A natureza humana e as gerações

A humanidade resulta da evolução da vida. A humanidade caracteriza-se pela sua espiritualidade. Esta permite e obriga as pessoas a usaram as suas vidas com uma plasticidade espontânea (expressa em movimentos sociais) que pode ser manipulada espiritualmente, no limite institucionalizada.

A escolha de uma identidade a partir da experiência de si (self; mobilização de grupos disposições articuladas previamente incorporadas) é obrigatória e precária – todas as pessoas produzem opções estratégicas de vida com as quais têm de viver ou, quando incomodadas ou socialmente obrigadas, mudar.

Somatizar as relações sociais

Essas estratégias espiritualmente conduzidas (disposições adquiridas organizadas em personalidade e carácter), enquanto em vigor, com o treino, vão-se incorporando e somatizando cada vez mais profundamente. Tornam-se segundas naturezas que perdem elasticidade ao longo da vida, caracterizando sucessivas gerações marcadas por eventos sociais a que foram particularmente sensíveis.

O distanciamento pessoal entre o papel social assumido e as possibilidades de optar por outros papeis sociais causa instabilidade e emoções, como a vergonha/honra. Socialmente, essa insegurança é tratada e cuidada através de rituais (institucionalizados) e quotidianos (espontâneos) sacrificiais de reprodução de identidades em redes mais ou menos exclusivas, densas cultural e em proximidade física, mais ou menos conservadoras, estáveis e solidárias.

Os rituais são alvo de intensa atenção e emoção social. Os quotidianos são alvo de privacidade protectora. A moral refere-se a diferentes modos, uns rituais e outros quotidianos, de gestão da qualidade emocional das relações sociais, mais autoritárias ou mais democráticas, mais abusivas ou mais respeitadoras da dignidade (vergonha/honra) das pessoas.

As gerações sucedem-se e estabelecem entre si profundas e complexas relações emocionais de transmissão espiritual. Rompem umas com as outras, herdando e fazendo evoluir traços culturais como linguagens escritas e orais, violências e estados de espírito.

É isto que queremos?

As gerações abrem permanentemente oportunidades de oposição à vida social existente. Estas podem ser exercitadas sazonalmente ou através da coexistência conflitual entre culturas que se espelham invertendo e mostrando entre si alguns dos seus principais traços. A instabilidade intergeracional é assim sublimada e reduzida através da organização de competições internas e externas às redes sociais.

Essas oposições para serem construídas precisam de assentar em epistemologias partilhadas entre os opositores. Essas epistemologias são mais estáveis do que as práticas culturais – são as civilizações.

A civilização ocidental unificou-se e adquiriu historicamente, no último meio milénio, um carácter de império universal e totalitário (inclusivo) que esmagou a diversidade civilizacional de modo semelhante ao que fez biologicamente com as outras espécies de vida. Domesticou a maioria das pessoas reduzindo-as a indivíduos, a recursos humanos.

CONTINUA EM Natureza humana, justiça, civilização e instituições

COMEÇA EM Lições de sociologia da violência

Outros posts que tratam a natureza humana:

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

Por uma sociologia dos estados-de-espírito

Arquétipos e culturas: estados-de-espírito e estados de espírito

Mudanças sociais – razão, identidades e desejos, diferenciação social e bodes expiatórios

A sexualidade do império e os abusos de poder

Natureza humana, justiça, civilização e instituições

O império destrói o ambiente por ser da sua natureza ser abusador

Sociedade e sacrifício


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (1 de Junho de 2023). A natureza humana e as gerações. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvpt


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search