Construir identidades é optar entre estados de espírito

As identidades das diferentes entidades sociais, pessoas, grupos, organizações, civilizações, são reconhecíveis por conterem invariantes – arquétipos – que são alvos de esforços sociais de adequação às emoções vividas. Os estados-de-espírito são instrumentais nas mediações entre as vontades e as capacidades de manter e transformar a vida social.

Estados-de-espírito são instáveis, como as sucessões de emoções representadas por actores. Mas são também arquétipos, primordiais, ancestrais, estruturais, reconhecíveis, imitáveis, interpretáveis, uns mais clássicos que outros. São combinações de intenções e trabalho, vontade e energia. Cada selecção de estados de espírito usada em certos tipos de situação serve de afirmação de identidades sociais. Identidades apresentadas e desenvolvidas em negociações e conflitos que marcam as vidas das pessoas e das gerações.

As identidades são, pois, específicas e diferentes entre si. O reconhecimento de identidades pela sociedade (os selves) e a difusão por imitação de alguns dos seus traços (as modas) são fenómenos importantes da vida social.

Será melhor separar homens e mulheres, criando estados-de-espírito masculinos e femininos, ou misturar a população e libertar as orientações sexuais espontâneas das pessoas, sem as classificar? Estas questões estão na ordem do dia.

O facto de a discriminação sexual ser um dos critérios clássicos de diferenciação das pessoas causa traumas profundos. Para a maioria das pessoas a diferenciação entre sexos é genética e nada tem de social. Questionar essa certeza é desinteressante para a maioria das pessoas, que não perde tempo dando-lhe atenção. Para uma minoria favorável ao status quo, levantar o problema é intolerável. Para outra parte envolvida nos conflitos de género, é indispensável “sair do armário” e contar histórias difíceis de acreditar.

Aquilo que parece natural e justificar opressões várias, problematizado por movimentos sociais contra as discriminações, revela-se uma estrutura subjectiva profundamente ancorada no inconsciente: a concepção binária da sexualidade, homóloga de As Duas Culturas. Revela-se uma questão de civilização.

Uma tal tomada de consciência pode ser libertadora e/ou dolorosa. Mas será suficiente para transformar as práticas sociais? E como discriminar sexos e sexualidades sem discriminar pessoas?  Eis dois problemas com que a Igreja Católica se confronta hoje, a pretexto dos escândalos dos abusos sexuais de crianças.   

A generalidade das pessoas evita tomar decisões a esse respeito e expô-las. Diz-se por isso que é assunto tabu. As decisões sobre como fazer e o que sentir a respeito recolhem à intimidade e mesmo aí podem ser evitadas. A luta dentro da Igreja Católica para levantar questão dos abusos sexuais de crianças ocupa dois papados, sem fim à vista. Mesmo tendo custado muito dinheiro em indemnizações, o assunto continua a ser ignorado ou desvalorizado por grande parte da hierarquia e dos católicos, refugiando-se quase sempre na retórica criminal: que se punam os culpados, mas se mantenha tudo o resto.

Trata-se, porém, de uma questão civilizacional. Quais são as intenções dos clérigos quando dizem que fazem a caridade de recolher crianças em dificuldades? O que fazem as instituições católicas para proteger as crianças de riscos conhecidos? O que tais intenções e tal tradição de acolhimento diz sobre o que é a missão da Igreja Católica? O que é que este problema assumido pelos Papas nos diz sobre as sociedades e a civilização para que a Igreja Católica é referência central? Haverá alguma relação de fundo entre a nossa civilização e as práticas de abusos sexuais de crianças, na sua maioria praticadas no seio das famílias?

Boaventura Sousa Santos, o sociólogo português mais internacional e prestigiado, aos oitenta anos de idade, foi confrontado com uma acusação de assédio sexista na academia. Reconheceu ser uma dificuldade prática ser coerente com a sua posição teórica de condenação do heteropatriarcalismo. Alegou ter sido educado nos 40, quando o machismo era cultura dominante.

Neste caso, não se pode alegar haver ignorância nem da existência nem do funcionamento do sexismo. O que confessadamente há é uma dissonância entre aquilo que se diz profissionalmente, como sociólogo, e aquilo que se faz na profissão, como director de um centro de investigação universitário. Dissonância que resulta da difusão para a vida profissional da contradição pessoal entre o sexismo incorporado como identidade e personalidade e a denúncia política do papel do sexismo na estruturação dos poderes capitalistas e imperiais.

Do ponto de vista civilizacional e dos estados de espírito socialmente produzidos sobre o que seja a relação entre sexo e poder, é relevante reflectir sobre a dificuldade de auto-controlo individual para reprimir o sexismo socialmente incorporado.

Conhece-se a improbabilidade de os condenados por crimes de abusos sexuais aprenderem a controlar os impulsos criminalizados, tão profundamente os estados de espírito abusadores estão neles incorporados. Pode haver alguma relação entre a exposição a actos abusivos praticados por terceiros, inclusive contra a pessoa, e a incorporação de disposições abusivas. Mas este tipo de violência convive com ambientes sociais tidos por especialmente seguros, como as famílias, os infantários, as escolas, as igrejas. Como compreender os encobrimentos dos crimes pela hierarquia da Igreja, pelas Universidades ou pela famílias onde os abusos se vivem, e a indiferença secular das instituições e sociedades modernas ao assunto? Não se deve perguntar o que a civilização tem a ver com isto?

