Libertação das ciências centrípetas

O viés comportamentalista das ciências sociais toma as aparências pelas realidades, alegando não ser possível outro tipo de conhecimentos por limitações inatas dos cientistas. Porque os cientistas são humanos, as suas limitações cognitivas apenas poderiam ser superadas pelas tecnologias imaginadas terem existência separada e até oponível à dos humanos.

Esta tese é apoiada e praticada por experimentalistas, pela física quântica, pela tecnociências, pelas políticas científicas dominantes, pela tecnocracia e constitui o núcleo duro das ciências centrípetas, aquele tipo de ciências que nega ou desvaloriza a viabilidade do estudo de panos de fundo que dão sentido, consistência e profundidade aos estudos de detalhe (Dores, 2021a).

É assim que o estudo da natureza humana, por exemplo, aparece como aberrante ou mesmo nazi-fascista aos olhos da maior parte dos cientistas (Sacarrão, 1982; Zuboff, 2019, pp. 361–363, 322, 325, 441). Para eles, natureza significa o inverso da humanidade. Significa eternidade imutável no seu movimento praticamente mecânico, de acordo com leis universais entrópicas incompatíveis com o livre arbítrio neguentrópico singularmente humano e que está na base da liberdade congénita das sociedades e da história.

À ciência repugna misturar a humanidade com a natureza. Por exemplo, a natureza seria entrópica, segundo as leis da termodinâmica, e a vida é excepção neguentrópica. Dois problemas se levantam, a este respeito: se a vida selvagem, na natureza, é neguentrópica, o que a distingue da vida humana? Se a neguentropia é própria da vida, como explicar a geração de constelações, sistemas estrelas-planetas, etc.?

O universo, sabe-se de fonte segura, tem de facto uma história. Contudo, a ciência fixou raciocínios errados nas suas instituições, nomeadamente quando separa de forma estanque as ciências naturais e as ciências sociais. Para manter esse erro, as instituições científicas desenvolveram a hiperespecialização disciplinar e subdisciplinar, por um lado, e a redução behaviorista, comportamentalista, dos conhecimentos nas ciências sociais, por outro lado.

Para alguns cientistas a liberdade é um problema. Desde Platão há notícias de sábios elitistas que imaginam serem mais bem preparados para governar do que os políticos e, sobretudo, do que os cidadãos. A história recente, todavia, encarregou-se de negar a tese da superioridade da razão única, do discurso único, da infalibilidade das ciências, do fim da história e do fim das ideologias (Fukuyama, 1999). Ao contrário das teses revolucionárias do fim das religiões, do fim dos privilégios, do fim das desigualdades, da viabilidade do crescimento infinito, da superioridade da racionalidade, à Guerra Fria não se seguiu nem o socialismo, nem o respeito pelos direitos humanos, nem o fim da corrupção, nem a liberdade de circulação das pessoas na Terra. Ao invés, cada vez se torna mais evidente estarmos enganados no que diz respeito à viabilidade de manter os estilos de vida modernos e quanto à resposta da Terra em relação a isso. Porém, a consciência de ser assim não tem servido para mudar os comportamentos em que estamos viciados, de que dependemos para ter rendimentos para continuarmos a dar vazão às produções industrializadas que estão a criar alterações climáticas desastrosas.

Embora as ciências sociais se mantenham separadas das ciências naturais alegando estarem assim a defender o princípio da liberdade individual, próprio da nossa civilização, a prática mostra que a inoperância das instituições face às alterações climáticas, contra as intenções anunciadas pelos seus dirigentes, inclui a repressão política e policial de propostas de acção social para romper com os vícios que nos limitam, incluindo as práticas dominantes nas ciências e nas ciências sociais.

Acções de libertação

Para quem alega que as ciências sociais são garantes da liberdade individual e da pró-actividade social e que contestar os seus conhecimentos é do interesse de forças autoritárias e irracionais, há muita coisa a explicar.

