Libertação do trabalho (tortura), pelo trabalho (transparente)

Qual será a diferença das características do trabalho numa sociedade como a que hoje se vive e numa sociedade sem classes? Certamente haverá sempre trabalhos penosos a realizar. O que não haverá é trabalho por conta de outrem sem que quem trabalha saiba e possa discutir todas as implicações políticas, económicas, culturais, militares e sociais do que está a fazer, para todas e cada uma das classes sociais, e pessoas afectadas. Não haverá funcionários, trabalhadores, profissionais, irresponsáveis pelos resultados dos seus trabalhos, a curto como a longo prazo.

Origem etimológica da palavra trabalho

A respeito dos grandes problemas do momento, a corrupção, a sobre exploração do precariato, a destruição ecológica global, o drama é que a maioria das pessoas integradas participa e quer participar, como explorador ou trabalhador, nos trabalhos que geram esses problemas. Dessa disponibilidade depende, acredita-se, a possibilidade de comprar cuidados para as nossas famílias e, ao mesmo tempo, manter uma identidade social reconhecível e suficientemente digna: ter uma profissão e estar empregado.

As teorias burguesas e proletárias, a este respeito, como a respeito do crescimento económico indefinido, não têm nenhuma divergência. Por isso, a corrupção é um dos temas favoritos dos neo-nazi-fascistas, em ascensão. O cada vez mais evidente desalinho entre as finalidades declaradas – dos estados, dos bancos, dos reguladores, dos tribunais, das polícias, das escolas, das competições desportivas, etc. – e as finalidades efectivamente prosseguidas na prática é directamente testemunhado pelos trabalhadores no seu dia-a-dia de trabalho. São eles quem colabora com isso, em silêncio, convencidos que se trata de assuntos que dizem respeito às classes dirigentes e não a eles próprios. Desresponsabilizam-se da condução das orientações teóricas das respectivas organizações, bem como dos resultados das respectivas actividades sociais, concentrando-se na sua função de colaboradores que lhes é imposta, sem oposição.

As esquerdas, a par do retorno ao nacionalismo, às fronteiras, ao estado social, que os neo-nazi-fascistas, como reaccionários que são, também admitem defender (voltar à situação de partida idealizada), dizem combater principalmente o neo-liberalismo – o que não afecta a extrema direita.  Dizem que a corrupção, como as injustiças dos sistemas social-policial-judicial, são inerentes ao capitalismo e, portanto, é preciso dar prioridade à estatização da economia, acabando desse modo com a corrupção por falta de corruptor activo. (Os neoliberais alegam o inverso, que na verdade é o mesmo raciocínio, embora aparentemente invertido: quando não houver estado, não será possível haver corrupção).

Os trabalhadores, de esquerda ou de direita, cada vez mais alheados das “teorias”, da prática o que lhes interessa é assegurar que recebem o dinheiro combinado ao fim do mês, que há algum respeito pelos contratos de trabalho, o que está longe de estar garantido. Nestas circunstâncias, estão completamente indisponíveis para divulgar as suas avaliações sobre o sentido do seu trabalho e também sobre o sentido do trabalho das organizações de que são parte. Temem, evidentemente, que se propuserem avançar nesse sentido sejam despedidos, ficando à mercê dos serviços sociais, que é uma condenação extrajudicial para os insolventes.

Este tipo de trabalho, o trabalho assalariado, é particularmente susceptível à violação da dignidade social dos trabalhadores, bastando para tal colocá-los no desemprego ou não lhes pagar o salário. A defesa jurídica dos desempregados está marcada pelos contratos leoninos – portanto ilegais – que são usados de forma incontestada entre empregadores e empregados: primeiro, o trabalhador oferece o trabalho e, só depois, eventualmente nunca, o patrão paga o salário (ironicamente, o patrão é aquele que as ideologias burguesa e proletária dizem que corre riscos de investimento e, por isso, recebe lucros). O estado faz precisamente o mesmo, com a agravante que pode, como fez no tempo da troika, simplesmente ignorar generalizadamente os contratos de trabalho a pretexto de cumprir, ao inverso do que estava prescrito, os contratos com os credores das empresas do sistema, em particular a banca de que os partidos e os políticos dependem para a sua actividade de dominação. Aquilo que seria a actividade privada da banca, afinal, como no 11 de Março de 1975, embora noutro contexto e de outro modo mais adequado à ideologia vigente, foi outra vez nacionalizada nos seus desvarios e falências.

A corrupção, isto é, os desvios entre as “teorias” e as práticas, entre as finalidades ideologicamente avançadas para justificar o poder das organizações e das elites que as usam em seu proveito, pessoal e sistémico, e aquilo que fazem efectivamente os trabalhadores, deve ser entendida na sua extensão máxima pelos trabalhadores. Para o que precisam de se libertar do trabalho profissionalizado, amoral, condicionado à falta de informação estratégica e de gestão, imaginada e apresentada como sendo de nível superior. Mas, sobretudo, precisam de se libertar da opressão que os impede de partilhar conhecimentos sobre o que estão uns e outros a fazer, opressão que torna possível manter a necessidade-vantagem das hierarquias, cujo trabalho é precisamente manipular os trabalhadores, um a um e no seu conjunto, dividindo-os o mais possível e escondendo a corrupção. Fingir o melhor possível que aquilo que são as justificações públicas para as actividades das empresas e dos organismos de estado – a teoria – estão a ser prosseguidas na prática.

