Arquétipos e culturas: estados-de-espírito e estados de espírito

Tal como o universo se expande e as suas consequências locais, no sistema solar por exemplo, podem ser ignoradas com erro de cálculo diminuto, também em sociedade as árvores podem esconder a floresta. A evolução das ciências sociais para um patamar realmente científico de estudos beneficia da distinção entre os panos de fundo, com a linguagem ou o estado-de-espírito, e as concretizações locais dessas características-necessidades humanas, em línguas e estados de espírito criados culturalmente e evoluídos no quadro das civilizações.  

Os arquétipos cognitivos existem. Foi isso que confirmou empiricamente José Pereira Bastos, na linha do estruturalismo de Levi Strauss. Verificou que pessoas de diferentes civilizações reconhecem tacitamente, sem serem treinadas para isso, símbolos ancestralmente utilizados para discriminar os sexos.

Existem, portanto, características culturais de toda a humanidade que não são genéticas nem culturais, em sentido estrito. Essa cultura 2.0, mais abrangente do que a cultura 1.0 discriminatória de povos, é como um pano de fundo em que vive a humanidade. É como a linguagem. Todos os seres humanos usam linguagem (cultura 2.0), embora cada pessoa e cada povo o faça à sua maneira (cultura 1.0).

Os estado-de-espírito são experiências de cultura 2.0. Mas os diferentes tipos de estados de espírito são experiências da cultura 1.0.

Todas e cada pessoa precisam de recriar sucessiva e intensamente estados de espírito adequados a cada momento da sua vida, de acordo com a necessidade de afirmação das respectivas identidades e orientados para a produção de energias sociais. É uma característica especial da espécie humana, a homeostasia recursiva. Há estados-de-espírito reconhecíveis por diferentes civilizações e culturas 1.0, como acontece com as emoções básicas e os arquétipos cognitivos. Expressam-se em concreto, nas situações, de modos moldados pelas culturas locais historicamente produzidas em função dos lugares de convivência, usando diferentes tipos de estados de espírito, como o espírito profissional, o capitalista, o operário, o camponês, o administrativo, o feminino, o infantil, o juvenil, o ancestral, e muitos outros elaborados histórica e localmente.

Negociar a guerra e a paz

Os estados-de-espírito fazem parte da panóplia de instrumentos de comunicação diplomática e bélica, empática e sacrificial. São motivo de actividade dos comentadores da vida quotidiana, como as estórias de faca e alguidar, e da política internacional, que trata de propaganda e análise geo-estrégica. São também motivo de reinterpretação a posteriori nos campos da história cultivada pela aliança entre os poderosos e os intelectuais, e do espírito revolucionário (ou estado nascente) que alia movimentos sociais e intelectuais.

Segundo a fórmula I=W(ee)2 de definição de estados-de-espírito, as intenções das pessoas, das organizações, dos países, relacionam-se com o trabalho associado em função do tipo de estado de espírito adoptado. Na prática, o que se pode observar e analisar são tipos de estados de espírito usados em concreto, interpretados por pessoas singulares, grupos, instituições, países, etc., para organizar as respectivas actividades intelectuais, psicológicas e físicas. Estados de espírito que, em certas circunstâncias, tornam transparentes os muros culturais, civilizacionais instituídos sob a forma de fronteiras e níveis. Como observa a teoria do caos, pequenos episódios recorrentes que normalmente ficam fechados entre fronteiras e níveis instituídos, como a bater de asa de uma borboleta, podem provocar tempestades. Por vezes, os sistemas fechados que normalmente protegem o todo de actividades de fraca influência deixam de ser eficazes. Os muros e níveis institucionalmente levantados revelam-se transparentes ao poder de forças fracas conjugadas.

Exemplifiquemos. O caso Rubiales foi um acontecimento desportivo mediático de grandes proporções, no Verão de 2023. No pódio da entrega do prémio de campeãs do mundo de futebol, a jogadora que marcou o único golo da final foi entusiasticamente beijada na boca pelo presidente da federação de futebol. A comunicação social questionou-se sobre a legitimidade do comportamento daquele dirigente. Vozes contraditórias vieram a terreiro. Rubiales tomou posição numa assembleia de associações de futebol e foi aplaudido. Enfaticamente disse que não se demitiria. Porém, a FIFA, Federação Internacional de Futebol, o topo de organização do futebol, demitiu-o mesmo, sendo que os apoiantes da não demissão rapidamente trocaram de lado. O governo espanhol também condenou o comportamento de Rubiales e de quem o apoiou.

