Quando a esmola é muita, o pobre desconfia…

Os políticos duros que usaram a arma da xenofobia, uma década atrás, para debelar as consequências da falência do sistema financeiro global, gerando uma onda de racismo na política ocidental, aproximando a cultura da nossa classe política da cultura das ditaduras rivais, na Ásia, tornaram-se protectores da saúde das populações, a exemplo da República Popular da China. Os que diziam que se deveria deixar de dar tratamento adequado a doentes com idades acima da idade máxima de reforma, são campeões da solidariedade intergeracional para com os mais idosos, vítimas mais prováveis da pandemia.

As teorias críticas pensam que o estado serve para organizar os recursos humanos, educados e saudáveis, para que possam ser integrados na economia nacional e global. Se assim fosse (e talvez o seja, em parte), como explicar a iniciativa global de paragem da produção e da actividade económica, de cujo crescimento – segundo a ideologia ainda dominante – depende a possibilidade de viver bem e melhor?

Se não é política de curto prazo para estimular o crescimento da economia, como tem sido durante décadas, o que é esta política de guerra contra o corona-vírus? Uma política de protecção dos mais idosos, que estão reformados?

Proteger os seniores

Uma explicação é a consciência adquirida rapidamente, com o exemplo da China, de que os trabalhadores podem ficar perturbados em massa face a uma pandemia. Em vez de se dirigirem aos hospitais para receber tratamento e voltarem ao trabalho, a constatação da incapacidade dos serviços de saúde de conter um grande número de mortes por pneumonia, conduziria os populares a entrarem em convulsão.

No princípio, os serviços de saúde, perante a falta de instruções sobre como minimizar os danos ou sequer fornecer prognósticos de saúde, retinham os doentes – muitos em cuidados intensivos – preenchendo rapidamente todas as capacidades instaladas e revelando a impossibilidade de não apenas a economia, mas também o sistema de saúde continuar a funcionar como estava planeado.

No século XIX, para combater a burguesia então dominante, emergiu a ideia do planeamento racional das organizações. Com a socialização da produção industrial, isto é, com a intensificação da mútua dependência dos vários sectores da economia entre si e a necessidade de ter recursos humanos disciplinados disponíveis para servir, os economistas tornaram-se também planeadores. Uns planearam de forma totalitária, como os soviéticos, e outros planearam de forma privada, como os norte-americanos. Ambos os sistemas foram postos a teste, na Guerra Fria, e ganhou a segunda forma de planeamento. Com a globalização, porém, mostrando a superioridade do planeamento totalitário, a China adoptou o regime de um país dois sistemas e tornou-se, num prazo surpreendentemente curto, delfim imperial, candidato a suceder aos EUA como nova sede imperial.

Tal como aconteceu com o tsunami de 1755, que arrasou Lisboa, então centro cultural e comercial do mundo ocidental, há quem imagine uma reacção de Deus (ou da natureza) contra as brutalidades humanas. Os animais silvestres usados no Oriente como alimentos (a olhos ocidentais) desagradáveis, vendidos em mercados especializados e semi-clandestinos, teriam sido o instrumento de vingança divina: a nova peste. Outras teorias igualmente conspirativas apontam para um efeito da guerra química que as potencias invejosas do sucesso económico e político chinês teriam plantado em território inimigo.  

Planeamentos

Em todo o caso, a verdade é que os grandes planeadores foram capazes de montar um enorme hospital em 15 dias e vieram a Itália mostrar as suas capacidades e oferecer os seus préstimos, em solidariedade. Para a China, não interessa nada se o gato é vermelho ou branco, interessa que nos defenda dos ratos. Nesse sentido, dispôs a vir à Europa mostrar como o velho espírito de concorrência nacional é uma estupidez e, sobretudo, uma incapacidade: a de planear de forma eficiente. Fazê-lo implica solidariedade, mesmo que totalitária – já que a ecologia e as pandemias, como o comércio e a poluição, são globais e não conhecem fronteiras. Mas fazê-lo é também uma forma interesseira de fazer política: prestigiar o estado não como explorador e poluidor mor, mas como protector dos idosos.

Quando um médico chinês, entretanto falecido, deu o alarme do corona-vírus, foi humilhado pelo governo local e reprimido na sua ansiedade, à moda das práticas políticas chinesas (que continuam em uso). Ele foi reprimido por estar a querer dar mais atenção aos seus doentes do que às necessidades de hegemonia política do partido. Quando a invasão dos hospitais com pessoas aflitas da sua respiração perturbou o planeamento de saúde, a memória do alarme foi recordada e registada como falha de planeamento. Substituída a equipa dirigente da região, foi decidido construir um novo hospital em tempo recorde, para dar satisfação ao povo e, ao mesmo tempo, mostrar o enorme poder do estado chinês; aos chineses e ao mundo.

Como numa guerra, a revolta contra os dirigentes transformou-se, mesmo antes de ser sentida pela população, num processo de mobilização geral contra um vírus, um inimigo invisível, mas mortífero. A racionalidade clínica acusa a natureza, os vírus, e os animais selvagens que os transportam, de serem as causas singulares da possível epidemia de mortalidade respiratória, mesmo antes de saber do que estava a tratar. No improviso, o planeamento foi substituído pela intuição política. A submissão da poderosa República Popular da China às orientações da Organização Mundial de Saúde foi uma forma de dividir responsabilidades e conhecimentos de planeamento. Em vez de impor a vontade do partido, o partido colocou-se como se estivesse ao lado do povo, para o proteger do perigo externo a ambos e às relações que dirigentes e dirigidos mantêm entre si.

Todo o mundo copiou, com mais ou menos demora, o exemplo chinês. Os planeadores admitiram a sua derrota, ao menos temporária. Foram substituídos pelos epidemiologistas, treinados em exercícios de planeamento mais social e menos económico; mais prestação de cuidados conforme as necessidades de cada um e menos combates de mérito e de poder hierarquizados, medidos pela acumulação de valor.

A legitimidade do poder de estado depende das acções populares

A pandemia mostrou como, ao contrário das ideologias dominantes, não é a economia que cuida das sociedades e das pessoas. São as pessoas, as que não fazem planeamentos para enriquecer, quem sustenta primeiro os estados e os seus dirigentes, atribuindo-lhes a respeitabilidade e a representatividade de que tantas vezes abusam, e esperam deles uma orientação para que uma vida melhor venha a acontecer, um dia. Quando os estados dão prioridade ao enriquecimento dos mais ricos, enquanto dizem que isso é bom para todos, os povos admitem a sua ignorância e colaboram, com maior ou menor vontade. Perante uma pandemia que atingisse todos os mais velhos, que sociedade ficaria sem reacção, sem acusar alguma coisa ou alguém por tal desastre?


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.