A libertação da acção humana para enfrentar as alterações climáticas de um modo adaptativo, substituindo o modo destrutivo com que a civilização ocidental seduziu todo o mundo, passa por uma reconceptualização da liberdade e das ciências. A liberdade é um valor manipulado, com todos os outros. Segundo Graeber e Wengrow (2021), os filósofos franceses do Iluminismo aprenderam a usar a noção ao tempo exótica de liberdade com alguns embaixadores ameríndios. As Revoluções Americanas e Francesas consagraram a liberdade como valor universal limitando o seu uso aos interesses burgueses de acesso às decisões estratégicas e empresariais de que estavam afastados pelas discriminações sociais próprias das sociedades de ordens. A liberdade inspirou os revolucionários de esquerda desde então, aqueles que propagavam a ideia de estender o respeito da vontade e interesses a toda a gente, a começar pelos homens e, já no fim do século XX, incluindo às mulheres e a não-nacionais, mantendo sempre limitações em razão de alegações de operacionalidade.

A liberdade nunca foi um dado adquirido. Ao inverso, foi uma palavra de ordem que escamoteou a falta de liberdade, desde logo dos presos, evidentemente. A tese de as prisões serem um mundo à parte decorre de, na verdade, ser exactamente ao inverso. As pessoas presas representam objectivamente, através da privação de liberdade a que estão legitimamente sujeitas, acrescida das torturas a que estão aleatoriamente sujeitas – se se não considerar que estar aleatoriamente sujeito a tortura não é já, em si, uma tortura – o contraponto indispensável para dar consistência subjectiva à noção de vida em liberdade com que designamos os estilos de vida modernos, sem pensar muito no que seja a liberdade.

Será liberdade estarmos sujeitos a trabalhos assalariados ou por conta própria ao serviço das elites estatais-empresariais? Será liberdade não termos voz quando se planeiam as produções em larga escala das tecnologias que nos condicionam a vida? Mesmo a liberdade política está, para a maioria, restrita ao voto em representantes. Para os profissionais da política, a liberdade é a de propor profissionalmente práticas políticas do agrado das elites que conduzem de nenhures os destinos do mundo.

A libertação é a luta social para a afirmação de ideais e processos práticos capazes de tornar as vidas mais felizes, como escreveram os constituintes norte-americanos, entre os quais senhores de escravos. A libertação também é libertarmo-nos de concepções aberrantes de liberdade, como aquelas que limitam a liberdade ao facto de não se estar preso.

O conceito de ciência centrífuga completa as ciências centrípetas, auto-limitadas pelos métodos industriais disponíveis e apoios das tecnocracias, não é uma forma de negar o valor das ciências. Nega é a autoridade da ciência para negar outras formas de conhecimento, só para evitar a concorrência de outros interesses corporativos, universitários, escolares, profissionais junto dos financiadores, junto das elites. Fá-lo por interesse próprio: para combater o subfinanciamento e até a repressão das práticas científicas centrífugas, como as que fazem pontes íntimas com a filosofia para descobrir panos de fundo capazes de manter perguntas vivas, em vez de dar respostas precipitadas e autoritárias (Dores, 2021b).

Referências:

Dores, A. P. (2021a). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Dores, A. P. (2021b). A promoção centrífuga do ensino da sociologia. Configurações, 28, 159–174.

Fukuyama, F. (1999). O Fim da História e o Último Homem. Gradiva.

Graeber, D., & Wengrow, D. (2021). The dawn of everything – a new history of humanity. Farrar, Straus and Giroux.

Sacarrão, G. F. (1982). A Biologia do Egoísmo. Europa-América.

Zuboff, S. (2019). The Age of Surveillance Capitalism. Profile Books.

Outros textos sobre ciências centrípetas:

Incorporar e difundir humanidade – estados de espírito, civilização e ciências centrípetas

Espírito do capitalismo e a missão imperial a que obedece


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (20 de Novembro de 2022). Libertação das ciências centrípetas. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvpf


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search