Pedagogias de manual/ChatGPT e a herança compreensiva

Em resposta ao desafio de 16 de Março de 2023 de organizar discussões pedagógicas sobre assuntos trazidos ao Conselho de Ano pelos estudantes, seguro de que não haverá – porque não tem havido – espaço para tais debates (entendo por debates discussões participadas pelos interessados e não meras exposições de conhecimentos inteligentes por pessoas autorizadas para tal), venho deixar uma brevíssima contribuição.

Começar por informar ter havido um simpósio sobre o ensino das teorias sociológicas no ISCTE em 2018 sem consequências conhecidas nem ao nível da discussão pedagógica ou outra, nem ao nível da alteração de hábitos. Tive a oportunidade de fazer duas contribuições para o simpósio e uma para a Associação Portuguesa de Sociologia, que a entendeu censurar. Para quem possa estar interessado, pode ler essa contribuição aqui.  

Sem ilusões sobre o destino da discussão pedagógica proposta, partilho por esta via alguns pensamentos suscitados pela experiência da reunião de Conselho de 1º Ano da licenciatura, a quem puder interessar.

Uma das críticas às teorias sociológicas que fazem parte do programa da cadeira de Teorias Sociológicas – Grandes Escolas é a dificuldade, para não dizer incapacidade, em relacionar de modo satisfatório  teoria e empiria, sujeito e objecto, estrutura e acção, sociedade e individuo, separando de modo irreconciliável o mundo das ideias, entre as quais as teorias, do mundo das coisas, entre as quais os factos ou dados sociológicos, como estão separadas as Humanidades e as Ciências Sociais das Ciências Naturais.

A resignação de que isso será sempre assim é, na expressão de Darhendorf, de um conservadorismo complacente. O que quer dizer que para não se cair em tal resignação é preciso lutar contra ela.

Manual/chatGPT

Esta questão tem causas e consequências a nível pedagógico e didáctico.

Como refere Coser (estou a referir-me aos textos estudados na cadeira), a profissionalização da sociologia, isto é, o débito em recursos humanos para o mercado de trabalho com certificados escolares em sociologia, reduziu o alcance das ambições cognitivas da sociologia, nomeadamente fazendo tabu de assuntos como os conflitos. Pudemos acrescentar ao destino dos conflitos muito outras experiências sociais imperialmente ignoradas, remetidas para subdisciplinas queixosas da sua marginalidade, como as emoções, os corpos, a violência, a economia, as desigualdades sociais, etc.

Pode procurar-se nas consequências das práticas pedagógicas da sociologia do século XX (que não diferem substancialmente da actual) a fonte da simplificação reducionista das abordagens sociológicas a sociedades imaginariamente pacíficas, consensuais, funcionais, em luta contra a pobreza e pela igualdade, cuja superioridade na hierarquia da evolução é apresentada como indiscutível, alheando-nos das questões existenciais e ambientais, uma deixadas à psicologia e outras à ecologia.

O modo profissionalizante como está, como continua a estar organizado o ensino da sociologia tende a reduzir as competências cognitivas dos estudantes através da noção pedagógica de que ainda não estão capazes de pensar quando estão em cursos de licenciatura, mestrado ou doutoramento. Só são capazes de compreender frases simplificadas que sirvam para passar as provas de avaliação. Mais tarde, finalmente, quando cada um assentar num posto de trabalho, como num paraíso que milagrosamente se abrirá na sua frente após devida autorização, serão livres de pensar o que entenderem, claro, de modo disciplinado, de forma conservadora e complacente.

Efectivamente, os estudantes sentem dificuldades em entrar nas confusas discussões sociológicas. Os professores não discutem entre si as suas divergências de entendimento sobre a sua profissão comum. A confusão é perfeitamente natural e saudável. Infelizmente, seguramente não por acaso, os estudantes são ensinados – ou aprendem sozinhos? – a não abrir a boca a não ser quando estão seguros de estar a dizer algo inatacável. Assim farão toda a vida. A discussão, na verdade, não é coisa que as escolas e as universidades ensinem a organizar, mesmo aos níveis mais elevados das hierarquias – as coisas, incluindo as ideias mais prestigiadas, são sobretudo influenciadas pelo poder e pela ideologia dominantes. Resta aos sociólogos conformarem-se com isso, fazendo, como faz o ChatGPT: introduzindo uma pitadinha erudita de crítica inconsequente.

Erudição inconsequente

Nesta cadeira teórica estão disponibilizados para os estudantes 15 textos em inglês, 13 traduções para português desses textos que compõem a matéria para avaliação da cadeira. Estão disponíveis biografias dos autores referidos, slides usados nas aulas pelo professor, bibliografia complementar para quem quiser aprofundar conhecimentos, três sumários desenvolvidos por cada tipo de aula programada. Houve alunos que se queixaram de haver falta de material pedagógico e didáctico. De que falarão eles?

É evidente que a queixa de falta de material de estudo não se refere à quantidade disponibilizada: refere-se à qualidade e à clareza dos resumos da matéria que será alvo de avaliação. Sentem-se confusos, explicam.

