, com antecedência, e no final de cada temporada fazem-se registos mais precisos e fazem-se listas. E é tudo.

Não se deve esquecer também que a contagem do número de mortos e doentes ao longo do ano é uma espécie de rotina. Muitos são afectados por doenças conhecidas da humanidade e de todos os exércitos de cientistas de saúde usados para fazer investigações, sem lhes serem dados meios suficientes para que extingam essas doenças, de uma vez por todas.

Em relação às preocupações que os países têm com doenças, pode lembrar-se também que existe um número exato e documentado de pessoas que morrem de fome a cada minuto. Também sobre isso, há uma codificação precisa, e não passa disso. Isto também é muito normal. Há quem expresse algumas preocupações morais sobre isso, mas além disso não há razão para pensar especialmente sobre isso. Faz parte da nossa vida, marcada pela indiferença e desligada das dos outros. Não tem sido razão para nos preocupar.

Então, qual é o argumento a respeito do vírus chamado COVID-19? Porque que é que esse vírus é capaz de parar a vida inteira, de hoje para amanhã, em todo o mundo? Tudo o que faz parte das nossas tarefas cotidianas está fechado, jardins de infância, escolas, universidades, os lugares para onde as pessoas costumam ser obrigadas a ir, agora estão fechados; também lojas, bares, pubs, cinemas, futebol, tudo deixou de funcionar. Tudo o que as pessoas apreciam no tempo livre deixou de funcionar. Agora é proibido isso e o que até agora as pessoas eram obrigadas a fazer – com uma exceção, o trabalho. Esse continua a ser obrigatório para todas as pessoas saudáveis, embora a contaminação pelo vírus se dê da mesma maneira no trabalho como na escola.

Porque é que isto tudo está a acontecer? A resposta é simples: ao contrário das outras doenças, que atingem as pessoas e de que algumas morrem, não há remédio contra esse vírus. E porque não há? Qual é o problema? Para as doenças que há remédio, as pessoas adoecem e morrem, mesmo que haja remédios. Há até um registo preciso sobre o número de pessoas doentes e mortas ano a ano por cada doença.

E, como já foi dito, em relação às pessoas que morrem de fome minuto a minuto, a questão sobre o que poderia ser feito contra isso não é seriamente discutida. É imaginado ser assim e não haver nada a fazer.

Tal, realmente, não é uma preocupação e ninguém se importa com isso. Da mesma maneira que é aceite que há pessoas a adoecer e a morrer de doenças contra as quais há remédios. Remédios que não curam necessariamente, mas graças aos quais é possível controlar mais ou menos quantas pessoas ficam doentes e, também, quantas pessoas e quando, em que idade, ficam doentes e vão morrer.

Em relação às pessoas que morrem de fome, para o que o remédio é mais do que simples, bastando permitir-lhes acesso a alimentos, ninguém realmente se importa com essas pessoas a morrer de fome. E a razão disso é que são pessoas que não têm utilidade. Na nossa lógica dominante, apenas quem pode ser usado tem direito a algo para comer. E ser usado significa encontrar um emprego. Os empregos só podem ser encontrados se houver alguém que faça negócios com esses empregos. Todos sabemos disso, e é assim que acontece em todo o mundo. Se existe um negócio que pode ser feito empregando alguém, há empregos. Onde não existem tais empresas, não há empregos. E onde não há empregos, não há dinheiro, portanto, nada para comer. É assim que o mundo funciona. Sobre fome, é tudo.

E aquelas pessoas que morrem de gripe ou cancro, doenças contra as quais há tratamentos? Claro que as pessoas adoecem e morrem. Mas essas pessoas doentes e mortas são organizadas tendo em consideração os negócios, ano após ano. Nesses casos, nada foi considerado um problema sério, ao nível do COVID-19: a maioria das pessoas que morrem de cancro é maioritariamente idosa, ou seja, pessoas que não têm mais utilidade. Nesse aspecto são semelhantes àquelas pessoas que morrem de fome. Em relação à gripe, graças aos tratamentos médicos, o número de pessoas doentes e mortas está sob controle e, com essa quantidade de pessoas, pode-se calcular ano a ano, mas curar a doença de uma vez por todas não é um objetivo assumido.

E esse é, então, o problema desse novo vírus COVID-19. O problema não é as pessoas doentes e mortas, pois elas também existem por causa de todas as outras doenças. O problema é que aquelas pessoas que ditam o que todos nós temos que fazer todos os dias, e que nunca disseram que deixar as pessoas morrer é proibido, que nunca deram prioridade à descoberta de um remédio contra esse vírus, para as elites políticas, que também decidem sobre o sistema de saúde, a falta de um remédio significa que não têm meios de controlar o número de pessoas doentes, como o fazem com as outras doenças. Não terem o controle sobre a saúde de seu povo, isso é um problema sério.

