Problemas da sociologia – os casos de assédio de Boaventura Sousa Santos

A resposta da Boaventura Sousa Santos, o mais prestigiado sociólogo português, às acusações de assédio académico evoluiu. Substitui a sua primeira reacção criminalizadora da alegada difamação de que teria sido vítima por uma autocrítica moral. O que lhe foi pedido foi uma auto-crítica sociológica.

Este episódio revela limites do pensamento sociológico, que vamos referir de seguida. As autoras do capítulo de livro que espoletou a tomada de consciência de Boaventura prometeram “junta[r-se] à crítica crescente que vem de dentro da academia para uma urgente troca de paradigma neste campo profissional para lutar por uma comunidade mais colaborativa, transformativa e interdependente” (tradução minha). Aí, no campo da sociologia, não no campo da moral auto-crítica, Boaventura, com toda a sua sabedoria, poderá revelar-se útil.

O episódio revela efeitos perversos da separação disciplinar e profissional entre psicologia e sociologia. Revela a falta de sensibilidade histórica que afecta a sociologia. Nem isso, nem outros defeitos da sociologia, como a tecnofobia e a biofobia, são reconhecidos pelos sociólogos. E era importante que fossem considerados e ultrapassados. Tal autocrítica da profissão, que não é o seu forte, seria um primeiro passo para corresponder aos desejos das autoras da conclusão citada.

Boaventura Sousa Santos anti-imperialista

Boaventura alega que as suas práticas machistas são inconscientes e decorrem do comportamento padrão da sua geração, nascida nos anos 40, quando o patriarcalismo era cultura dominante. Boaventura terá, pois, duas dimensões existenciais que se desconhecem mutuamente. A sua dimensão psicológica teria ficado definida pelo meio social ambiente quando e onde nasceu. Nada nos diz sobre como passou imune à revolução cultural dos anos sessenta que combateu os tabus sexuais protagonizada pela sua geração. Como passou imune à grande transformação anti-machista operada na democracia portuguesa, a par da entrada das mulheres no mercado de trabalho e nas universidades?

Tal como fazem os sociólogos quando organizam um inquérito ou uma entrevista ou uma observação, Boaventura fixou para sempre no tempo imagens do presente (no caso, o presente da sua infância) tratando-as como evidências ahistóricas. Melhor, encaixou as evidências produzidas num presente escolhido (no caso, anos 1940(?)) em histórias convenientes para o argumento que interessa ao sociólogo. De facto, em sociologia cada pessoa é reduzida ao individuo que se apresentou perante o sociólogo.

Infelizmente, como todas as pessoas, também os sociólogos usam a atenção para escolher da experiência aquilo que pensam ser relevante e o que não lhes interessa. Então, entre a versão redutora da pessoa presente e o interesse do sociólogo, as evidências são afinal mais inventadas do que realistas.

Como pessoa, o sociólogo Boaventura foi procurar na psicologia barata, nos traumas da sua infância, a explicação inverosímil de um inconsciente cristalizado que não apenas tolera como promove práticas machistas, sem que o sociólogo se tenha dado conta disso. Como um sociólogo anti hétero-patriarcal passa uma longa e feliz vida distraído das questões de género que entendeu serem centrais na sua vida profissional? Para o futuro, promete, a pessoa Boaventura vai tentar controlar esse inconsciente infantil que domina a sua vida íntima, à margem da sua vida profissional, reconhecendo a dificuldade da tarefa. Não se dá conta que agora não é esse o problema mais importante? Desautorizado pelo episódio que o destituiu dos seus privilégios académicos, também porque está jubilado, já não tem a influência que teve.

Primeiro problema da sociologia: debruçar-se sobre si mesma, à margem dos outros conhecimentos, como os da psicologia. Segundo problema relacionado: a profissionalização que nos faz desligar dos pensamentos do trabalho na nossa vida privada.

Bem se pode dizer, para usar a sua retórica, que Boaventura está viciado nas epistemologias do Norte. Pedir desculpa pela destruição causada é insuficiente. Como recomenda a justiça restaurativa inspirada em práticas indígenas, para que a justiça seja feita há que estabelecer círculos de diálogos descriminalizados para se poderem exprimir publicamente os traumas das vítimas e dos algozes. Quem sabe, a comissão a criar pelo centro de estudos para dirimir o caso possa sugerir que isso se faça.

As epistemologias do Norte tomaram o hábito de reduzir a pedidos de desculpa a reparação das práticas abusivas, o que se sabe ser insuficiente. Insuficiente para quem se poderia explicar, caso houve oportunidade para tal, tanto do lado das vítimas como dos algozes. Como diz o povo, as desculpas evitam-se, não se pedem.

Como ensinam @s zapatistas, “não [se deve] exigir um pedido de desculpas, mas (…) desafiar a ideia [de] que as comunidades indígenas [ou as estudantes assediadas] foram derrotadas” na sua vontade de crítica perante o mundo, incluindo ou a começar pela vontade de criticar a sociologia, incluindo a sociologia crítica. Campo a que de resto Boaventura tem recomendado auto-críticas e uma mudança de paradigma com ambições científicas.

Um terceiro problema da sociologia é ser pouco vocacionada para fazer a sociologia da sociologia, para fazer auto-crítica. Coisa que Boaventura pretendeu fazer publicamente, infelizmente errando o alvo.

A acusação de que foi alvo não foi a de ser machista. Foi a de ter assediado profissionalmente pessoas suas subordinadas. Não se trata de comportamentos privados entre adultos auto-determinados. Trata-se de usar regular ou sistematicamente posições de autoridade para a reforçar, confundindo a vontade de pessoas confrontadas com o professor feminista que se comporta como um machista no seio de uma sociedade patriarcal e imperial, de que a universidade é parte destacada.

Para além e mais importante do que os problemas colocados às autoridades universitárias sobre como lidar com a contestação pública ao prestígio da sociologia, a dúvida colocada pelas ex-orientadas de Boaventura é a de saber até que ponto as teorias anti hétero-patriarcais e anti-coloniais não são o inverso do que se apresentam ser, enganando todo o (muito) mundo que deu crédito a essas teorias? O sofrimento delas não decorre, evidentemente, de terem enxotado mais um pretendente ao coito. O que as fez e faz sofrer – e para o que precisam de ajuda – é entender como o seu herói feminista na sociologia se transforma, sem aviso, em um machista dos anos 40 em qualquer bar ou festa académica.

Tal tipo de transformação é descrito nas histórias do Capuchinho Vermelho, quando a avó se transforma em lobo. É também descrito nos casos de abuso sexual de crianças, quando uma pessoa de confiança e íntima, por momentos, se transforma em abusador. Isso pode durar por anos, como no caso de Boaventura.

O trauma não é vivido pelas pessoas da mesma maneira. Parece haver uma maior resiliência quando os abusos são praticados por pessoas nas quais a criança ou outras vítimas não depositaram confiança. Abusos perpetrados por pessoas de confiança é frequentemente traumático para o resto da vida. A elasticidade da confiança, incluindo a auto-confiança, esvai-se sem que a pessoa seja capaz de controlar isso.

Restaurar a confiança na sociologia, explicar o que correu e corre mal e como isso pode ser encarado como um conhecimento sobre o qual se pode reconstruir a ciência, são os desafios que a sociologia tem pela frente.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (6 de Junho de 2023). Problemas da sociologia – os casos de assédio de Boaventura Sousa Santos. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvpw


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search