Solidariedade nos cuidados

Solidarity in care (English version)

É estranho, após décadas de terror financeiro, em que o ministro das finanças ditou o que se podia e não podia fazer; desperdiçar dinheiro para compensar o “mal parado” do sistema financeiro, empurrar os salários para baixo e privatizar serviços públicos vitais – água, electricidade, saúde, transportes, etc. – dizendo que essa era a única receita universal para o crescimento da economia, sem o que nenhum dos males sociais teria solução, quando se vislumbra um mal maior – uma pandemia global –, as finanças deixaram de ser a primeira prioridade.

Quer dizer, os mesmos que humilharam a Grécia, obrigando-a a renegar a sua vontade democrática inequivocamente registada para sempre em referendo, vêm agora dizer que não querem que as populações sofram de virose. Os que fizeram dos problemas financeiros casus bellis, que em vez de o dirigirem contra os seus fautores, protegeram as administrações dos bancos, sacrificando as populações, tornando a mentira, as fake news, parte do nosso quotidiano, como no caso das guerras alegadamente humanitárias contra o Iraque, o Afeganistão, a Líbia, a Síria, vêm agora mobilizar-se para protecção da população.

Terror financeiro

A teoria crítica afirma que o sistema de saúde serve para manter os trabalhadores em condições para poderem trabalhar com a maior intensidade e durante o mais tempo possível. A teoria da biopolítica diz que esse desejo de trabalhar é transmitido às populações em modo de incorporação: são as próprias pessoas que querem sujeitar-se à disciplina laboral, querem sacrificar-se para o bem da sociedade e para alimentar as respectivas famílias.

Estas teorias são desmentidas pelos factos actuais. A iniciativa de parar a produção partiu de um dos estados mais autoritários do mundo, no auge de uma competição global pela hegemonia imperial. Isso coocorre quando as bolsas vivem igual queda, ou maior, do que as crises de 1929 e 2008. Muitos trabalhadores foram forçados a estarem sem trabalhar, de quarentena em casa, para evitar os efeitos de uma pandemia que, se forem efectivamente evitados, podem levantar suspeitas sobre quem dirigiu esta operação global, a Organização Mundial de Saúde: qual a cota parte de interesse das farmacêuticas estará a induzir todo este alarme, pergunta-se nas redes sociais?

Portanto, os políticos alegadamente vergados pelos interesses económicos, desta vez (na verdade, mais uma vez), decidiram a favor das populações. O que é que lhes deu? Talvez a pergunta deva ser feita de outro modo: o que é que nos deu? O que é que nos está a dar?

Prioridade aos cuidados de saúde

Há quem veja nesta mudança brusca de atitude política uma oportunidade de revisão das políticas vigentes nas últimas décadas. Na verdade, já é tempo de mudar, vistos os resultados social e ecologicamente desastrosos da globalização, que já nem os EUA ou a Grã-Bretanha querem para si. É uma oportunidade para os democratas desenharem novas políticas anti-autoritárias, em dois sentidos: contra as propostas nazi-fascistas em ascensão no eleitorado e contra as políticas do discurso único que se alhearam dos interesses populares.

Fala-se de assegurar às empresas e trabalhadores prejudicados por esta paragem forçada da produção os rendimentos suficientes para manterem a sociedade a funcionar, isto é, para que as pessoas possam manter um nível de cuidados adequados à sua sobrevivência. Fala-se de que, uma vez terminada a pandemia, se devam restaurar as condições mínimas de funcionamento e disponibilidade dos serviços públicos de saúde e de educação para que possam ser resilientes e protectores em situações de elevado risco, como é o caso por estes meses.

Perante estas sugestões, possibilitadas pela nova conjuntura política, podemos imaginar, no próximo futuro, dois cenários. Um é de retorno ao cinzentismo financeiro a reclamar que nos sacrifiquemos a trabalhar para pagar as dívidas alheias. Outro cenário é sairmos revitalizados disto e abertos a transformações que visem patamar de protecção existencial que tem sido negado, nas últimas décadas.

A diferença entre os dois cenários, é que no primeiro, depois da tormenta, vamos voltar a olhar para o passado – o nazi-fascismo para uns, o estado social para outros – como modelo mental do que se pode esperar viver no futuro. Uma espécie de “Oh tempo, volta para trás”! No segundo cenário, a esperança irromperia nas nossas vidas, inspirada pelas centenas ou milhares de trabalhadores da saúde que, depois de décadas de humilhação profissional, não negociaram antes de se oferecerem para ajudar indiscriminadamente nos cuidados às populações.

Se isto servir para aprender a pensarmos com largueza de espírito, aprenderemos a ser mais felizes, porque é esse o efeito que tem a esperança partilhada nas nossas vidas. Aquilo que ainda há pouco tempo parecia uma anedota, pode tornar-se uma prática de solidariedade social transformadora. O rendimento básico incondicional, assegurar a todos e cada um que não sofrerá de miséria, mesmo que não trabalhe. Será (se for uma decisão democrática, e não um bodo aos pobres) uma forma de acudir às empresas e trabalhadores que vão sofrer com a situação. Lembrem-se das milhentas pequenas empresas e trabalhadores, como no turismo, a que os patrões não vão querer mais ver enquanto durar a pandemia. O rendimento básico incondicional – se for politicamente assumido democraticamente, e não imposto – será, também, uma forma de tornar a vida de toda a gente uma vida cidadã. As estatísticas mostram que mais de metade do país, aumentados agora pelos que passarão a viver em pobreza a partir de agora, não participa em nenhuma actividade cívica, em larga medida por falta de recursos e por estar convencida de que a sua existência ou acção é irrelevante para influenciar o rumo dos acontecimentos e a acção de quem nos governa.

Guerras imperiais

Trata-se de conter a pandemia da competição nos níveis sociais mais elevados, onde a meritocracia saudável, que nunca existiu, pode ser substituída, como vantagem, pela competição por solidariedade incondicional, sem paternalismos e discriminações, nem controlos sociais ou policiais (que são o ovo da serpente nazi-fascista).

Uma tal situação política, que desse nova prioridade aos cuidados com a população, sem estigmatizações nem chantagens (“quem não trabalha não come”?), aproveitando a actual conjuntura de unidade, teria consequências sociais e económicas profundas. Em vez de medo das transformações, o racionalmente recomendável é aceitar os riscos de cuidarmos mutuamente uns dos outros. Talvez haja aí, também, alguma resiliência a pandemias futuras, que desta vez não fomos capazes de desenvolver.  


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.