Se o medicamento é tão importante para as elites, para terem controle sobre a saúde das pessoas, porque é que não existe esse medicamento? A resposta a esta pergunta já nos leva a meio caminho da resposta à pergunta sobre a razão de não haver remédio contra este vírus, e de todos os políticos de todo o mundo considerarem isso como estando em guerra. Não apenas o entendem dessa maneira, mas também agem dessa maneira.

Então, porque é que não há remédio? Todos sabemos que poderia haver um medicamento contra esse novo vírus: após o último ataque, chamado SARS, os cientistas recomendaram fortemente o uso desse vírus para fazer investigações intensivas para desenvolver tratamentos médicos, a fim de se estar preparado para o próximo vírus, com base no fato de todos estes vírus terem características muito semelhantes. Para fazer essa investigação e desenvolver qualquer remédio contra vírus futuros, eram necessários alguns milhões, nada comparado às montanhas de dinheiro que geralmente são movimentadas nos mercados e pelos países. E depois o que aconteceu? Como todos sabem, o dinheiro é investido apenas onde promete retornos com taxas atraentes. E, como em qualquer outro lugar conduzido pelo capitalismo, essa investigação não aconteceu porque não podia prometer nenhum bom negócio imediato.  Não foi investido dinheiro, nem privado nem estatal, porque o vírus da SARS desapareceu de repente e, de qualquer forma, o vírus esteve apenas ativo na Ásia e não veio para a Europa. Portanto, não há razão para ver esta investigação como um negócio promissor. As investigações em curso para criar este medicamento foram interrompidas. É por isso que hoje não há remédios contra o novo vírus.

Com esta resposta sobre porque é que não há remédio contra esse novo vírus, remédio que permitiria àqueles que têm controle sobre tudo e também, graças ao remédio, poderiam ter controle sobre os danos que esse novo vírus causará, com essa resposta torna-se mais claro porque que é que as nações, em todo o mundo, não têm controle sobre o vírus e os danos que está a causar a tantas pessoas, causando a reacção desses países de se considerarem em guerra. Não interpretam apenas isso como uma guerra: também agem como se fosse uma guerra.

Para os estados-nação, a situação em que reconhecem não ter meios de influenciar aquilo que as pessoas são e fazem, e que é um vírus que decide quem e quantos ficam doentes, esse é o pior cenário. Para um estado-nação, não poderia haver nada pior do que deixar de ter a palavra final sobre o seu povo, as suas condições de vida em geral e a sua saúde em particular. É devido a essa autoridade sobre o povo e o país, que é o que constitui o estado de uma nação, que um vírus desafia estas autoridades políticas, desafia a soberania que nunca deveria ser questionada, a soberania de um estado-nação. Torna-se então forçoso concluir que um estado-nação sem soberania sobre o que acontece com o povo, incapaz de regular as questões da sua existência, entra em estado de guerra, como se o vírus fosse outro estado-nação a atacar essa soberania com forças militares. Qualquer coisa que não obedeça aos estados-nação, ainda que seja um vírus, para um estado-nação isso é guerra. Ter tudo sob seu controle é o que faz uma nação-estado um estado-nação, um poder político soberano absoluto, nunca questionado por qualquer coisa ou qualquer um.

E é esse o problema, o não haver remédio contra esse vírus e não haver autoridade sobre o povo, que explica a nação declarar guerra. Uma declaração de guerra contra um vírus, seguida de medidas políticas voltadas para reassegurar a soberania do seu sistema de saúde sobre o povo. E é esse o objetivo, o de reassegurar a sua soberania como estado-nação, que não é questionado por nada nem ninguém, que torna um vírus alvo de ações políticas, que são, portanto, medidas políticas feitas para guerras reais. E são essas medidas executadas com todos os instrumentos à disposição do poder político que os estados-nações têm para a guerra, incluindo a suspensão dos sistemas de regulação do uso da força pelo estado-nação, a suspensão de todas as regras de a vida cotidiana que os cidadãos geralmente seguem, como bons cidadãos, obrigando os cidadãos a mudar de vida, a pretexto da protecção da sua saúde.

O que todos esses estados-nações fazem para reassegurar a sua soberania, as medidas que tomam e o que isso nos diz sobre o que são os estados-nação e os cidadãos, esses serão tópicos para o próximo post 2. Como é que todos esses estados concretizam a guerra para recuperar os seus direitos de autoridade nos respectivos países e como ligam isso com as suas relações com países estrangeiros, esses são tópicos para o post 3.

De facto, há muitas coisas realmente estranhas a acontecer: um sistema de saúde que deve ser protegido contra muitos cidadãos doentes; pessoas saudáveis forçadas a não adoecer; para combater um vírus que não conhece o que é uma fronteira, os Estados-nação levantam fronteiras; estas são reerguidas onde eram amplamente desconhecidas, como na Europa, de forma mais intensa do que antes; além disso, os cidadãos de nacionalidade estrangeira são, expulsos dos países por todos os estados-nação para não sobrecarregarem o sistema nacional de saúde, os mesmos estados-nação que se preocupam tão radicalmente com a saúde dos cidadãos. Há muitas outras coisas estranhas.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.