Luta de classes e divisão das ciências são obra do império

A meritocracia é um aspecto escolar e profissional de uma política geral de dividir para reinar. Os aspectos laborais e cognitivos da meritocracia reforçam-se mutuamente. A linha divisória laboral-cognitiva é notória: separa com sentimentos de repugnância e de contrariedade a natureza da humanidade, o trabalho dos lugares de decisão, as massas das elites. Sentimentos confrontados tacitamente em As Duas Culturas.

Para efeitos da consecução da missão imperial actual, a humanidade é pensada e tratada como interface entre os superiores desígnios imperiais e a natureza. A humanidade é pensada como trabalhadora, mas sem capacidade de se auto-determinar. Por um lado, a humanidade é semelhante às elites e, em solidariedade com elas, deve constituir-se em base de apoio à missão imperial. Por outro lado, em contraste com as elites, a humanidade está reconhecidamente imersa e dependente da natureza: só as elites a podem resgatar dessa perigosa dependência. Esta humanidade parecida, mas claramente distinta das elites, é a única fonte de recursos humanos (ou mais-valia, na formulação de Marx) indispensáveis às elites capitalistas. O capitalismo é o estado supremo do império moderno.

Subir na hierarquia social e das classes sociais representa maior autonomia dos constrangimentos ambientais e sociais que o dinheiro, nas sociedades consumistas, teoricamente pode comprar. Os resultados práticos estão hoje à vista: a crise ambiental estrutural, perante a qual a sociedade viciada em prosseguir a missão imperial sem a questionar se revela incapaz de reagir.

Durante uma trégua num campo de refugiados na Síria, segunda parte da segunda década do século XXI

Segundo David Ricardo, um dos fundadores da economia, o salário representa o valor das necessidades fisiológicas dos trabalhadores, a satisfação da parte natural das pessoas que vivem para apoiar e realizar as missões dos seus empregadores, em troca da sobrevivência tutelada. O lucro, por outro lado, é o saldo final das actividades da exploração da Terra e dos seus recursos, incluindo os recursos humanos.

Apesar das leis, teoricamente, se aplicarem por igual a todas as pessoas, a economia – reconhecem as ciências sociais – produz ou pelo menos reforça desigualdades sociais. A natureza humana, os direitos naturais, como os direitos humanos, são iguais para todas as pessoas, com a diferença de que há muita gente a quem, na prática, não se aplicam, seja porque passam fome ou não dispõem de habitação condigna, por exemplo. Economia e direito são, pois, disciplinas não dialogantes que apresentam dinâmicas sociais contraditórias entre si. É cada pessoa que enfrenta individualmente as contradições que daí advêm. Por isso, a consideração da natureza humana partilhada por todas as pessoas, indivisível, empiricamente observável, é politicamente descartada a favor do isolamento intensamente reproduzido institucionalmente do Homo Economicus e o Homo Juridicus, do mercado e do estado.

A natureza humana é o objecto privilegiado para reunir colaborações entre as ciências da natureza e ciências sociais, entre as ciências centrípetas e as ciências centrífugas, entre as humanidades e as ciências, entre as experiências artísticas e as científicas, a que se refere de forma difusa e emocionante Snow, autor de As Duas Culturas.

Todavia, ao serviço à missão imperial, a colaboração da economia e do direito é assunto tabu. O mesmo ocorre com a violência envolvida na reprodução dos impérios modernos, tratada também unilateralmente por disciplinas como a criminologia e as relações internacionais.

O sentido da acção empresarial é assunto privado. É assunto dos capitalistas e de políticos. Está privatizado em nome da propriedade privada e da soberania. Assuntos tratados pelas elites e à margem dos povos. A estes cabe seguir as elites ou, em caso de haver democracia, escolher entre as elites quem conduz os destinos colectivos.

