Não são vítimas, estúpido, são sobreviventes*

  • a frase do título é uma referência a uma palavra de ordem eleitoral de Bill Clinton

A meados do mês de Fevereiro de 2023, a apresentação do relatório da comissão independente criada pela Igreja Católica para avaliar a qualidade e dimensão dos abusos sexuais de crianças no seu seio criou a oportunidade para a comunicação social se sentir livre para, e obrigada a, tratar os abusos sexuais de crianças em colaboração com o mais forte movimento cristão do momento: a auto-mobilização contra o clericalismo instalado, isto é, o reconhecido abuso de poder generalizado praticado nas e pelas instituições católicas contra as crianças que acolhe.

Por generalizado não se deve entender que todas as crianças que contactam com a Igreja sejam abusadas. Quer dizer que a Igreja abriu portas e protegeu pessoas, eventualmente grupos organizados de pessoas, que procuravam e procuram activamente crianças para cometerem abusos.

Um dos testemunhos recolhidos no relatório oficial sobre abusos sexuais na Igreja portuguesa, abusos sempre negados pelas autoridades e apenas reconhecidos por imposição do Vaticano, sinaliza a dor provocada em sobreviventes por declarações do Presidente da República sobre o assunto, umas semanas atrás, quando tentou desvalorizar as responsabilidades da Igreja – declarações imediatamente condenadas pelos partidos e pela opinião pública, valha-nos isso.

A atrapalhação do Presidente e dos bispos, apanhados em contra-mão argumentativa a respeito desta situação estrutural na Igreja Católica, foi perigosamente diluída nos dias de apresentação do relatório tardiamente pedido pela Conferência Episcopal, a assembleia dos bispos, a mando de Roma. Como raio teriam pedido um inquérito a um fenómeno de que desconheciam a existência? Ficaram todos muito surpresos com as revelações de que nunca tinham ouvido falar, talvez porque não estejam a par de “O Crime do Padre Amaro”, novela escrita por um escritor obscuro do século XIX chamado Eça de Queiroz, actualmente em exibição numa série da RTP. A novela não é sobre abuso sexual de crianças, assunto ainda mais tabu que a vida sexual dos padres. É sobre abuso sexual de crentes no quadro geral do clericalismo que, segundo o Papa, se mantém cento e cinquenta anos após esta denúncia …

Abusos sexuais de crianças é prática recorrente no seio da Igreja Católica

Presidente e bispos são todos muito sábios, mas ignorantes a respeito das respectivas responsabilidades a respeito do clericalismo e de abusos sexuais denunciados publicamente há séculos e reconhecidos oficialmente pelo Vaticano há anos. Teve de desembolsar largas indemnizações a esse respeito. Ignorância alegada que esvazia as cascatas de pedidos de perdão com que presenteiam o público.

Os responsáveis devem ser prescientes e não devem alegar desconhecimento com o objectivo de pedir a compaixão do público para si, em vez de focar a atenção na prevenção dos crimes, sobretudo tão hediondos e pessoal e socialmente profundos como estes.

A responsabilidade dos responsáveis pelos encobrimentos criminosos dos crimes que hoje finalmente se reconhece existirem não pode ser alijada sem aproveitar e reforçar o isolamento social e psicológico das pessoas abusadas, insistindo em torná-las condescendentemente vítimas em vez de as reconhecer e chamar como sobreviventes a quem devemos pedir conselho e colaboração, por ser valiosa. À alegada e laboriosa ignorância dos auto-intitulados responsáveis contraponha-se a sabedoria dos sobreviventes, criando as condições para que possam, por favor, assumir livremente a cidadania que lhes tem sido negada, nas condições que permitam responsabilizar e resgatar a sociedade desta pecha que é a epidemia de abusos sexuais de crianças.

