Aplicações analíticas do conceito de estados de espírito

Link para reflexões sobre o que seja estados de espírito

O espírito de cidadania, de partilha de uma identidade urbana, civilizada, capaz de reconhecer uma divisão de trabalho abstracta que torna o espaço-tempo político extra-quotidiano, exporta para a responsabilidade privada as tarefas de produção de cuidados (economia) e identidades (sociedade). Os cidadãos, as pessoas que encarnam (incorporam e excorporam) a cidadania, representam-se a si mesmas, sabendo ser falso, como iguais e livres. A pobreza, a miséria, a opressão, os constrangimentos naturais e sociais da vida, são subtraídos do mundo imaginário criado pela cidadania. A hierarquização social é, assim, naturalizada, dado como facto incontestável, como resultado da própria igualdade e liberdade que imaginariamente justifica o espírito de cidadania: o espírito esperançoso e positivo que tudo vai correr no melhor dos mundos possíveis.

O espírito nacional fixa no espaço-tempo, eternizando-a, uma representação heróica e genocida (Girard) do carácter de uma nação que se configura no seu próprio acto de criação, de auto-declaração, emocionalmente constituída por declarações e símbolos consagrados, acima da natureza humana. Os rituais criam simbolicamente as situações propícias a mobilizar todas as hierarquizações sociais existentes, a nível quotidiano, organizacional e institucional, como fontes misteriosas, escondidas, virtuais, sagradas, de legitimação da unidade sobre a divisão criada pelas elites e pelos estados.

O espírito burocrático, de estado, é a representação do espírito imperial como se fosse subordinado do espírito nacional (ou capitalista). É uma forma de dissimulação do espírito imperial e de naturalização dos poderes administrativos, escondendo-se mutuamente, trocando-se um com o outro à medida das necessidades retóricas e de manutenção da ordem. O estado e a polícia – ou forças armadas – auto-representam-se como politicamente neutrais, a menos das situações em que se revelam, à evidência, milícias das classes dominantes, económicas, políticas, ideológicas. Quando tal evidência ocorre, as pessoas sentem-se de tal modo indefesas que, com o medo, encaram duas alternativas: manter quietude e esquecer o que se passar durante o estado de exceção ou “tomada de consciência”, reconhecer que o estado e a polícia não são neutros e são contra as pessoas, de quem esperam que se reduzam a cidadãos. Estas alternativas constituem o pano de fundo, o substracto universal, das sensibilidades de direita e de esquerda, conservadoras e progressistas, a favor da ordem e revolucionárias.  


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.