Guerras do império

A vida das pessoas decorre de capacidade que têm de incorporar as violências e registar isso no espírito de modo a reagir melhor para a próxima vez. A transmissão em sociedade dessas experiências aumenta as capacidades de adaptação ao meio. O excesso de capacidade de adaptação ao meio, como as especializações, porém, pode ter efeitos contraproducentes.

O império é um fenómeno social com capacidades impressionantes e sedutoras cujos excessos são odiados pelos mesmos que o admiram e de que são parte integrante. O amor-ódio é uma relação que a humanidade estabelece com as suas famílias, os seus heróis, santos, dirigentes, professores, artistas, estados e impérios.  

A violência, a espiritualidade, as discriminações, as classificações, a ignorância, são naturais nas pessoas. O que não é natural são as guerras, as religiões, os usos políticos das discriminações, os trabalhos de manutenção de hierarquias sociais, a organização dos segredos sob a forma de conhecimentos. A natureza humana é biológica. Mas a organização das suas extraordinárias plasticidades em níveis superiores de sociabilidade é artificiosa, é historicamente reversível e/ou substituível.  

A natureza humana desenvolveu a produção e circulação anónima de símbolos que coordenam redes de solidariedades e construção de personalidades mutuamente adaptadas. Consoante a circunstância, a muitas pessoas ocorre a experiência dos quinze minutos de fama. Mas não é normal haver pessoas famosas por profissão. Heróis, santos, artistas, cientistas, personalidades, não existem fora dos quadros sociais a que se sujeitam, que sofrem e de que eventualmente tiram benefícios. Mas as pessoas mais felizes são aquelas cujas vidas não têm história, como um dia disse o poeta.

Tal como a respeito da alimentação, também noutros domínios da experiência de vida compensa a diversidade das práticas e a sua moderação. A especialização é a opção de desenvolver as monoculturas de modo imoderado, viciado.

A especialização na violência, na espiritualidade, no exibicionismo, no conhecimento, na moral, ou em qualquer actividade depende da disponibilidade das pessoas comuns para aceitar apoiar com os recursos necessários a vida dos especialistas. Estes, por seu lado, têm interesse em criar níveis de realidade social para se afirmarem e protegerem, justificando e mantendo o seu estatuto especial. O excesso de especialização resulta em guerras, religiões, estados, impérios, e, portanto, em produção de lixo humano, como inimigos, infiéis, não nacionais, selvagens, que serve sacrificialmente para ameaçar as sociedades sempre que pensem em reduzir os poderes especiais dos especialistas hierarquicamente organizados nas suas lutas intestinas.

Sacrificar-se pela Fé no Império

A extraordinária plasticidade da vida humana, manipulável espiritualmente, torna críticos os trabalhos de calibrar os hábitos de modo a obter a melhor experiência. Isso é feito por tentativas e erros. A humanidade resultou da evolução da vida, a nível biológica, e da organização social, a nível da gestão dos excessos e dos níveis virtuais de realidade.

Dada a sua natureza, ao contrário de outras espécies, a humana evolui muito rapidamente a nível virtual. Consoante os hábitos espirituais se conformam, de geração para geração, com as heranças sociais, assim as sociedades observadas de fora surgem irreconhecíveis e até incomunicantes, incompreensíveis. Por exemplo, é difícil compreender o que levou a segunda dinastia a avançar para as navegações e é difícil para quem foi jovem no pós-guerra compreender como os jovens, hoje, estão viciados no uso de telemóveis e redes sociais.

O império já terminou. Porém, os traços do mesmo continuam vivos. As guerras imperiais continuam a ser travadas a níveis de experiência inatingíveis pelas sociedades. A legalidade imperial foi abolida, mas as relações sociais imperiais não apenas se mantiveram como se intensificaram e aumentaram a sua influência territorial, de forma evidente no caso da China.

O império pode ser melhor pensado fora da perspectiva jurídico-política-financeira-económica.  Admitamos que o império é um fenómeno existencial, um nível de realidade virtual criado por especialistas mutuamente aliados entre si viciados em manter isso. O império é um estado de espírito que se impôs historicamente como aspirante a uma dominação global, ecuménica. Isso aconteceu paulatinamente e acelerou-se mais recentemente. O império incorporou-se de tal modo na sociedade e nos mercados sobretudo financeiros, viciou sociedade e economia em especializações de tal modo que pode dispensar o suporte jurídico e político para continuar a funcionar.

Na Primeira Guerra Mundial perspectivava-se o fim do império. Para tal fim criaram-se o império soviético, primeiro, e os novos estados pós-coloniais integrados na comunidade internacional dividida, depois. A unificação da comunidade internacional no pós-Guerra Fria suscitou novamente a esperança de o império poder ser controlado, já não pelos trabalhadores e povos colonizados, mas agora pelas elites económicas e pelo estado de direito. Tudo falhou. Na guerra da Ucrânia discute-se a continuação do império unificado pela globalização ou a sua substituição por um império global multipolar.



Citar este post
Antonio Dores (2023, 3 Junho). Guerras do império. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 26 de Fevereiro de 2024, de https://doi.org/10.58079/qvpu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search