Um dos problemas de os bispos serem tão jovens de espírito é que não se lembram do escândalo da Casa Pia que mobilizou a opinião pública durante muitos meses, há cerca de vinte anos. Distraídos, não repararam que se tratava de um problema de todas as instituições que acolhem crianças em risco, insistentemente abandonadas pelos seus alegados protectores (com raras, honrosas, insuficientes e estigmatizadas excepções) todos cúmplices dos encobrimentos dos abusadores e negacionistas da existência de pessoas abusadas para toda a vida. Se fossem curiosos, os bispos poderiam tomar conhecimento das denúncias de Marion Sigaut de abusos sexuais de crianças organizados pelas elites francesas no século XVIII que permanecem desconhecidas do grande público, inclusive dos estudiosos, … um quarto de milénio depois. Há todo um trabalho de visitação das práticas perversas da modernidade socialmente encobertas por serem repugnantes e inimagináveis.

Valha-nos o Primeiro-Ministro que anunciou reconhecer existir um problema transversal na sociedade portuguesa, na verdade em todas as sociedades, que se manifesta em maior quantidade no seio das famílias vulgares. Talvez tivesse sido melhor que tivesse feito como costuma fazer: apresentar as medidas já tomadas pelo governo para tratar do assunto. Não o tendo feito, devo presumir que nada foi feito, apesar de conhecer melhor o assunto do que os senhores bispos?

Uma das grandes vitórias dos primeiros dias de divulgação do relatório, mérito da comissão, foi não se ter ouvido falar de pedofilia, palavra insistentemente usada pela generalidade da comunicação social desde o caso Casa Pia. Independentemente das intenções de quem usa a expressão, ela remete para a excepcionalidade bizarra da doença mental as práticas de abuso sexual de crianças quando, de facto, tais abusos são apenas um dos aspectos das vidas envolvidas nelas.

A relação enunciada pela Igreja católica entre clericalismo e abusos sexuais de crianças não deve ser ignorada ou marginalizada. O abuso de poder que é o clericalismo recobre muitos tipos de abusos, entre os quais os abusos sexuais de crianças. Por outro lado, os abusadores sexuais, disse-se nas discussões sobre a Casa Pia, raramente são pedófilos. Quem sofre de uma patologia de orientação sexual dirigida a crianças não tem de seguir o impulso e abusar de crianças. É possível resistir ao impulso doentio, como fazem muitos dos portadores da patologia chamada pedofilia. Já quem abusa, a maioria de quem abusa, não tem doença nenhuma dessas. Tem um desprezo pelas vítimas que apenas a falta de empatia pode explicar.

“There is no such thing as society”

Na nossa sociedade moderna, a falta de empatia é produzida de forma industrializada nas escolas e nas profissões: chamam-lhe a frieza dos números ou da racionalidade, sobretudo a económica. É sinalizada pelos indicadores de violência no namoro e pela redução da natalidade.

Há psicanalistas que consideram que os dirigentes deste tipo de sociedade são pessoas psico e sociopatas precisamente por, para subir na vida, se terem especializado em ignorar o sofrimento alheio. Já não apenas o sofrimento dos ucranianos, dos sírios, dos turcos, dos palestinianos, dos miseráveis, mas também o sofrimento dos familiares e amigos trocados por carreiras profissionais, assunto de muitos filmes e novelas.

Sem perder de vista a razão do primeiro-ministro quando diz que o assunto não está localizado, mas é geral, em Portugal e na Europa, há que aproveitar esta rara janela de oportunidade em que a comunicação social está mobilizada para o assunto para definir objectivos pragmáticos. Na certeza de que o assunto, por vontade dos bispos e do estado, será enterrado outra vez por mais vinte anos, aproveitemos o momento para insistir na importância da expressão sobreviventes de abuso sexual, pois ela remete para a dívida da sociedade para com aqueles e aquelas que se disponham, devidamente acarinhados e protegidos, a ajudar a compreender e combater os abusos sexuais. Deixemos a expressão vítimas de abuso sexual para os tribunais.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (19 de Fevereiro de 2023). Não são vítimas, estúpido, são sobreviventes*. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvpl


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search