Falta no mundo do trabalho a liberdade que se diz haver no espaço público. Falta liberdade para todos a todo o momento, em vez de liberdade limitada ao estreito campo político-mediático acessível aos oradores e escritores.

A teoria da corrupção usada pelos neo-nazi-fascistas é a mais vulgar e utilizada nos media e pelos partidos. Segundo tal teoria, só haveria corrupção lá onde os aparelhos social-policial-judicial deixam haver corrupção. O que faltaria seria, portanto, mais amplitude e liberdade para a actuação das forças repressivas do estado, para que a ordem voltasse a vigorar. Por isso se chama a tais teorias reaccionárias: jogam retoricamente com os sentimentos de insegurança das pessoas (provocada, em larga medida, pelos estados e pelas empresas), nomeadamente das desempregadas e das em risco de ficarem desempregadas, para lhes fazer crer que no passado não era assim porque haveria uma ordem mítica, que de facto nunca existiu.

O campo da política nunca deixou de ser o campo da retórica. Não interessa nada se esta retórica é irracional e não corresponde à verdade. Não interessa nem aos democratas, nem aos neo-nazi-fascistas. Quando estes últimos agora se propõem, globalmente, tornar o mundo ainda pior do que está, os eleitores, na verdade impedidos de participar nas decisões de trabalho e de política, insistem em favorecer um caminho masoquista, auto-mutilador, de endurecimento sacrificial, na esperança irracional de satisfação ou de afastamento da depressão ou burnout (que os médicos decidam como lhe chamar) que se vive colectivamente (comparada com as alegrias dos anos 60 e 70, que mobilizaram as juventudes de então).

Infelizmente, o campo universitário e da ciência nunca foi impoluto a respeito da verdade. Mas o sistema de financiamento e avaliação organizado de forma alegadamente utilitária, para servir os interesses das populações, afasta ainda mais a teoria da prática: torna ainda mais difícil valorizar a verdade. Tal como a política, as universidades e a ciência falham descaradamente as suas finalidades declaradas. Tudo está soterrado pela competição da empregabilidade, pelo profissionalismo acéfalo, estritamente técnico e especializado, como modo de subordinação que se ensina à geração mais bem formada de sempre.

Parece que os aparelhos social-policial-judicial ou universitários seriam alheios à corrupção – o que evidentemente está longe de ser o caso, como não poderia deixar de ser. Nenhum deles existe e trabalha para as finalidades que lhes são formalmente prescritas. Todos trabalham para interpretar da melhor maneira que forem capazes os interesses das classes dominantes, sabendo que é para isso que são pagos. A “teoria”, também aqui, na prática é outra. Como é evidente nos guetos criados pelos trabalhos sociais, na organização dos estigmas contra crianças pelas escolas, pela dualidade da acção policial, que defende umas classes sociais e persegue outras classes sociais, no enviesamento da população penitenciária, ou da população de licenciados, relativamente à população total em território nacional, etc. Tudo isto, que, evidentemente, todos sabemos estar a acontecer, é contra a lei. Mas é realizado precisamente por organismos do estado teoricamente mais directamente vinculados à obediência das leis. 

O sofrimento moral é um dos indicadores identificados por estudos recentes sobre a novel doença profissional chamada esgotamento (burnout), identificada por ter produzido vários suicídios. O trabalho assalariado sempre foi alvo de contestação: está na base do movimento operário e dos desejos por esta classe desenvolvidos de criar uma sociedade de tipo diferente, sem classes. O que ocorre hoje é que a esperança de uma sociedade diferente deixou de existir e, com ela, deixou de haver esperança de uma vida melhor, sequer para as novas gerações.

Quando os trabalhadores irresponsáveis pelos destinos das organizações de que fazem parte se tornarem responsáveis, denunciantes sistemáticos da corrupção existente e conhecida por toda a parte, deixarão de ser vítimas e passarão a ser actores sociais, indisponíveis para aventuras neo-nazi-fascistas ou para subordinações neoliberais. Cabe aos intelectuais anti-corrupção disponibilizarem as teorias necessárias a esta libertação.

Parece impossível mas é apenas ilusão de óptica

Há que denunciar a moral profissional na origem da novel doença (suicidária) do burnout, o alheamento das responsabilidades de todos e cada um sobre os destinos da espécie humana. Há que reconhecer (parece uma maldição) que a origem etimológica da palavra trabalho – tripalium, instrumento de tortura – corresponde a comportamentos de auto-flagelação de muitos trabalhadores; suicídios, doenças, subordinação, humilhação, desprezo pela sua própria humanidade, sacrificando-se como se fossem sobreviventes de um desastre natural. Faltam causas mobilizadores dos trabalhadores – como a luta pela transparência, como forma de atacar o descrédito das instituições e das empresas, substituindo-as se for preciso.

O trabalho de micro poderes a favor da transparência, como o realizado pelos denunciantes do ilegalismo estatal e empresarial, poderá ser a pedra de toque que faz a diferença. Diferença entre o trabalho-sacrifício, que se volta contra os trabalhadores, a sociedade e o meio ambiente, e o trabalho de transformação social, que consiste em levar a sério as finalidades das organizações e das instituições que as legitimam, incluindo os processos de avaliação e auditoria. Em vez de ser profissional, cúmplice do ilegalismo gestionário, policial, judicial, distraída ou ameaçada, a luta contra a corrupção deve centrar-se na denúncia da “teoria” (actualmente favorável aos neo-nazi-fascista) e das práticas que tal teoria escamoteia sistematicamente.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.