Estados de espírito

A separação das Duas Culturas resultou de actos de civilização, de que a institucionalização da Ciência é um acto mais recente do que a institucionalização das Artes. Mais recente ainda há a divisão ideológica criada no campo político que as ciências sociais adoptaram. As ideologias fazem parte da substituição da dominação pela violência aristocrática, a opressão, pela dominação pela educação para o trabalho alegadamente livre, a exploração. A expansão e eficácia do  divisionismo moderno torna comoventes os esforços de reconciliação com a natureza humana perdida, antes da civilização. Mais do que imaginação, trata-se de um sentimento eventualmente expresso em utopias. Libertar o espírito científico da irracionalidade da divisão das Duas Culturas reclama usar conceitos capazes de reconciliar todas as ciências consigo e com as outras, fora dos quadros competitivos ao serviço da guerra e das suas indústrias. Aqui valorizamos o conceito de estados de espírito.  

Estados de espírito é um conceito clássico da sociologia rejeitado pelas ciências sociais actuais. Isso reforça e resulta da necessidade profissionalizante novecentista de substituir o debate oitocentista sobre o que fosse o espírito positivo, lançado por Augusto Comte, ou o espírito revolucionário, lançado por Karl Marx, ou no espírito do capitalismo, lançado por Max Weber, ou o espírito corporativo, lançado por Durkheim, por ciências sociais especializadas e paradas no caminho que deveria transformar a filosofia social em ciência.

Para Weber, a racionalidade era um estado de espírito que assumia formas práticas diversificadas: a racionalidade matemática fundaria a ciência, a burocrática a organização hierárquica, a contabilística teria evoluído em pragmática económica, o contracto entre duas partes em direito, etc. A coordenação das instituições e da acção social teria um substracto espiritual trabalhado por religiões. O estado de espírito central para a modernização seria o espírito do capitalismo, herdeiro da ética protestante, que se caracteriza por se desdobrar em vários tipos de racionalidade, de acordo com a separação instituída de dimensões sociais, como a política, a economia, a sociedade, a cultura. Como concluirá Talcott Parsons, as sociedades modernas caracterizam-se por se constituírem em sistemas e subsistemas institucionais desenhados para funcionarem entre si enquanto separam em dois, em duas culturas, o que está dentro e o que está fora de cada um deles. Parsons sugere que se estenda o uso do método de análise de dimensões sociais weberiano ao estudo dos subsistemas, através do modelo AGIL (Adaptação, atingir objectivos (G de goals), Integração, Latência).

Toda esta evolução teórica na sociologia reduziu a racionalidade de ordem espiritual às condições comportamentais, estímulos e motivações, disposições, de integração social das pessoas nas estruturas sociais. A racionalidade foi reduzida à actividade individual de procurar e encontrar o melhor posto de trabalho disponível para realizar os recursos humanos de que cada pessoa dispõe, com a ajuda das normas e valores impostos superiormente. Isso também se aplicaria à ciência, assim limitada a tecnociência, à ciência cujo valor depende da sua utilidade para os empregadores ou financiadores.

Imagem sociológica de base do que é a sociedade moderna: recursos humanos cujos estados de espírito são meramente psicológicos

Por exemplo, veja-se o que ocorre com o tema das desigualdades. As ciências sociais começam por classificar pessoas e fenómenos sociais, separando-os entre si como se fossem autónomos. A desigualdade não é uma característica das pessoas, mas das sociedades. A psicologia ignora a existência de sociedade e a socio-economia ignora as identidades únicas de cada pessoa. As desigualdades entre pessoas são normais e desejáveis, para a psicologia. Estranho seria se se encontrasse duas pessoas iguais. Para a socio-economia as desigualdades são alvo a abater, estatísticas a corrigir, riscos potenciais de que não se conhecem os mecanismos de produção, a não ser por vias ideológicas.

Uma vez imaginariamente separadas as pessoas da sociedade e entre si, e censuradas teorias mais capazes de dar conta da complexidade das relações sociais remetidas para campos de especialidade, isolando-as em subdisciplinas, as teorias sociais dominantes, como as que seguem as teorias de sistemas ou dos campos, tratam de refinar as percepções sociais sobre as diferenças entre as pessoas. No passo seguinte, para reconforto dos seus profissionais e dos leitores, declaram-se favoráveis a acabar com as desigualdades.

Em conjunto, as ciências sociais presumem a existência de pessoas isoladas, que disporão de livre-arbítrio, e de sociedades que se lhes opõem, que as obrigam a agir, geralmente para seu bem, não sem custos e sacrifícios. As sociedades das actuais ciências sociais são paternalistas, comparáveis a pais que protegem filhos, famílias que controlam os seus membros ou a Igreja feitas de fiéis a um Senhor. São irrealistas, pois pessoas e sociedade são ontologicamente partes indissociáveis do mesmo todo, a espécie humana.

Às actuais ciências sociais desinteressadas em prosseguir os objectivos clássicos de tornar ciência as filosofias e ideologias sociais, repugna a noção de estados de espírito porque ela reintroduz a necessidade de cooperação entre as diferentes disciplinas, como a psicologia e a socio-economia, numa perspectiva biológica de aprofundamento da compreensão do que seja a natureza humana, racional e espiritual, individual e fraternal, flexível por via emocional.  

Esta recusa das ciências sociais em se esforçarem para se tornarem ciências, de integrarem as ciências naturais, produz ignorância programada e ensinada. Deixa as sociedades e as pessoas vulneráveis a práticas repugnantes, entre as quais o abuso sexual de crianças ou o assédio que caracteriza também a vida académica. Práticas fundadas em segredos sociais que encobrem e reproduzem vícios de comportamento. Segredos sociais criados industrialmente para declarar livre o trabalho compulsório e educar as crianças e jovens a tornarem workaholics de mérito, independentemente dos resultados práticos a respeito das alterações climáticas ou da destruição de modos de vida de populações inteiras.

COMEÇA EM: A Civilização Binária

CONTINUA EM: Os estados de espírito e civilização

As Duas Culturas de Snow referem-se àquilo que distingue o estado de espírito dos artistas e o dos cientistas. Os estados de espírito são difíceis de descrever analiticamente e mais fáceis de compreender e sintonizar, quando a ocasião se proporciona a quem esteja devidamente educado. Para quem esteja envolvido no ambiente social apropriado, por frequentar meios artísticos ou científicos, tornar-se artista ou cientista pode parecer natural, como uma vocação. A inspiração necessária para começar a trabalhar é tanto mais incorporado quanto há mais tempo se está imerso no meio. O espírito imperial é hegemónico na vida política civilizada porque as sociedades modernas o naturalizaram, imaginando-o espontâneo. Porém, a natureza humana evolui historicamente – é essa a sua natureza particular, em contraste com a de outras espécies animais. Utiliza diferentes estados-de-espírito, como um mesmo computador também se comporta diferentemente quando usa diferentes programas.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (21 de Abril de 2023). Estados de espírito. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvps


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search