Para a mesma cadeira, já ofereci aulas centradas na leitura. A ideia era a de obrigar os estudantes à difícil tarefa da leitura, impondo-lhes ao menos nas aulas a leitura dos textos, partindo do pressuposto de experiência feito de que a maioria não tem hábitos de leitura ao nível do que é necessário para acompanhar o ritmo da cadeira. O ensino-aprendizagem centrou-se em obrigar os alunos a ler nas aulas, lendo com eles partes dos textos, ensinando a ler, por assim dizer.

Tal método tem um problema: é extremamente cansativo. Estar com atenção à leitura e à atenção com que os estudantes seguem ou não a leitura não é prazeroso. Decidi a certa altura alternar a estratégia. Tirar prazer das aulas também ajuda a mobilizar os estudantes para o trabalho de aprendizagem. Passei a fazer mais enquadramentos e resumo das leituras, sem nunca perder de vista o conjunto do programa da cadeira, comparando as diferentes teorias nos seus usos e pressupostos. Além de resumir os principais argumentos que entendi dever sublinhar, como os que se referirem a problemas que ainda hoje persistem ou os que são referidos por diferentes autores e escolas ou os que definem e caracterizam a nossa profissão e o seu posicionamento social.

Isso tem o mérito, que foi reconhecido, de permitir integrar temas da actualidade e os assuntos tratados na cadeira numa perspectiva crítica das teorias estudadas e dos problemas sociais que emergem da actualidade. Tem o problema de não estar disponível material que reproduza tais incursões avulsas no quotidiano e na crítica da profissão. Ou melhor, essa disponibilidade é indirecta e exigiria aos estudantes lerem os trabalhos do professor para melhor entenderem como ele faz para dizer o que diz. O que correspondendo a mais material que também está disponível, não é a esse material que os estudantes que se queixaram se referem.

A escolaridade vive a tensão entre a busca de certificados escolares e a correspondente distinção social, por um lado, e a incorporação de conhecimentos e métodos de compreensão das matérias por parte dos alunos, por outro lado. Li algures que 80% daquilo que o professor diz em aula não é captado pelos estudantes, que 50% dos estudantes frequentam a escola sem aprender e que os novos métodos pedagógicos que procuram ser mais inclusivos e prazerosos são menos favoráveis às aprendizagens do que os velhos métodos autoritários e de cátedra. Nitidamente, o processo de certificação do sucesso escolar individual é bastante mais eficaz e fácil do que o processo de ensino-aprendizagem.

Nos últimos meses, no quadro das lutas dos professores pelo respeito das suas carreiras e da sua profissão, surgiram vozes à esquerda que retomam críticas negativas ao ensino actual que costumavam ser apenas esgrimidas à direita: há facilitismo imposto pelas orientações políticas educativas que substituem aprendizagem de conhecimentos por aprendizagens de competências. A direita reclama que o ensino do tempo do fascismo era mais exigente, por ser autoritário, e os professores eram respeitados, pela mesma razão.

Quem viveu esses tempos sabe que a escola era mais insuportável do que é hoje e era ainda mais discriminatória. A escola universal de 12 anos e a entrada de massas de estudantes nas universidades, porém, a ter em atenção os dados acima referidos, melhores se são comparados com o que se verificava existir há 50 anos, continuam a mostrar insuficiência de aprendizagens e forte contribuição para a discriminação social que evidentemente persiste.

Quando há 40 anos comecei a minha vida profissional o professor António Dias Figueiredo queria fazer da escola um lugar onde Sócrates, o grego, se reconhecesse, usando o poder dos computadores. Na verdade, mais simplesmente, a questão era saber o que fazer com a moda dos computadores e como investir neles também nas escolas públicas. Na minha dissertação de doutoramento escrevi que as políticas de então para usar computadores nas escolas não tocavam nos processos escolar tradicionais. Isso causou incómodo no júri. Vinte anos volvidos não creio que haja dúvidas sobre essa minha controversa conclusão. Nas últimas décadas, mais do que as escolas adoptarem os computadores, embora professores individualmente o tenham feito, foi o público, com destaque para as famílias com filhos em idade escolar, que percebeu que ficar à margem do desenvolvimento tecnológico seria uma desqualificação social assegurada. Em Portugal, as mais avançadas e acessíveis tecnologias de massas foram adoptadas em proporções sistematicamente maiores do que noutros países, como a Alemanha, ainda que os níveis de vida se mantenham significativamente diferentes.

António Dias Figueiredo continua em forma, já não com os computadores, mas com a Inteligência Artificial. Divulga a esperança de ser desta vez que o ensino aprendizagem vai mudar perante a existência da Inteligência artificial. A parte do ensino feita por manuais de simplificação dos conhecimentos vai ser automatizada. Será desta que os professores serão poupados a servirem como caixas de ressonância dos manuais. No mundo pós-humanista, avisa o mestre, aos professores restará desenvolver a parte da herança compreensiva do sistema de educação. Dos professores espera a exposição da sua humanidade fragilizada pela apropriação do conhecimento standard por parte da indústria.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (19 de Março de 2023). Pedagogias de manual/ChatGPT e a herança compreensiva. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvpo


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search