Emoções manipuladas pelos impérios

A Grande Transformação realizada na primeira metade do século XX foi militar, burocrática, nacionalista, internacional e pode estar a esgotar as potencialidades da estratégia imperial adoptada. O ambiente de ódio ressurgiu um século depois. Purifica o amor à nação canalizando o ódio para o estranho fabricado pelos estados e pela ignorância.

A explicação para a ocorrência da II Grande Guerra mantém-se um dilema por resolver. Como é que os principais países civilizados e vizinhos, na Europa e no extremo-oriente, se deixaram envolver em guerras desastrosas e criminosas?

São famosas as explicações de Hannah Arendt e de Norbert Elias: a banalização burocrática do mal e os resquícios da cultura aristocrática das elites alemãs. Ou seja, os resquícios do tradicional gosto da violência de que a civilização tenta libertar-se, mas nem sempre funciona bem, em Elias. A condenável desmobilização da empatia provocada facilitada encoberta pela burocracia moderna, em Arendt.

Ambos os autores referem as lutas e evoluções, sociais e psicológicas, pela conformação e repressão de estados de espírito como causas potenciais das guerras. Porém, a explicação dominante, incluindo na Alemanha, é que a culpa foi dos alemães que se deixaram seduzir pelos nazis. Estes ofereceram em sacrifício aos alemães os judeus, a solução final, em nome do Reich por mil anos, em memória do Império Romano.

Uma terceira explicação é citada por Polanyi: as “nações despreocupadas” dos impérios multiculturais, como o austro-húngaro, o alemão, o otomano, o russo, elevaram os sentimentos xenófobos a racismo institucional de “tipo coriáceo de nação“. O espírito imperial passou a centrar-se em nacionalismos promovidos por estados-nação utopicamente etnicamente homogéneos para afirmar a superioridade messiânica das respectivas raças e culturas em competição. Assim se mobilizou a “carne para canhão” e submeteram os povos vencedores e vencidos ocidentais às urgentes tarefas de reconstrução, incluindo a reconstrução da comunidade internacional.

Esta nova política imperial centrada em estados-nação iguais em dignidade por direito, mas não de facto – como o mostra a composição do conselho de segurança da ONU –   inclui os novos países surgidos da descolonização. Novos estados-nação cujas fronteiras foram desenhadas artificialmente nas chancelarias europeias, convencidos de estarem a lutar contra o imperialismo reforçaram-no alinhando com o neocolonialismo.

O Terceiro Mundo ou países em desenvolvimento, à custa das ambições imperiais que adoptaram ao constituir estados independentes das metrópoles, importaram as tensões fratricidas imperialistas que se continuam a traduzir em guerras por procuração. Com a crise da globalização, estados herdeiros de impérios tradicionais que se tornaram fortes centros de acumulação de riqueza, como a China, a Rússia, o Brasil, a Índia ou a África do Sul, reunidos agora nos BRICS, procuram novas estratégias para actualizar a mesma missão imperial de explorar a Terra sem a hegemonia dos EUA.

O que esteve no centro do belicismo da primeira metade do século XX foram as contradições do império: o ódio-amor das pessoas e das instituições às intenções de grandeza e glória imperiais. Vividas a nível nacional, estas emoções justificaram os sacrifícios da guerra e do trabalho das sociedades envolvidas, bem como o antagonismo contra os estrangeiros. O amor-próprio social e individual identitariamente ligado à nação, por via da intensa propaganda cultural, escolar e linguística, por via das fidelidades administrativamente criadas nacionalmente, mascarou o ódio às ambições imperiais em teorias da conspiração: acusações à dissidência de ser cúmplice ou até agente secreto de impérios estrangeiros, comunistas, muçulmanos, russos e outros a definir à medida das necessidades e das ocasiões.

O amor à nação e aos seus símbolos tornou-se principal motivo de solidariedade entre as pessoas, cada vez mais envolvidas em competições para organizar a vida quotidiana. O ódio inibido foi sublimado contra a natureza, os chefes, os competidores. Os estrangeiros, como os nómadas, refugiados ou imigrantes, tornaram-se alvos impotentes que ninguém se atreve a proteger para evitar o risco de ser contaminado pelo ódio que lhes é dirigido.

