Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais

Link para reflexões sobre o que seja estados de espírito

Estados de espírito referem-se a mundos “encantados”, a que a razão kantiana/weberiana pretende escapar. Esse aspecto do positivismo, a imaginação de um mundo desencantado, é um dos maiores fracassos das teorias sociais. A racionalidade, desde Comte, nunca deixou de ser encantada. O socialismo científico estava encantado com o espírito revolucionário; o socialismo corporativo estava encantado como a consciência colectiva ou social, também conhecida por solidariedade; o liberalismo nacionalista continua encantado com o espírito do capitalismo. As ideologias nunca abandonaram as teorias sociais. Apenas se esforçaram por se dissimular, por se minimizar, por tentar passar desapercebidas, atrás dos nacionalismos, primeiro, e do discurso único globalizante, mais recentemente.

Estados de espírito é um conceito centrífugo, que prefere expor as suas contradições, macro-micro, sociedade-individuo, globo-nação, estado-nação, sociedade-comunidade, etc., para as fazer evoluir de acordo com as necessidades conscientemente identificadas – por exemplo, fazer evoluir o espírito imperial para um espírito democrático, ao ponto do primeiro deixar de ser usado – do que ser realista, tomar a realidade por estática e eterna, para todos os efeitos.

Estados de espírito é um misto de disposições (Bourdieu, Freud), configurações (Elias), gramática generativa (Chomsky), violência como redução ao corpo (Reemptsma), sexualidade como linguagem, discriminação, disciplina, repressão e expressão (Foucault).

Estados de espírito emergem como heranças, estabilizam-se de forma evolutiva, constituem programas comportamentais que dominam o seu portador, reagem às emoções de forma particular, predispondo para a acção ou a inacção, uma vez adquiridos, os estados de espírito tornam-se património imaterial em evolução, isto é, transformam-se ou fenecem.

Há uma lista interminável de estados de espírito bem conhecidos, mas teoricamente pouco reconhecidos: superioridade e subordinação (Simmel), de proibir, de submissão e marginal (Dores), comunitário, hierárquico e de mercado (Graeber), habitus de família e de infância, espírito profissional, espírito de classe (Bourdieu), empatia mimética e repugnância (Elias). Há teorias de estados de espírito, como as da ética religiosa (Durkheim, Weber), do espírito revolucionário (Marx), da energia social (Collins), da violência (Reemptsma), do self e do outro generalizado (Mead), da genealogia do conhecimento-poder (Foucault), dos substractos universais (Shofield), a que se devem acrescentar teorias biológicas sobre as necessidades de cuidados e de identidades, apoiadas no medo, vergonha, angústia (Diel, Scheff, Girard), que podem servir de apoio a uma teoria dos estados de espírito.

A teoria dos estados de espírito é anti-centrípeta: não pode ser especializada, sem perder o carácter de conhecimento e se fixar no moralismo. É uma teoria centrífuga, holista: é ponto de partida para desafios transdisciplinares, para novas contribuições de diferentes disciplinas para ajudar a compreender e explicar a vida, ao mesmo tempo como evolução e a acção social.

Um estado de espírito bem conhecido e igualmente sub-teorizado é o espírito imperial. Trata-se da disposição/capacidade, socialmente construída, transmitida e configurada sob a forma de naturalização, da utilização das diferenças identificadas, nomeadamente para construir linguagens, como discriminações ao serviço da transformação das relações de superioridade e submissão em relações elitistas e de subordinação. A utilização política da misoginia e da xenofobia para as transformar em patriarcalismo-homofobia e racismo-estigma, como formas de dividir para reinar, é exemplo do espírito imperial em operação, incorporação-excorporação.


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.