Breve apresentação da minha perspectiva de libertação do império

Como estudar a revolução (a totalidade) e a ordem (a discriminação; dividir para reinar) como potencias utópicas coexistentes, em vez de exclusivistas e divergentes? Como compreender a natureza humana que sustenta a divergência cultural no quadro do reino animal? De que modo as concepções que temos da existência decorrem da experiência e nela se integram, incorporando-se nas sociedades?

Complexidade descreve melhor as experiências sociais do que maniqueísmo

Estas são perguntas científicas de base que me interessa ver clarificadas.

Para me classificar, diria que sou abolicionista pragmático. Abolicionista por parte dos direitos humanos e das prisões, pragmático do lado da sociologia da consciência.

Perspectivo a identificação dos mecanismos sociais de produção das injustiças para os abolir, tendo em conta a natureza humana e as evoluções culturais incorporadas e institucionalizadas associadas a cada uma das injustiças (Hulsman, 1993; Mead, 1924). A história caracteriza-se pelas sucessivas libertações de tomadas de consciência que reduzem os fenómenos de injustiça identificados e mais traumáticos pela ostracização de quem neles participe, por exemplo proibindo-os. A erradicação de tais injustiças dificilmente será possível. Mas podem ser reduzidas drástica, mas não definitivamente. Foi assim com as abolições da escravatura, do clericalismo, do capitalismo, do colonialismo, do patriarcalismo.

Não acompanho a crítica artística, a aliança entre as ciências sociais e as humanidades. Parece-me vulnerável aos vieses ideológicos que retêm a ciência de progredir. Reforça a divergência cultural naturalizando-a (Snow, 1956), o que inibe o estudo da totalidade (natureza e humanidade). Não acompanho a crítica científica das ciências sociais estasiadas a observar a ordem (economia e estrutural-funcionalismo), limitando à superficialidade os estudos de panos de fundo, como a violência e o império. Reduzindo à vacuidade e à instrumentalização as disciplinas especializadas e estanques entre si, como as relações internacionais ou a antropologia fazem com o império e a violência.  

A crítica científica das ciências sociais que desenvolvi, o abolicionismo pragmático, procura na vida animal, nas emoções mentais e corporais (Damásio, 2017), a sociogénese dos comportamentos e dos pensamentos socialmente organizados (Foucault, 1999). Usa o conceito de estados de espírito (Alberoni, 1989) para estudar a totalidade em evolução (sequências de estados de espírito dominantes) e a ordem instável fundada e reconhecível em tipos específicos de expressão do self (Bateson, 1987). Procuro formas de tornar translúcidos as barreiras que separam os campos e os níveis de realidade socialmente e empiricamente produzidos. O conceito de estados de espírito pode ajudar a cumprir essa função. É nisso que trabalho actualmente.  

O império e o espírito imperial são conceitos centrais para a crítica das ciências sociais resignadas a dividir-se em barricadas ideológicas bipolares.  A dominação pelo império resistiu a todas as tentativas de o abolir e globalizou-se em torno da missão de explorar a Terra.

O espírito marginal (Dores, 2012b) é mais favorável à experiência e compreensão da totalidade. A capacidade de desinvestir num determinado rumo de investigação e passar a outro é sinal de despojamento no processo de hiperespecialização profissional na investigação que resulta das políticas científicas de mobilização e controlo dos cientistas para fins imperiais. O espírito de submissão (Dores, 2012a) é mais favorável à incorporação das discriminações dominantes que podem ou não ser tornadas conscientes.

Frequentemente, as teorias críticas – como o mau estar social produzido pelas dissonâncias morais e pelo sofrimento ético (Rolo et al., 2022) resultante da submissão à missão imperial – ficam-se pelos queixumes (Scott, 2013). Em vez de tentar atingir a totalidade, acompanham e respeitam as políticas de dividir para reinar, reforçando-as ao colocarem-se do lado das oposições em vez de denunciarem o império.

O imperador reconhece o valor de uma cientista social

Este espírito de subordinação, que é o estado de espírito que melhor caracteriza as ciências sociais dominantes, académicas e críticas, recusa tomar consciência dos modos (imperiais) de produção das discriminações sociais. Em particular, o facto de as ciências sociais terem desistido de conquistar o estatuto científico (Nunes, 1973), alegando que já são o mais científico que se pode ser perante a sociedade (presumindo natural e incontestável a divergência cultural e, portanto, anti-natural a natureza humana). O espírito de subordinação transforma todos os profissionais das ciências sociais em instrumentos de legitimação da missão imperial de explorar a Terra/natureza.

Referências:

Alberoni, F. (1989). Génese. Bertrand.

Bateson, G. (1987). Natureza e Espírito – uma unidade necessária. D. Quixote.

Damásio, A. (2017). A estranha Ordem das Coisas – a vida, os sentimentos e as culturas humanas. Circulo de Leitores.

Dores, A. P. (2012a). Espírito de Submissão. Editora CRV.

Dores, A. P. (2012b). Espírito Marginal. Editora CRV.

Foucault, M. (1999). Microfísica do Poder. Graal.

Hulsman, L. (1993). El enfoque abolicionista: Políticas criminales alternativas. El Poder punitivo del Estado. Criminologia critica y controlo social. NeoPanopticum – Derecho, Criminologia y Ciencias Sociales, 75–104.

Mead, G. H. (1924). The genesis of the self and social control. International Journal of Ethics, XXXV, 251–277.

Nunes, A. S. (1973). Questões Preliminares sobre as Ciências Sociais. Cadernos G. I. S., n.° 10.

Rolo, D., Varela, R., & Santa, R. dela. (2022). Observatory of Living and Working Conditions.

Scott, J. C. (2013). A Dominação e a Arte da Resistência – discursos ocultos. Letra Livre.

Snow, C. P. (1956). Duas Culturas. D.Quixote.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (17 de Setembro de 2023). Breve apresentação da minha perspectiva de libertação do império. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvq7


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search