No pós-guerra, deu-se a maior intensificação de trabalho jamais vivida, por via da mobilização das mulheres como trabalhadoras, e por via educativa e tecnológica, e por via de projecção global dos sistemas capitalistas para lá da sua área de influência anterior. As políticas discriminatórias de género características do século XIX foram sendo aliviadas e hoje a prioridade da política de igualdade de género acompanha o aumento das desigualdades sociais. Isto é, a intensificação sem compensação do trabalho vai de par com o direito das mulheres de serem trabalhadoras, o que no século XIX apenas os homens poderiam ser.

Estilo de vida moderno

Na segunda parte do século XX, o crescimento económico ocorreu. Mas a partir da crise do petróleo, em meados dos anos 70, o crescimento da economia, apesar ou por causa do crescimento dos sectores de serviços, não voltou a ser o necessário para manter a funcionalidade social prometida pelas instituições internacionais. O que passou a acontecer nos países desenvolvidos foi que todo o valor acrescentado passou a alimentar os lucros, que cresceram, mantendo ou diminuindo a parcela do trabalho. A nível internacional, a exportação de capitais e de indústrias produziu crescimentos económicos e salariais no antigo Terceiro Mundo, que se redenominou Sul Global.

A partir da solução encontrada para resgatar o sistema financeiro global falido em 2008 – pôr os contribuintes a funcionar como accionistas dos bancos para assumir as despesas, que não os proveitos – as ideias neo-nazis voltaram a ganhar credibilidade do espaço político, um século depois. Com a guerra na Ucrânia, a disputa bélica directa entre potências civilizadas restabeleceu-se, substituindo a guerra contra o terrorismo e a radicalização islâmicos declarada em 2003. Ocidente e Rússia argumentam contra os impérios e contra os totalitarismos, que imputam aos inimigos. Perante isto, a impotência dos povos face à guerra imperial, resta esperar que a estratégia MAD (acrónimo que em inglês quer dizer ”loucura” e se refere à frase “mútua destruição assegurada”, i.e., ao fim do mundo) volte a ficar associada à abstenção de uma temida guerra nuclear.

Ao contrário da primeira parte do século XX, hoje as alterações climáticas são evidentes, os governos insistem em que apenas o crescimento da economia resolverá os problemas e as pessoas descrêem. A economia verde é anunciada como conciliação entre a continuidade da necessidade do crescimento e a ecologia. Embora, a pretexto da guerra, as maiores potências fazem volta atrás nas políticas verdes, que os críticos dizem ser apenas uma fachada para tudo continuar como antes. Logro ou não, como desesperadamente nota a ONU, a necessidade de combater as alterações climáticas não está a ser prioritária para os estados. A guerra, sim.

Entretanto, as pessoas estão viciadas em viver fora da realidade, através do ciberespaço. Vive-se a sensação de impotência e alienação perante o retorno dos mesmos problemas que se pensou serem impossíveis de viver em civilização, agora agravados pela crise ambiental. Fracas ideias de civilização, e de império, têm sido produzidas e utilizadas. Têm servido para fazer a apologia da missão imperial e dos seus instrumentos dilectos nesta fase histórica – o capitalismo e o estado-nação – e para inibir ou mesmo reprimir a ciência centrífuga, a que faz perguntas de fundo cuja resposta está inibida pela construção imperialmente condicionada das identidades sociais.

O ódio-amor aos impérios tem sido gerido usando inimigos sociais, no século XIX, e nacionais, no século XX. De modos complexos, o ódio e a violência institucional têm sido canalizados de forma não assumida para inimigos capazes de purificar moralmente o amor incondicional aos estados-nacionais e à missão imperial que todos continuam a perseguir.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Porque é que é comovente falar das duas culturas?

As ciências sociais herdaram da religião a retórica de esconder com uma mão aquilo que se faz com a outra e comover as pessoas com isso. A dualidade é uma retórica apropriada às emoções modernizadoras: belicista e simplificadora. A moral é substituída pelo moralismo, a consciência pelo alinhamento, a reflexão pela especialização. A religião institucionalizada, cuja função principal é religar as partes da sociedade em solidariedade, tem uma grande e antiga experiência em dividir para reinar e em reconfortar as vítimas de tais políticas, manipulando-as emocionalmente.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (11 de Setembro de 2023). Emoções manipuladas pelos impérios. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvq5


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search