Como a noção de “sistema capitalista” escamoteia o sistema imperial (1)

As escolas e as universidades estão num processo de privatização decorrentes das políticas de austeridade (Mattei, 2022). Isso só é possível porque os sistemas educativos foram fabricados por algo diferente do capitalismo. A partir dos anos 80, e só então, com as políticas neoliberais, o capitalismo começou a ser chamado e autorizado a explorar escolas e universidades.

De onde vem a força suficientemente poderosa para construir, à margem do capitalismo, os sistemas escolares, entre outros sistemas de estado e sociais que não foram resultado de investimentos capitalistas?

Há uma contradição lógica quando se afirma a diferença de naturezas do estado (bom ou mau) e do mercado (santo ou diabo), como o fazem os diálogos liberais e socialistas-comunistas, e a noção de que tudo quanto acontece é iniciativa do capitalismo. Para esta falta de lógica, o capitalismo seria o inelutável Big Brother, aquele que controla e oprime, como o fazem os estados, e o que explora e destrói, como o fazem as economias capitalistas. O capitalismo, nesta lógica, é uma entidade ubíqua que se auto controla, como Adam Smith propôs com a noção de mão invisível. Liberais e socialistas-comunistas continuam a acreditar na magia de Smith. Isso ajuda a explicar a incapacidade ideológica actual de imaginar alternativas à exploração da Terra e ao capitalismo. A raiva popular, que alguns desqualificam como populista, é a forma física, digamos assim, de dizer que nos sentimos impedidos (pelas escolas e universidades, pela comunicação social que ocupam as nossas vidas) de ter pensamentos lógicos.

Infante D. Henrique na conquista de Ceuta, primeiro acto imperialista ocidental moderno

Aquilo que Adam Smith ensinou os liberais e os socialistas-comunistas a escamotear e a tornar invisível é o império (Brown, 2009). Hoje, a mesma ideologia de base mantém a mesma função.   

Esta discussão é reprimida não apenas pelas escolas e universidades, mas também pelas correntes críticas do capitalismo e pelas teorias sociais em geral. Estas últimas fazem-no divulgando a noção teoricamente aberrante de “sistema capitalista”. O que as alianças de estados capitalistas escamoteiam com essa censura desenvolvida eficazmente através de vastíssimos sistemas de propaganda baseados na escolarização universal é o semi-milenar sistema imperial ocidental de modernização.

As ideologias liberais e socialistas-comunistas substituíram paulatinamente o espírito religioso que organizou as sociedades da Idade Média. O espírito imperial mantido pela Igreja e pela nobreza realizou-se pragmaticamente na Idade Moderna até hoje. Incorporado de forma generalizada, o espírito imperial é hoje a matriz que se desdobra em espírito do capitalismo, espírito nacionalista, espírito ocidental, espírito científico auto-limitado da ciência centrípeta, todos inculcados nas escolas (Dores, 2021), pelos media e pelo entretenimento.

Karl Marx rompeu com o pensamento teológico, no quadro de um movimento anti-imperial anti-clerical vitorioso do século XIX. Fê-lo catapultando o movimento comunista, também anti-imperial, vitorioso no século XX. A história mostrou-nos que ambos estes movimentos, entre outros movimentos vitoriosos anti-imperialistas, como os de abolição da escravatura no século XIX e da abolição das colónias no século XX, falharam a longo prazo. O fundamentalismo e o neo-fascismo não param de ganhar terreno nas primeiras décadas do século XXI para manter a opressão e a exploração imperial. Na Ucrânia, ambos os beligerantes alegam ser a linha da frente do combate contra o império … dos outros. E ninguém se ri. Quem não toma partido é ameaçado.

Uma estátua que celebra a figura fundadora da missão dos navegadores

As pessoas odeiam os impérios, mas sentem-se protegidas por eles, oprimidas que estão cada vez mais pelo movimento do grande encarceramento (Foucault, 1994, p. 403). A síndrome de Estocolmo é o fenómeno em que pessoas sequestradas, mesmo depois de libertadas, manifestam a sua adesão emocional e racional aos desígnios e à missão dos sequestradores. Nem todas as pessoas sofrem dessa condição. Mas muito mais pessoas do que pode parecer à primeira vista sofrem disso. Pensar fora da caixa sempre foi pensar sozinho: quem sabe ler e escrever fica isolado e isolada como aqueles e aquelas que testemunharam ter assistido ao crescendo de influência dos partidos nazi-fascistas entre guerras sem conseguirem parar os desastres que lucidamente anteviram. O mesmo se repete neste início de século XXI, na guerra, na economia, na política, a pobreza, nas migrações, porque as mesmas causas geram os mesmos efeitos.

Críticos dos críticos têm notado que autores anti-clericais, como Comte ou Marx ou Foucault, acabam por inspirar práticas religiosas, seja liderando-as como Comte, seja construindo partidos como Marx, seja alimentando correntes místicas como Foucault (Fernandes, 2020). Algo tem falhado nos movimentos anti-imperiais que faz com que a crítica acabe por coadjuvar o próprio império, do mesmo modo que o império romano foi capaz de tirar proveito do cristianismo, derrotando-o e incorporando-o, tornando-o o núcleo duro da persistência imperial após a queda do império. A história arquitectónica, financeira, moral da Igreja Católica, conforme confirmam os sucessivos pedidos de desculpa lançados ao mundo, é a história de como manter vivo o espírito imperial. Foi a depravação moral católica que estimulou a Reforma, há meio milénio. Reforma, também ela, incapaz de resistir aos cantos de sereia do Império ocidental saqueador do mundo.

O que inspira os nacionalismos é ainda o Império Romano e o lugar de cada estado à mesa do retorno do sucesso das navegações oceânicas e da paulatina ocidentalização do mundo. Sob o mote de expansão da Fé e do Império, D. Henrique formulou espiritualmente a missão imperial moderna: explorar a Terra em nome de Deus, para produzir riquezas para serem acumuladas pelas elites europeias. São dessas ideias e práticas que surgiu o capitalismo, a partir do momento em que Londres passou a assumir ser a principal sede imperial, faz um quarto de milénio.

Referências:

Brown, M. (2009). Free enterprise and the economics of slavery. Real-Economics Review.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Fernandes, T. X. (2020, October 13). The Ecstatics – Michel Foucault’s Concept of Political Spirituality. Anarchists Studies Noblog.

Foucault, M. (1994). Dits et Écrits 1954 – 1988. Gallimard.

Mattei, C. E. (2022). The Capital Order – How Economists Invented Austerity and Paved the Way to Fascism. Chicago University Press.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (29 de Janeiro de 2023). Como a noção de “sistema capitalista” escamoteia o sistema imperial (1). Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvpj


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search