A separação das ciências em disciplinas estanques compagina-se e serve o trabalho imperial de produção e reprodução da diferente natureza social das elites e dos trabalhadores. As primeiras são livres para escolher os seus desígnios mais ou menos imperiais, humanitários ou empresariais. Os segundos são reduzidos às suas funções vitais para estarem aptos a colaborar na divisão de trabalho especializada ao serviço dos desígnios superiores decididos em privado pelas empresas e pelos estados. As classes intelectualizadas desejam ser livres para decidir o seu destino, como as elites, mas fazem-no a trabalhar no quadro cognitivo espartilhado que as ciências reproduzem, como quem está num labirinto. E trabalham de modo cada vez mais proletarizado.

Estimulação das massas

Por outro lado, as elites também obedecem a um guião pré-fabricado: o entendimento de natureza e de trabalhadores como inimigos, obstáculos, resistências às inovações imaginadas superiormente. Os trabalhadores podem ser estimulados, acenando-lhes participação nos negócios, segurança nas dificuldades, glória por atingir objectivos, ou outros incentivos, como as guerras identitárias. Apesar das lutas anti-imperiais, como as de abolição da escravatura, do clericalismo, do capitalismo, do colonialismo, do patriarcalismo, a desqualificação social dos trabalhadores mantém-se. Isso não decorre apenas da vontade de discriminar das elites – gosto partilhado também pelos outros grupos sociais, estimulado sob a forma de jogos por políticas de dividir para reinar. Isso decorre da necessidade de manter o rumo da missão imperial de exploração da Terra e dos seus recursos humanos. Sem discriminação social, sem divisão de trabalho, sem divisão das ciências naturais e das ciências sociais em tecnociências privilegiadas e ciências centrífugas vigiadas e controladas, a missão imperial de acumular riqueza independentemente do bem-estar da natureza e da humanidade não poderá prosseguir. Nem as elites encarregues de acumular riqueza e de decidir os rumos dos impérios poderão manter os privilégios.

A ciência privilegia o modo experimental de pensar, fixando as condições em que as experiências decorrem para melhor controlar cada variável isoladamente. Na realidade, porém, as situações em que apenas uma variável tem liberdade de agir só acontecem com forte intervenção humana, como numa fábrica ou numa instituição especializada, conduzida por saberes específicos, desenhados para facilitar a privacidade das decisões estratégicas e escamotear a sua funcionalidade com a missão imperial que unifica todas as elites. O estado actual das ciências, baseadas em experiências controladas, deixam de fora do seu campo de observação a esmagadora maioria dos fenómenos que não são ou não podem ser controlados experimentalmente – nomeadamente os fenómenos sociais.

Há fortes resistências à continuidade do caminho encetado no século XIX para transformar a filosofia social em ciência. As ciências sociais pré-científicas estanques e à margem das ciências naturais imaginam-se irremediavelmente distintas, necessariamente ideológicas, e incompatíveis com a natureza. Tendo presente os desígnios da missão imperial moderna, percebe-se a mão das políticas científicas para conter as ciências da natureza e sociais nos limites das ciências centrípetas, hiperespecializadas, feita de subdisciplinas desejosas e incapazes de se relacionarem mutuamente.    

A natureza e os seus recursos humanos, para efeitos da missão imperial, devem ser controlados de forma experimental, segundo a lógica da tentativa-erro. As ciências aplicadas devem servir esse propósito, através das ciências centrípetas ou tecnociências. As ciências, em paralelo coma divisão de trabalho, têm-se desenvolvido de modo hiperespecializado ao serviço da missão. E assim se caracteriza a lógica das políticas científicas a que Snow, em As Duas Culturas, notou a violência e irrazoabilidade cognitiva. O êxito editorial revela um sentimento bastante divulgado. A inexistência de consequências políticas revela a dificuldade de ajustamento da satisfação das emoções dos artistas e dos cientistas às políticas científicas e universitárias.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Emoções manipuladas pelos impérios

A Grande Transformação realizada na primeira metade do século XX foi militar, burocrática, nacionalista, internacional e pode estar a esgotar as potencialidades da estratégia imperial adoptada. O ambiente de ódio ressurgiu um século depois. Purifica o amor à nação canalizando o ódio para o estranho fabricado pelos estados e pela ignorância.



Citar este post
Antonio Dores (2023, 8 Setembro). Luta de classes e divisão das ciências são obra do império. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 18 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvq4

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search