Sociedades sequestradas

O sintoma do sequestro é a síndrome de Estocolmo generalizada nas sociedades ocidentais. Os nacionalismos enfaticamente discriminatórios e imperialistas ao serviço dos estados-economias (Perkins, 2004; Woodiwiss, 2006), de que assistimos ao ressurgimento na política pelo menos desde 2001 (Amaral, 2003) e, de forma mais aguda, na guerra da Ucrânia, tolhem autoritariamente e de forma obscurantista as nossas acções e pensamentos.

Karl Polanyi (1980 [1944]), recordado (Burawoy, 2004) e retomado a propósito do que aconteceu após a nova grande depressão de 2008, descreve o sequestro das sociedades em modernização pelos estados e economias na viragem do século XIX para o XX. Os sociólogos mais entusiasmados com a nossa profissão entendem que essa libertação será, ao menos em parte, obra da sociologia. Na verdade, esperam poder contribuir para a defesa da sociedade com a sua versão da sociologia, como a sociologia pública de Burawoy ou a perspectiva de unidade dos sociólogos de Lahire (2012) e de Mouzelis (1995) .

A consciência social cada vez mais aguda sobre a recorrência dos desastres naturais devido ao aquecimento global gerado pela acção humana só agora começa a ser tida em conta nas teorias sociais (Clark & Szerszynski, 2021). As ciências sociais abandonaram o seu propósito clássico de se tornarem ciências (Nunes, 1973). A divisão disciplinar interna reforça o alheamento em relação às ciências naturais. A sociologia das ciências, por exemplo, não estuda os centros de investigação das ciências sociais a par da investigação biológica, física, química ou de engenharia.

Destruição da natureza

A demarcação entre as ciências naturais e as ciências sociais parece definitiva. Cada disciplina das ciências sociais observa o elefante, digamos assim, do seu ponto de vista especial: a economia queixa-se da escassez da natureza, a antropologia queixa-se da falta de cultura da natureza, a sociologia nota a falta de instituições que garantam a vigência das leis da natureza, as ciências políticas notam a falta de democracia na natureza. Mas em vez de se envolverem na descoberta do modo como a natureza produziu as sociedades modernas, dedicam-se a fazer a apologia da modernização, ocupadas profissionalmente a resolver os seus pequenos problemas (Coser, 1956, p. 27). Os grandes problemas das ciências sociais, nomeadamente o estudo do que seja a sociedade, são preteridos.

Como nota Michael Kuhn (2016), a liberdade referida pelas teorias sociais é uma liberdade concedida, outorgada, limitada, pelas elites políticas e económicas. O estudo das desigualdades é formal, estatístico (Wilkinson & Pickett, 2009), realista. Também pode ser crítico, como as infindáveis denúncias das discriminações estruturais que, apesar do acumular de evidências, não chegam para convencer a comunidade científica (Alexander, 2010; Federici, 2017; Ladd, 2013; Táíwò, 2022), ciosa da necessidade de manter as respectivas profissões especializadas financiadas pelas elites (Dores, 2021).

As sociedades modernas, convencidas do contrário, estão mais sequestradas hoje do que estavam na Idade Média (Habermas, 1987; Lyon, 2001; Sandel, 2020; Tönnies, 1995 [1887]). Por isso precisam, no dizer de Polanyi e Burawoy, entre outros, de serem libertadas do sequestro global organizado pelas elites.

Porém, a análise social presume que as sociedades são a justaposição dos indivíduos estatisticamente representáveis e representados dentro de fronteiras administrativas, cujas autoridades autorizam e coordenam a feitura dos inquéritos. As relações sociais que condicionam as respostas aos inquéritos em função da experiência escolar, como quem responde a um teste, são expressões da síndrome de Estocolmo: a colaboração dos inquiridos com os inquiridores, e em geral, observam aquilo que cada um entende ser o interesse das elites (no caso, representado pelo inquiridor) traduzidos, na medida do possível, em interesses pessoais, em reivindicações ou pedidos para facilitar a vida.

Os dados dos inquéritos são, por isso, completados por interpretações ideológicas, dita teóricas ou macro, e/ou por métodos etnográficos ou micro. A produção de evidências científicas nas ciências sociais está intimamente condicionada aos interesses socialmente percebidos das elites e pelos modos como as disputas de poder podem favorecer, ou não, uns e outros.

Sociedades sequestradas

A radicalidade da incorporação da síndrome de Estocolmo nas sociedades modernas decorre da realidade dos sequestros promovidos pelo estado e pela economia antagonistas e aliadas das sociedades que conjuntamente exploram.

As sociedades modernas subordinam-se voluntariamente à missão imperial de explorar a Terra em nome do Deus cristão que terá encarregado as elites ocidentais de cristianizar toda a gente. Sintoma dessa submissão é a efectividade do encobrimento da estrutura social de ordens que enquadra as sociedades de classes. Outro sintoma é a noção de a cultura ser o modo através do qual a humanidade se separou da natureza, passando a controlá-la como quem domestica animais ou plantas. As doutrinas religiosas, as ciências sociais, as humanidades, aproveitam a urbanização para desencantar a natureza, ou melhor, para a diabolizar, santificando em contrapartida o status quo favorável à missão imperial, como se fosse eterno.

