Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais

Link para reflexões sobre o que seja estados de espírito

Estados de espírito referem-se a mundos “encantados”, a que a razão kantiana/weberiana pretende escapar. Esse aspecto do positivismo, a imaginação de um mundo desencantado, é um dos maiores fracassos das teorias sociais. A racionalidade, desde Comte, nunca deixou de ser encantada. O socialismo científico estava encantado com o espírito revolucionário; o socialismo corporativo estava encantado como a consciência colectiva ou social, também conhecida por solidariedade; o liberalismo nacionalista continua encantado com o espírito do capitalismo. As ideologias nunca abandonaram as teorias sociais. Apenas se esforçaram por se dissimular, por se minimizar, por tentar passar desapercebidas, atrás dos nacionalismos, primeiro, e do discurso único globalizante, mais recentemente.

Estados de espírito é um conceito centrífugo, que prefere expor as suas contradições, macro-micro, sociedade-individuo, globo-nação, estado-nação, sociedade-comunidade, etc., para as fazer evoluir de acordo com as necessidades conscientemente identificadas – por exemplo, fazer evoluir o espírito imperial para um espírito democrático, ao ponto do primeiro deixar de ser usado – do que ser realista, tomar a realidade por estática e eterna, para todos os efeitos.

Estados de espírito é um misto de disposições (Bourdieu, Freud), configurações (Elias), gramática generativa (Chomsky), violência como redução ao corpo (Reemptsma), sexualidade como linguagem, discriminação, disciplina, repressão e expressão (Foucault).

Estados de espírito emergem como heranças, estabilizam-se de forma evolutiva, constituem programas comportamentais que dominam o seu portador, reagem às emoções de forma particular, predispondo para a acção ou a inacção, uma vez adquiridos, os estados de espírito tornam-se património imaterial em evolução, isto é, transformam-se ou fenecem.

Há uma lista interminável de estados de espírito bem conhecidos, mas teoricamente pouco reconhecidos: superioridade e subordinação (Simmel), de proibir, de submissão e marginal (Dores), comunitário, hierárquico e de mercado (Graeber), habitus de família e de infância, espírito profissional, espírito de classe (Bourdieu), empatia mimética e repugnância (Elias). Há teorias de estados de espírito, como as da ética religiosa (Durkheim, Weber), do espírito revolucionário (Marx), da energia social (Collins), da violência (Reemptsma), do self e do outro generalizado (Mead), da genealogia do conhecimento-poder (Foucault), dos substratos universais (Shofield), a que se devem acrescentar teorias biológicas sobre as necessidades de cuidados e de identidades, apoiadas no medo, vergonha, angústia (Diel, Scheff, Girard), que podem servir de apoio a uma teoria dos estados de espírito.

A teoria dos estados de espírito é anti-centrípeta: não pode ser especializada, sem perder o carácter de conhecimento e se fixar no moralismo. É uma teoria centrífuga, holista: é ponto de partida para desafios transdisciplinares, para novas contribuições de diferentes disciplinas para ajudar a compreender e explicar a vida, ao mesmo tempo como evolução e a acção social.

Corresponde na física à descoberta do vidro spin, laureada pelos prémios Nobel, de sistemas caracterizados pela sucessão mais ou menos prolongada de estados estáveis dentro da instabilidade generalizada. A aplicação dessa descoberta permite a simulação electrónica, computacional, da memória, da constituição efémera de estados reconhecíveis e distintos entre si.

Um estado de espírito bem conhecido e igualmente sub-teorizado é o espírito imperial. Trata-se da disposição/capacidade, socialmente construída, transmitida e configurada sob a forma de naturalização, da utilização das diferenças identificadas, nomeadamente para construir linguagens, como discriminações ao serviço da transformação das relações de superioridade e submissão em relações elitistas e de subordinação. A utilização política da misoginia e da xenofobia para as transformar em patriarcalismo-homofobia e racismo-estigma, como formas de dividir para reinar, é exemplo do espírito imperial em operação, incorporação-excorporação.

Outros posts que tratam de estados-de-espírito:

outros posts sobre o assunto:

Dualidade de estados de espírito científicos

Estados-de-espírito: combinações de inspiração e trabalho

Estado de espírito, soberania e espírito imperial

Definição de espírito imperial

Dinâmicas sociais dos selves e dos estados de espírito


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (23 de Dezembro de 2019). Conceitos de estados de espírito nas ciências sociais. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvm1


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search