Sociedades sem classes

Há uma interpretação mística e uma interpretação histórica para dar sentido à esperança de transformação das sociedades modernas em sociedades sem classes (Machaqueiro, 2006)⁠. Na interpretação mística haverá um agente, como o proletariado, o partido, o líder, um povo, que se emulará a si mesmo e se transformará na representação viva da negação das classes. Nos anos 70, por momentos Foucault acreditou que seriam os presos o núcleo duro desse agente (Fernandes, 2020)⁠. Na interpretação histórica, a sociedade sem classes será um regresso a modos de vida arcaicos, como os comunistas primitivos, mas com os conhecimentos adquiridos pelas experiências históricas das lutas de classe.

Na interpretação histórica mais conhecida a sociedade de classes será o fim da história, como aquele precipitadamente anunciado por Fukuyama (1999)⁠. A esperança das liberdades liberais produzirem uma sociedade sem classes, a sociedade do capitalismo popular, está na base do neoliberalismo de Thatcher e Reagan aliado da implosão da União Soviética. O falhanço histórico da realização dessa esperança levou a sucessivas vagas de culpabilização e rectificação das finalidades da nossa civilização.

História

Primeiro, a guerra de civilizações tomou o lugar da Guerra Fria. Transferiram-se as culpas dos inimigos dos comunistas para os islâmicos. Com a banca rota do sistema financeiro global, foi tempo de culpar a imoralidade, a ganância dos banqueiros, logo transferida para a preguiça das pessoas, como as do Sul da Europa. Com o ressurgimento do clima de Guerra Fria, imoralidade e inimigo tornam-se sinónimos e a perspectiva de um futuro melhor dá prioridade às questões de sobrevivência e de defesa.

As instituições sociais também são culpabilizadas: as de cuidados de saúde e de protecção na velhice serão insuportavelmente caras para os estados; as escolas e universidades não se actualizam: continuam orientadas para produzir trabalhadores em vez de produzir colaboradores e empreendedores.

A eficácia dos processos de culpabilização é grande (Mattei, 2022)⁠, mas também enfrenta contra argumentos de quem prefere ser mais objectivo. Em estado de guerra, as questões ambientais e outras preocupações gerais da humanidade tornam-se secundárias face às lutas de poder entre as elites. Por outro lado, levantam-se dúvidas sobre a moralidade adoptada na guerra. Parece mais favorável às elites de circunstância do que ao bem-estar das pessoas e das sociedades.

A guerra aparece como um corolário histórico de uma sequência de eventos face aos quais se evita produzir uma avaliação dos erros políticos, eventualmente destruindo as condições de vida e as bases da solidariedade social.

Só um controlo muito intenso das discussões públicas permite um desequilíbrio tão grande entre a presença do moralismo derrotista da conversa TINA (there is no alternative, não há alternativa) e o escrutínio objectivo do rumo dos acontecimentos, que os jovens questionam sobretudo a respeito das alterações climáticas (Dores, 2021)⁠. Esse estrangulamento dos debates tem aberto campo para políticas de discriminação arbitrária radical contra as populações estigmatizadas e estigmatizáveis, usando-as como bodes expiatórios oferecidos às populações cuja qualidade de vida se degrada. Tais práticas sacrificiais são capazes de apaziguar o desânimo e a desorientação generalizados através da mobilização da extrema violência e da guerra. Estamos, portanto, muito longe do ideal da aldeia global e da utopia tecno-científica anunciadas na mudança do milénio.

A interpretação mística da sociedade de classes referida por Marx (Brocco, 2016)⁠, embora seja negada pelos marxistas, refere que a luta de classes deixaria de fazer sentido porque a classe operária se revolucionaria a si mesma: formar-se-ia um movimento de conversão em massa das identidades desprezadas dos antigos trabalhadores em novas identidades empoderadas de membros de uma sociedade sem classes.

Conversão

O que ocorreu, na verdade, foi uma conversão das identidades de muitos trabalhadores em cidadãos profissionais, colaboradores, empreendedores. Tal como os burgueses tinham conquistado lugar no mundo da política, anteriormente de entrada reservada à nobreza, aos trabalhadores foi atribuído direito de admissão na política desde que continuassem a trabalhar (Habermas, 1987)⁠. Teoricamente, todos os membros masculinos e adultos da sociedade passaram a chamar trabalho àquilo em que se ocupavam quotidianamente, destruindo as diferenças entre trabalho produtivo e trabalho improdutivo tão importante para distinguir as classes no século XIX (Hudson, 2022)⁠. Mesmo os aristocratas e burgueses passaram a designar trabalho aquilo que faziam, ultrapassando os antigos preconceitos sobre a (in)dignidade do trabalho.