As ciências sociais não ajudaram os cientistas do ambiente a romper as campanhas político-mediáticas de negacionismo do aquecimento global. Isso sairia fora da alçada das suas auto-limitadas competências. Como estarão em condições de romper com o sequestro que condiciona não apenas as sociedades, mas também as teorias sociais?

As teorias realistas propagam a ideia de as ciências não estarem em condições de fazer outra coisa a não ser apoiar as decisões dos estados e das empresas com pareceres técnicos bem informados, reveladores de evidências. As teorias críticas notam a necessidade de esses relatórios serem previamente organizados segundo linhas ideológicas, ora pró-governamentais ora pró-oposição. O facto de as ciências sociais não aspirarem a ser ciências ajuda a somar à divisão de trabalho disciplinar utilizada nas ciências a divisão ideológica dos investigadores sociais, das escolas e dos centros de investigação, mais à esquerda ou mais à direita.

Teorias realistas e críticas mantém-se concentradas nas questões de poder. Pretendem servir com os seus relatórios os interesses de quem as possa sustentar. É uma questão de sobrevivência profissional no mundo concorrencial criado pelas políticas científicas. Resulta uma grande catedral abstracta, a que se chama ciências sociais, com as suas capelas em competição e sem comunicação entre si. Chamemos-lhes ciências centrípetas.

Uma coisa que se pode fazer e será necessária para escapar ao sequestro e aos sintomas da síndrome de Estocolmo de que sofremos, as sociedades e as profissões, incluindo as profissões científicas, é reconhecer e valorizar os modos centrífugos de fazer ciência. Procurar continuar o caminho da filosofia social e a ciência, sem respeitar as divisões artificiais entre disciplinas e entre estas e as suas subdisciplinas. Pode-se dar prioridade às investigações que estudam directamente os panos de fundo, os substratos universais (Schofield, 2018). No caso das ciências sociais, obviamente, estudar o que seja a sociedade de que se fala sem saber muito bem o que seja, deve ser uma prioridade.

Referências:

Alexander, M. (2010). The New Jim Crow – Mass Incarceration in the Age of Colorblindness. The New Press.

Amaral, D. F. do. (2003). Do 11 de Setembro à crise do Iraque. Bertrand.

Burawoy, M. (2004). For a Sociological Marxism: The Complementary Convergence of Antonio Gramsci and Karl Polanyi. Politics & Society, 31, 193–261.

Clark, N., & Szerszynski, B. (2021). Planetary Social Thought: The Anthropocene Challenge to the Social Sciences. Polity Press.

Coser, L. A. (1956). The Functions of Social Conflict. Free Press.

Dores, A. P. (2021). Reeducar o século XXI: libertar o espírito científico. Lisbon International Press.

Federici, S. (2017). Calibã e a Bruxa – mulheres, corpo e acumulação primitiva (C. Sycirax, Ed.). Editora Elefante.

Habermas, J. (1987). Tendência da Jurisdicização. Sociologia, Problemas e Práticas, 2, 185–204.

Kuhn, M. (2016). How the Social Sciences Think about the World´s Social – Outline of a Critique. Ibidem.

Ladd, P. (2013). Em Busca da Surdidade 1 – Colonização dos Surdos. Surd´Universo.

Lahire, B. (2012). Monde pluriel. Penser l’unité des sciences sociales. Seuil.

Lyon, D. (2001). Surveillance Society. Open University Press.

Mouzelis, N. (1995). Sociological Theory: What Went Wrong? – diagnosis and remedies. Routledge.

Nunes, A. S. (1973). Questões Preliminares sobre as Ciências Sociais. Cadernos G. I. S., n.° 10.

Perkins, J. (2004). Confessions of an Economic Hit Man. Berrett-Koehler Publishers.

Polanyi, K. (1980). A Grande Transformação – as origens da nossa época (1a ed. 194). Editora Campus.

Sandel, M. J. (2020). The Tyranny of Merit. Penguin Books.

Schofield, J. (2018). The Real Philosophy of Science. Smashwords.

Táíwò, O. O. (2022). Reconsidering Reparations. Oxford University Press.

Tönnies, F. (1995). Comunidades e Sociedade. In M. B. da Cruz (Ed.), Teorias Sociológicas – Os Fundadores e os Clássicos (antologia de textos) (pp. 511–518). Fundação Caloust Gulbenkian.

Wilkinson, R., & Pickett, K. (2009). The Spirit Level – why more equal societies almost always do better. Penguin Books.

Woodiwiss, M. (2006). Capitalismo Gangster. Ediouro.


OpenEdition sugere que esta publicação seja citada da seguinte forma:
Antonio Dores (30 de Agosto de 2022). Sociedades sequestradas. Libertação do império (Liberation from the Empire). Recuperado em 16 de Julho de 2024 de https://doi.org/10.58079/qvpc


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search