Não há tempo nem energia para escrutinar todos e cada um dos aspectos da identidade herdados. A generalidade dos estados de espírito experimentados é incorporada como disposições enquanto se é criança e jovem. São as emoções que ligam pessoas e circunstâncias a cada estado de espírito adquirido. Registados em ligações sinápticas de memória e esquecimento/alheamento, os estados de espírito são mobilizados e desmobilizados. O uso, o treino, o evitamento, a vergonha, aplicados a cada estado de espírito caracterizam a personalidade individual. A personalidade evolui no tempo e em reacção às circunstâncias da vida – guerra, divórcios, morte de pessoas queridas, mudanças de casa ou emprego, escândalos, etc. Mas as invariantes mantêm-se toda a vida pela simples razão de não haver energia suficiente para as questionar e transformar.  

Como mostrou artisticamente Fernando Pessoa, a instabilidade e a especialização da modernidade e da educação aceleram o metabolismo de processamento dos estados de espírito. Além da evolução da personalidade, com a idade e as circunstâncias, as pessoas modernas, com a educação, desenvolvem a capacidade de se transformar instantaneamente, como os actores fazem, em função dos diferentes papeis sociais a que são chamadas. Submissas na família, sabem comportar-se agressivamente no desporto e de forma cooperante na profissão, conforme o tipo de porta institucional que se abre.

“O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente”.

A verdade objectiva é indissociável da subjectividade, mesmo quando é contraditória com a verdade subjectiva. Como confessou Boaventura, resolver essa teia de contradições, mesmo para pessoas educadas, pode ser tarefa impossível.

Nos casos mais comuns, como o de Rubiales, a sociedade compreende essas contradições sem as contestar. No desporto, o circo imperial moderno, o profissionalismo e as emoções à flor da pele vão de par e são o motivo do negócio global. O que tornou o caso Rubiales num caso de estudo foi a sua incapacidade de adoptar, como presidente da federação de futebol, um comportamento adequado à circunstância de solenidade – atribuição de medalhas às vencedoras – diferente daquele que se vive nos balneários. Infelizmente para ele, essa dissonância geralmente aceitável no campo de jogo, foi condenada superiormente. O espírito do excepcionalismo que faz da violência impune no desporto um acto recorrente foi, no caso em apreço, substituído pelo espírito punitivo. A FIFA puniu imediatamente o dirigente. Rubiales foi transformado em bode expiatório. As questões de fundo foram reduzidas a um comportamento impróprio.

A finalidade do jogo é contrastar a glória e a impotência

Do ponto de vista criminal, de facto, não houve abuso sexual. Se o beijo na boca não tivesse sido transmitido em directo para todo o mundo, a questão do assédio ter-se-ia levantado? O escândalo, que apanhou de surpresa Rubiales e as jogadoras de futebol, e toda a gente, revela as dificuldades sociais de questionamento de discriminações clássicas que sendo invariantes, todavia, não estão estáticas.

Usar o espírito dos balneários em cerimónias solenes é desajustado. Em situações em que as emoções andam à solta, o descontrolo emocional e os erros de comportamento são banais. A mobilização do espírito punitivo, como o poder dos árbitros, serve para fixar alguns momentos no tempo e o papel de um personagem para fins de julgamento, como se assiste os comentadores desportivos fazerem recorrentemente. Geralmente, os dirigentes e jogadores resguardam-se desse escrutínio, por exemplo, falando entre si com a mão em frente da boca para não serem escutados. Rubiales expôs-se escandalosamente e a FIFA decidiu não o encobrir. O contexto, a conquista do campeonato do mundo, foi esquecido ou, ao menos, secundarizado.

O sexismo que estrutura as sociedades actuais é indissociável e contraditório com o politicamente correcto. Esconde-se nas dobras institucionais e hierárquicas que recobrem com privacidade campos de actuação subtraídos ao espaço público. As contradições entre o que se diz e o que se faz, entre os comportamentos em privado e em público, entre as intenções e o trabalho, são vividas por mediação de estados de espírito. Os estados de espírito são escolhidos por serem os mais adequados às circunstâncias. Podem ser compreendidos na medida em que são equivalentes a experiências socialmente generalizadas. São universais na forma, pois a experiência da dissonância cognitiva e a separação entre os mundos das linguagens e das práticas é geral. É uma das características da espécie humana. São universais quando funcionam como arquétipos: são reconhecíveis por toda a gente.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Luta de classes e divisão das ciências são obra do império

A meritocracia é um aspecto escolar e profissional de uma política geral de dividir para reinar. Os aspectos laborais e cognitivos da meritocracia reforçam-se mutuamente. A linha divisória laboral-cognitiva é notória: separa com sentimentos de repugnância e de contrariedade a natureza da humanidade, o trabalho dos lugares de decisão, as massas das elites. Sentimentos confrontados tacitamente em As Duas Culturas.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (4 de Setembro de 2023). Construir identidades é optar entre estados de espírito. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvq3


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search