A despolitização das lutas dos trabalhadores contribuiu para a redução da influência dos sindicatos, para a despolitização da política, substituída a luta de classes pelas políticas públicas contra a desigualdade. Estas são centradas nas questões de juventude e de género e, secundariamente, nas questões étnicas (Wieviorka, 2005)⁠. Os movimentos identitários imitam e substituem os movimentos de trabalhadores, na esperança de os seus líderes se tornarem parceiros sociais respeitados.

A estratégia de progresso pela conversão dos excluídos, como são os trabalhadores no caso da vida económica, em cidadãos e cidadãs politicamente integrados continua a ser dominante. A culpabilização das vítimas dos processos de exclusão foi alargada dos trabalhadores (que, na ideologia dominante, só serão excluídos se não forem proactivos na sua formação escolar e profissional, na sua intervenção sindical e política) para incluir também as mulheres, os jovens, as pessoas com orientações sexuais não previstas na lei e membros de grupos estigmatizados. Todos os socialmente prefilados como vítimas se tornam automaticamente candidatos a cidadãos que contribuem com novos direitos para acrescentar sem transformar as sociedades modernas.

Para a ideologia dominante, a pobreza resulta da falta de educação financeira, o desemprego da falta de formação escolar, a misoginia do carácter criminoso da psicologia dos abusadores, a homofobia de uma moral tradicional, o racismo dos resquícios do colonialismo, etc. O crescendo da influência política do racismo não tem explicação neste quadro ideológico de integração social dos trabalhadores e das outras “minorias” como cidadãos (Palidda & Garcia, 2010)⁠. Nas circunstâncias actuais, há reprodução de discriminações sociais capazes de justificar a manutenção das sociedades de classe, em especial há a manutenção e reforço do espírito colonial através daquilo que há quem chame racismo institucional.

Em vez de reclamar direitos para se manterem como classe, os trabalhadores e operários transformados em proletariado (gente estruturalmente despossuída), segundo Marx, deveriam ter sido capazes de mudar a sociedade para que jamais voltasse a haver classe operária e direito de propriedade ou direito penal. Não foi isso que aconteceu. Os trabalhadores, imitados por outras identidades sociais económicas, étnicas, de género, continuam a reclamar direitos para se manterem a fazer o que fazem, sem olhar para os resultados do trabalho colectivo, nomeadamente a degradação das relações internacionais, quanto a guerras, misérias e refugiados, e entre a vida e o meio ambiente.

A nível internacional, por exemplo, o alinhamento geral realizado pela globalização resulta na reivindicação de todos os países do mundo para que lhes seja reconhecido o direito a estabelecer um modo de vida ocidental ambientalmente degradante da vida de todos. Décadas de conferências internacionais sobre o clima e a biodiversidade revelam frustração das metas preventivas acordadas teoricamente e negadas na prática. Para cada vez mais pessoas, sobretudo as com menos recursos que possam mobilizar para escapar dos desastres e das zonas de maior risco, as alterações climáticas são um perigo de vida. A ideia de conversão da humanidade a outros estilos de vida, a organização de sociedades sem classes não tem curso.

Referências:

Brocco, P. D. B. (2016). Vida nua e forma-de-vida em Giorgio Agamben e Karl Marx: Violência e emancipação entre capitalismo e estado de exceção. DILEMAS: Revista de Estudos de Conlito e Controle Social – Vol. 9 – No 1 – 2016- Pp. 103-13, 9(1), 103–135.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisboa e S. Paulo: Lisbon International Press.

Fernandes, T. X. (2020, October 13). The Ecstatics – Michel Foucault’s Concept of Political Spirituality. Retrieved November 28, 2021, from Anarchists Studies noblog website: https://anarchiststudies.noblogs.org/article-the-ecstatics-michel-foucaults-concept-of-political-spirituality/

Fukuyama, F. (1999). O Fim da História e o Último Homem. Lisboa: Gradiva.

Habermas, J. (1987). Tendência da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, (2), 185–204. Retrieved from https://sociologiapp.iscte-iul.pt/fichaartigo.jsp?pkid=429

Hudson, M. (2022). The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism. Baskerville: ISLET—Verlag.

Machaqueiro, M. A. B. (2006). 1917: Percepções de uma Revolução – identidades, conflitos e paradigmas na revolução soviétiva. Coimbra.

Mattei, C. E. (2022). The Capital Order – How Economists Invented Austerity and Paved the Way to Fascism. Chicago: Chicago University Press.

Palidda, S., & Garcia, J. Á. B. (Eds.). (2010). Criminalización racista de los migrantes en Europa. Granada: Comares Editorial.

Wieviorka, M. (2005). After New Social Movements. Social Movement Studies, 4(1), 1–19.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (11 de Janeiro de 2023). Sociedades sem classes. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvph


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search