O espírito supremacista naturalizado e predominante na sociedade e no desporto assume frequentemente aspectos racistas e sexistas. O racismo é institucionalmente combatido no desporto por haver sociedades multiculturais e as melhores equipas serem etnicamente mistas. Não é a primeira vez que problemas locais dessa natureza escalam e se tornam incontroláveis pelas organizações desportivas. Estas aprenderam a demarcar-se do racismo como estratégia de propaganda preventiva indispensável ao negócio. Como o desenvolvimento do desporto feminino profissional, o sexismo tornou-se uma questão semelhante ao racismo. O comportamento de Rubiales foi, nesta perspectiva, ao arrepio do que é a política das organizações desportivas profissionais, traumatizadas por fenómenos de escalada anteriores. O facto da federação espanhola de futebol e o seu presidente não terem presente essa necessidade política revela a sua ignorância sobre o fenómeno desportivo e a impetuosidade cultural do sexismo no desporto, como na sociedade.

Os estados europeus também aprenderam a prevenir-se do sexismo através das políticas de igualdade, usando-as para iludir as velhas reclamações de igualdade entre classes, agora despolitizadas sob a designação de desigualdades social. Esta bipolaridade social de políticas ao arrepio das práticas institucionais e sociais gera confusão na sociedade, incluindo nos dirigentes. A nível privado, institucionalmente controlado, racismo e sexismo circulam abundantemente. Porém, em certas circunstâncias, quando alguém com poder se comporta como uma pessoa comum, trazendo à praça pública os vícios privados, pode ocorrer o caos.

Quanto mais as desigualdades sociais aumentam, quanto mais as elites vivem em níveis de realidade estanques aos das restantes pessoas, mais se exige dos dirigentes actos politicamente correctos e palavras woke, contraditórias com as práticas discriminatórias habituais.

A excitação sexualizada e machista de Rubiales perante a vitória da sua federação na competição foi apresentada como indecorosa, nomeadamente quando deitou a mão aos seus próprios genitais junto da tribuna presidencial, junto da Rainha de Espanha, sem que tivesse havido reacção de ninguém. Também ninguém reagiu imediatamente ao beijo na boca na jogadora que marcou o golo da vitória. Todos ficaram sem saber como processar aquilo que manifestamente ninguém podia ignorar, pois fora transmitido para todo o mundo em tempo real. Foi a controvérsia mediática que levou a FIFA a cortar cerce o previsível caos, como a chamada dos públicos globais do futebol para a apreciação do sexismo no desporto. Assim se criou um movimento imparável de ostracização do presidente da Federação espanhola de futebol, para evitar uma discussão multicultural do sexismo, enquanto o despedimento de uma mulher por ter interrompido o trabalho com dores menstruais não motivou nenhuma reacção pública.

A cultura supremacista 2.0 fragilizou-se nas suas contradições – somos ou não favoráveis à igualdade? Seria admissível um presidente beijar na boca um jogador de futebol? Então o mesmo não se deve adoptar com as jogadoras? O racismo já foi motivo de descrédito dos negócios desportivos. Aprendida a lição, para que o sexismo não possa ter o mesmo efeito, a determinação da FIFA esmagou preventivamente Rubiales.

No caso do desporto profissional, a cultura supremacista 2.0 reforça-se pela competição, pela criação de negócios multimilionários com a profissionalização de jogadoras de futebol, em reclamada igualdade com os jogadores masculinos, aumentando a desigualdade entre a vida destes profissionais e as outras classes sociais. O racismo e o sexismo dominantes nas relações sociais das culturas 1.0 reproduzem-se de outras maneiras, por exemplo, através da criminalização e da escolarização. Nos tribunais e nas escolas, a influência de preferências desportivas de intervenientes qualificados, como juízes, é alvo de repúdio.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Construir identidades é optar entre estados de espírito

As identidades das diferentes entidades sociais, pessoas, grupos, organizações, civilizações, são reconhecíveis por conterem invariantes – arquétipos – que são alvos de esforços sociais de adequação às emoções vividas. Os estados-de-espírito são instrumentais nas mediações entre as vontades e as capacidades de manter e transformar a vida social.

Outros posts relacionados: Por uma sociologia dos estados-de-espírito


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (1 de Setembro de 2023). Arquétipos e culturas: estados-de-espírito e estados de espírito. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvq2


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search